Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Critique a si mesmo, mas não fique desesperado com isso.
Epicteto
03/10/2018

Intelectuais de várias partes do mundo temem pela democracia no Brasi

Intelectuais e políticos de diversas partes do mundo lançaram um manifesto onde demonstram preocupação com os rumos políticos do Brasil. No documento, expressam os impactos da eleição de um candidato fascista à presidência – diante de condições adversas – não só para o país, mas para as demais nações com quem o Brasil se relacional política e economicamente.

Divulgação Ao lado de Bolsonaro está o general Mourão, uma chapa fascista que atenta contra a democracia abertamente Ao lado de Bolsonaro está o general Mourão, uma chapa fascista que atenta contra a democracia abertamente

O documento é assinado por intelectuais como Noam Chomsky, professor da Universidade de Massachusetts, Pierre Sané, ex-presidente da Anistia Internacional e o ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim.

No manifesto, os intelectuais destacam que o golpe contra Dilma, seguido do impedimento da candidatura de Lula à presidência proporcionam um cenário que facilita a eleição de Jair Bolsonaro, representante da extrema-direita. Com isso, se mostram preocupados com o possível resultado das eleições e o impacto disso no mundo.

Leia o manifesto na íntegra:

Alertamos sobre o golpe à democracia no Brasil e suas consequências globais

A destituição da presidenta Dilma Rousseff, em 31 de agosto de 2016, iniciou um ataque à democracia no Brasil cujo fato seguinte foi no último dia 1 de setembro de 2018, com a inabilitação do ex-presidente Lula, favorito nas pesquisas de intenção de voto para a presidência.

Como efeito de ambos os atos, coloca-se a cidadania brasileira diante da perigosa perspectiva da possível vitória de um candidato fascista, racista, misógino e homofóbico, autor de chamados à violência e repressão armada.

Destacamos que estes golpes ilegítimos, golpe parlamentar contra a presidenta Dilma e golpe judicial, pela condenação sem provas a 12 anos de prisão e agora inabilitação do candidato à reeleição, Lula, são passos de um plano para impedir que o Partido dos Trabalhadores (PT), ao qual pertencem, implemente o modelo de redistribuição de riqueza, redução das desigualdades sociais, raciais e de gênero, que nestes 16 anos foi um exitoso exemplo de alternativa ao neoliberalismo da crise global.

Alertamos para a instrumentalização do poder judicial, no Brasil e em outros países em desenvolvimento, como ponta de lança de uma estratégia geral do capital financeiro internacional e meios de comunicação que não cumprem seu dever de veracidade. Estratégia que tenta, alegando a luta anti-corrupção que na verdade eles pervertem, eliminar a carreira eleitoral, com condenações injustas, dos políticos vistos como freio à agenda ditada pelos mercados.

Particularmente grave é que o estado do Brasil que, com grande vigor, foi referência do multilateralismo e impulsionou valiosas iniciativas como os Brics, tenha decidido não dar ouvidos, agora, à solicitação do Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas de que se “sejam garantidos os direitos políticos de Lula incluindo o de ser candidato às eleições presidenciais de 2018”.

Nossa preocupação é profunda pelas consequências que facilitar ilegitimamente a vitória do candidato fascista no Brasil podem ter, tanto no país como num panorama internacional onde os líderes da mais belicosa ultradireita ascendem e até governam com votos fruto da frustração pela crise de 2008 e o austericídio do qual o neoliberalismo é responsável.

Mas também porque para que o resultado eleitoral das eleições de 7 e 28 de outubro sejam pacificamente aceitos pela sociedade, devem ser garantidas as condições de justa concorrência entre candidatos de todos os partidos, incluindo o PT.

Madri, setembro de 2018.

Assinam este manifesto:

Celso Amorim, ex-ministro da Defesa e das Relações Exteriores do Brasil

Renata Ávila, Diretora da Fundação Cidadania Inteligente

William Bourdon, advogado e sócio fundador da Bourdon & Associados

Pedro Brieger, jornalista e diretor do Nodal

Noam Chomsky, professor emérito do Instituto de Tecnologia de Massachusetts

Gaspard Estrada, diretor executivo do Opalc, Scienses Po

Baltasar Garzón, jurista e presidente da Fibgar

Rafael Heiber, diretor executivo e co-fundador do Commom Action Forum

Alexander Main, diretor de Política Internacional do CEPR, Washington, DC

Pierre Sané, ex-secretário geral da Anistia Internacional e presidente do Instituto Imagine Africa

Do Portal Vermelho

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br