Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Olhando de longe, tudo é belo.
Tácito
19/09/2018

O golpe vai perder a eleição, mas pode se reinventar

O fracasso golpista explica a ascensão da extrema-direita, resultado do desamparo, da descrença, da despolitização. Bolsonaro é subproduto do golpe.

Por Pedro Rossi*

Miguel Martins

O plano golpista era: "primeiro a gente tira a Dilma, depois a gente faz as reformas, retoma o crescimento econômico para, em seguida, legitimar o golpe e suas reformas nas urnas". Deu tudo errado, o golpe não retomou o crescimento, inviabilizou seus candidatos orgânicos, fortaleceu a esquerda e fez ressurgir a extrema-direita no Brasil.

O golpe de 2016 é uma mudança radical no projeto político e econômico, viabilizada por sujeitos históricos - como o vice presidente, parte da mídia, do judiciário e do congresso – e por um instrumento extraordinário, o impeachment.

Trata-se da mudança na estrutura de poder para a imposição de uma agenda neoliberal extremamente radical (com DNA tucano, diga-se de passagem) que prometia entregar confiança aos mercados e crescimento econômico para a população.

Mas o fracasso foi rotundo: golpe virou sinônimo de degradação social, desemprego em massa, desamparo aos trabalhadores e deterioração dos serviços públicos.

Esse contexto desolador explica o fortalecimento das candidaturas de esquerda que propõem a revogação das reformas golpistas, como a reforma trabalhista e a emenda do teto de gastos, e a volta do protagonismo do Estado na política social e na indução do crescimento.

O fracasso também explica a hipocrisia do candidato do governo golpista que mostra fotos com Lula e se associa às conquistas econômicas de seu governo. Da mesma forma, os tucanos tentam, sem sucesso, se dissociar do golpe e propor uma agenda social incompatível com a austeridade fiscal que defendem.

O fracasso golpista também explica a ascensão da extrema-direita que é resultado do desamparo, da descrença, da despolitização oriunda de crise econômica, política e institucional. Bolsonaro é subproduto do golpe e das políticas neoliberais que tendem a corroer as democracias e suscitar reações autoritárias.

Como discute o sociólogo francês Cristhian Laval, o fracasso de um sistema neoliberal fundado na racionalidade do cálculo econômico que esvazia a política e sua dimensão moral, em meio à crise social, dá lugar ao resgate da moralidade e de valores tradicionais e religiosos. Nesse contexto, o golpe acelerou um sentimento de descrença nas instituições que foi canalizado por um sujeito que nega a política, a diversidade e os direitos humanos.

Por fim, as eleições devem impor uma importante derrota ao golpismo, mas não se pode subestimar a capacidade do golpe se reinventar: seja ao embarcar na candidatura Bolsonaro e vestindo a camisa de um “novo neoliberalismo”, nacionalista e autoritário, ou coagindo um candidato vitorioso de esquerda a adotar a sua agenda, ou ainda, por meio do abandono das formalidades democráticas e a promoção de outro golpe que atropele novamente as urnas.

* Pedro Rossi é professor do Instituto de Economia da Unicamp e organizador do livro “Economia para poucos: impactos sociais da austeridade e alternativas para o Brasil”

Fonte: Carta Capital

Fonte: Carta Capital
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br