Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A compaixão em relação aos animais é tão intimamente ligada à bondade que se pode em verdade dizer que ninguém é verdadeiramente bom se for cruel com os animais. A compaixão em relação aos animais vem da mesma fonte que a compaixão em relação às pessoas.
A. Schopenhauer
11/09/2018

Governo Temer zera pagamento a um terço dos programas federais em 2018

Os retrocessos impostos pelo golpe de 2016 se agravam a cada dia. Seus efeitos são tão grotescos que é impossível passarem despercebidos em qualquer esfera: reforma trabalhista, teto dos investimentos públicos, cortes na educação, na saúde e na tecnologia são apenas alguns exemplos.

A análise do orçamento de 2018 deixa nítido o apagão generalizado a que o país vem sendo submetido pelo governo de Temer e do PSDB: um terço dos programas federais previstos inicialmente para este ano não recebeu nenhum recurso até setembro.

Segundo levantamento feito pela Folha de S.Paulo, o orçamento de 2018 do governo federal previa recursos para 1585 programas federais neste ano. Até setembro, o pagamento para 508 destes programas está zerado. Os programas completamente negligenciados pelo governo incluem áreas tão diversas e cruciais como saúde, segurança hídrica, energia, monitoramento de desastres naturais e patrimônio histórico, entre várias outras áreas.

Na área da saúde, os danos são extensos, e vão desde a paralisação da construção de hospitais universitários (nas universidades federais do Tocantins e de Lavras) até a completa falta de repasse para a compra de medicamentos para doenças raras. A Fiocruz também não recebeu os recursos prometidos para dois institutos voltados para a saúde das mulheres e das crianças, uma unidade administrativa, uma unidade de pesquisa e um centro de desenvolvimento tecnológico de insumos para o SUS.

A comparação com os governos do PT é inevitável: entre 2003 e 2016, houve incremento do orçamento da Fiocruz, com expansão de plantas de produção de fármacos e imunobiológicos e a consolidação do projeto da presença nacional da fundação, como a decisiva participação no programa Farmácia Popular. Com relação ao acesso a medicamentos, Lula e Dilma criaram programas como o Farmácia Popular, o Aqui tem Farmácia Popular e o Saúde Não tem Preço, que beneficiaram diretamente mais de 40 milhões de pessoas. A lista de medicamentos disponíveis no SUS saltou de 352, em 2002, para mais de 900, em 2014. Os governos de Lula e Dilma fortaleceram o SUS, as redes de atenção básica à saúde e aliaram a estratégia Saúde da Família com o Bolsa Família, além de haverem implementado programas como o Mais Médicos, as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e o Samu.

Com relação à segurança hídrica, sempre negligenciada pelos governos do PSDB, a construção do Instituto Nacional do Semiárido não recebeu nem um centavo em 2018, assim como as obras de construção das barragens de Oiticica, no Rio Grande do Norte, e do Germinal, no Ceará. Vale lembrar que os governos do PT sempre deram centralidade à temática, por meio de programas que incluíam a implantação de cisternas para consumo e produção e a transposição do Rio São Francisco.

Na área de ensino, pesquisa e acervo histórico e natural, a situação vai de mal a pior, como o trágico incêndio do Museu Nacional da UFRJ comprovou. O Parque Nacional da Serra da Capivara, no Piauí, um dos mais importantes sítios arqueológicos do mundo, lugar de pinturas rupestres que comprovam a existência de humanos nas Américas há mais de 50 mil anos, não recebeu nenhum repasse este ano, e teve de demitir quase 60 vigias. Os recursos que o Parque recebia via Lei Rouanet e via Petrobras foram zerados.

Durante os governos federais do Partido dos Trabalhadores, os investimentos totais na área museal (incluindo incentivo fiscal, Fundo Nacional de Cultura, Tesouro e Programa Monumenta) passaram de R$ 47.516.198, em 2003, para R$ 307.412.866, em 2015 (em valores corrigidos para 2016), o que representa um crescimento global de mais de 940%. O Plano de Governo do PT, um dos únicos a apresentar medidas de proteção a museus, retomará as políticas voltadas para a área que serão feitas por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). “Essas duas instituições serão dotadas das condições para que conduzam iniciativas amplas e diversificadas de proteção e promoção do patrimônio cultural e de fortalecimento da política nacional de museus”, diz o programa de governo.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br