Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Nossos pensamentos, conforme forem bons ou maus, podem nos conduzir ao paraíso ou ao inferno; isso não acontece nem no céu nem embaixo da terra, mas aqui, nessa vida.
Lucy Malory
18/10/2018

Equipe de Bolsonaro estuda reforma no FGTS. Haddad quer ampliar função social do Fundo

A equipe técnica do candidato Jair Bolsonaro (PSL) defende uma reforma no FGTS para permitir que os trabalhadores possam aplicar os recursos das contas vinculadas no mercado de capitais, visando a uma aposentadoria complementar no futuro, com rentabilidade superior à atual, de 3% ao ano. A ideia é diversificar as opções de investimento com o Fundo, sem permitir o saque dos recursos. Ainda não há detalhamento sobre como seria feita a transferência dos recursos.

A ideia é que essa reserva possa ser retirada, no todo ou em parte, no momento de desemprego. A contribuição para o Fundo (de 8% sobre a remuneração do trabalhador) que é paga pelos empregadores continuaria compulsória.

No ano 2000, já foi feita iniciativa similar de diversificação, quando foi permitida a aplicação de parte dos recursos do FGTS em fundos de ações de Vale e Petrobras.

O FGTS tem sido usado por diferentes governos, não apenas como reserva do trabalhador após demissões sem justa causa, mas como instrumento econômico, voltado para expandir a oferta da moradia de baixa renda e melhorar a infraestrutura. Os candidatos à Presidência têm visão divergente sobre o tema. Enquanto a equipe de Bolsonaro está insatisfeita com o rendimento, a de Fernando Haddad (PT) avalia que o Fundo cumpre sua função social.

Atualmente, o dinheiro fica preso na Caixa Econômica Federal, e o saque é autorizado em situações específicas, como compra da casa própria, aposentadoria e doenças graves. Os principais argumentos da proposta são a baixa rentabilidade para os cotistas e o uso do Fundo pelo governo para executar políticas públicas, como o Minha Casa Minha Vida.

Para incentivar o cotista a investir a longo prazo, a ideia dos assessores de Bolsonaro é criar plataforma semelhante à do Tesouro Direto, com isenção tributária sobre os ganhos de capital. Os poupadores do FGTS poderiam aplicar os recursos em títulos ligados à infraestrutura, ações ou fundos de investimento.

Já a equipe de Haddad defende a manutenção da sistemática atual do FGTS. A avaliação é que o Fundo “é uma forma de preservação da renda do trabalhador que não pode ser abandonada”, principalmente em um mercado de alta rotatividade como o brasileiro. Além disso, a assessoria do candidato reforçou que o FGTS “possui um importante papel como mecanismo de financiamento de habitação e infraestrutura”. Haddad informou que pretende ampliar o Minha Casa Minha Vida.

Os estudos foram apresentados ao economista-chefe de Bolsonaro, Paulo Guedes, que teria gostado da proposta, segundo interlocutores, mas ainda não há decisão. Guedes já avisou a empresários do ramo da construção civil que pretende extinguir o Fundo de Infraestrutura do FGTS (FI-FGTS), gerido pela Caixa e investigado em um desdobramento da Lava-Jato, devido ao desvio dos recursos por políticos. Com carteira de projetos superior a R$ 30 bilhões, o plano é que o FI-FGTS não faça novos empréstimos. À medida que os recursos retornem, serão incorporados ao patrimônio do FGTS.

Os defensores da reforma do Fundo alegam que a baixa remuneração das contas estimula o saque o mais rápido possível, o que prejudica a formação de poupança de longo prazo. Além disso, o modelo vigente estimularia a rotatividade no emprego só para sacar o dinheiro, o que ocorre no caso de demissões sem justa causa. Neste caso, há ainda multa de 40% sobre o saldo.

A equipe econômica do atual governo já teve a mesma ideia e chegou a publicar, em agosto de 2016, chamada para realização de estudos de acadêmicos sobre uma reforma legal do FGTS. Diante das críticas, o governo recuou e cancelou o edital. O objetivo era transformar o Fundo num mecanismo conjugado de seguro-desemprego e poupança de longo prazo, criando um benefício financiado em regime de capitalização.

ORÇAMENTO DE R$ 81 BI

Integrantes da equipe de Bolsonaro disseram que há várias propostas na mesa para conter a despesa com o seguro-desemprego, estimada em R$ 39,5 bilhões neste ano e R$ 41,6 bilhões em 2019. Mas não está claro se o auxílio continuará existindo no formato atual.

Perguntado sobre como ficariam os setores financiados pelo FGTS (habitação, saneamento e mobilidade urbana), um auxiliar do candidato respondeu que cabe ao governo federal apontar a fonte de recursos para os programas sociais no Orçamento público. Essa é a mesma opinião do economista Gustavo Franco, que é filiado ao Partido Novo.

Franco disse que a medida tem a simpatia de 80 milhões de trabalhadores com recursos do FGTS. Segundo ele, os cotistas recebem “migalhas”, enquanto governo e Caixa fazem uso político do dinheiro. O banco recebe a título de taxa de administração o equivalente a R$ 5 bilhões por ano para gerir as contas vinculadas.

O economista destacou que os ganhos do FGTS de 2003 para cá são equivalentes a um sexto do rendimento dos fundos de pensão.

— Os trabalhadores estão sendo tungados — disse.

Franco defende uma linha de corte, a partir da qual os empregadores passem a depositar as contribuições dos funcionários numa conta apartada do FGTS. Assim, o cotista poderia aplicar os recursos livremente. Para ele, o saldo das contas antigas poderia migrar de forma gradual ao novo FGTS. Os recursos dos cotistas somam R$ 500 bilhões, mas 60% estão emprestados e retornam aos poucos.

A mudança nas regras do FGTS desagrada ao setor da construção, que deve procurar Guedes na próxima semana para conversar. O temor é que o segmento seja afetado pela falta de recursos. O orçamento do FGTS projetado para 2018 é de R$ 81 bilhões. Do total, R$ 63 bilhões são para habitação, sendo R$ 58 bilhões só para o Minha Casa Minha Vida.

Fonte: O Globo
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br