Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Critique a si mesmo, mas não fique desesperado com isso.
Epicteto
09/10/2018

Denunciada por fraudes no Ministério do Trabalho, Cristiane Brasil teve 10.002 votos e sai da Câmara

Deputada federal, filha do presidente do PTB Roberto Jefferson e proibida pelo Supremo de por os pés no Ministério do Trabalho no âmbito da Operação Registro Espúrio, não se elegeu e dia 1.º de janeiro já perde o foro privilegiado

Luiz Vassallo e Julia Affonso

08 Outubro 2018 | 16h18

Roberto Jefferson (ao fundo) e a filha Cristiane Brasil. Foto: Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

Denunciada por suposto esquema de fraudes no Ministério do Trabalho e proibida de por os pés na pasta pelo Supremo, a deputada federal Cristiane Brasil (PTB) não se reelegeu pelo Rio. Com apenas 10.002 votos, a parlamentar vai perder o foro privilegiado na Corte máxima já no dia 1.º de janeiro. Investigações que a envolvam devem prosseguir na primeira instância judicial.

Filha do ex-deputado e presidente do PTB, Roberto Jefferson, pivô do esquema do Mensalão, em 2005, Cristiane chegou ao Congresso nas eleições de 2014, quando teve 80 mil votos.

Ela chegou a ser cotada pelo governo Temer para assumir o Ministério do Trabalho, mas teve seus planos frustrados por decisão da ex-presidente do Supremo, Cármen Lúcia, em janeiro, no âmbito de ação popular em que advogados apontavam que ela havia sofrido condenações na Justiça Trabalhista. Outros juízes federais já haviam dado liminares para suspender a posse.

Em meio à guerra de liminares que acabou por fazer o governo Temer desistir da nomeação, Cristiane chegou a gravar um vídeo, em meio a música alta em uma lancha, por meio do qual se defendeu das acusações. “O negócio é o seguinte: quem é que tem o direito? Ainda mais na Justiça do Trabalho?”, afirmou.

Em junho, Cristiane foi alvo de buscas e apreensões no âmbito da Operação Registro Espúrio, sobre fraudes na concessão de registros sindicais pelo Ministério do Trabalho. Em agosto, ela, seu pai, e outros investigados, foram denunciados pela Procuradoria por organização criminosa.

Por decisão do Supremo, Cristiane é alvo de cautelares, como ‘a proibição de frequentar o Ministério do Trabalho, salvo quando tal acesso seja imprescindível ao exercício do mandato parlamentar mediante prévia justificativa’, e ‘proibição de manter contato com os demais investigados ou servidores da Pasta, salvo, nesta última hipótese, quando imprescindível ao exercício do mandato parlamentar, mediante prévia justificativa’.

Por duas vezes, a deputada teve de se justificar ao Supremo sobre o contato com investigados. Em uma delas, para participar de uma convenção do PTB, e em outra oportunidade, para passar o dia dos pais com Roberto Jefferson.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br