Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

É claro que meus filhos terão computadores, mas, antes disso, terão livros.
Bill Gates
10/10/2018

Dos deputados paulistas a favor da reforma trabalhista, 42% não se reelegeram

Diap destaca influência do movimento sindical, que fez campanha contra os apoiadores do projeto. Relator do texto também ficou de fora

por Redação RBA

LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Deputados federais eleitos em 2018

Na Câmara, 47 deputados federais por São Paulo, de um total de 67, votaram a favor do projeto

São Paulo – Na votação da "reforma" trabalhista na Câmara, 47 deputados federais por São Paulo, de um total de 67, votaram a favor do projeto. Destes, 43 tentaram a reeleição neste ano e 25 (58,1%) conseguiram. Dezoito (41,9%) fracassaram na tentativa de continuar na Casa, três não disputaram e um foi cassado (confira quadro).

À época no PSC, Eduardo Bolsonaro (PSL), por exemplo, não só se reelegeu, como tornou-se o candidato mais votado da história, com 1.843.375 votos. Major Olímpio (SD) e Mara Gabrilli (PSDB) conquistaram as duas cadeiras do Senado em disputa neste ano. O também tucano Ricardo Trípoli ficou de fora.

Mas alguns nomes conhecidos não passaram pelas urnas. Caso do ruralista Nelson Marquezelli (PTB), que perdeu a reeleição depois de seis mandatos. Favorável ao impeachment de Dilma Rousseff, ele também votou pela chamada PEC dos Gastos, que se tornou a Emenda Constitucional 95, de congelamento de gastos públicos. Em 2011, articulou um reajuste de 62,5% para os deputados, para que assim eles não precisassem mais "fazer bico".

Outro veterano da Câmara, Jorge Tadeu Mudalen (DEM), ficou de fora. Além de votar a favor da "reforma", apoiou o impeachment. E, como Marquezelli, defendeu a rejeição de duas denúncias contra Michel Temer. Com cinco mandatos de vereador na cidade de São Paulo, Goulart, do PSD, que cumpre seu primeiro mandato na Câmara federal, também não voltará a Brasília.

reforma

Para o diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) Antônio Augusto de Queiroz, o Toninho, a derrota de parte dos candidatos nas urnas teve influência do movimento sindical, que fez campanha para que eles não conseguissem a reeleição. "O trabalho das entidades foi importante", diz o analista, citando o exemplo de Rogério Marinho (PSDB-RN), relator do projeto de "reforma", que também não vai continuar na Câmara. "Ele teve muito apoio do poder econômico", lembrou.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br