Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A compaixão em relação aos animais é tão intimamente ligada à bondade que se pode em verdade dizer que ninguém é verdadeiramente bom se for cruel com os animais. A compaixão em relação aos animais vem da mesma fonte que a compaixão em relação às pessoas.
A. Schopenhauer
11/09/2018

Pesquisa Datafolha frustra a direita e empolga a esquerda

Ao contrário das expectativas criadas de que haveria substancial crescimento das intenções de voto no candidato Jair Bolsonaro, após o episódio em Juiz de Fora, a pesquisa Datafolha registrou que ele oscilou positivamente apenas 2%, dentro da margem de erro. Não surtiu efeito a nítida tentativa de inflar sua candidatura, com a superexposição da imagem convalescente do candidato por quatro dias na mídia, somada ao recurso de depurar sua imagem; de pregoeiro da violência, passou a ser apresentado como a grande vítima do processo eleitoral.

Noticiou-se até que a cúpula da sua candidatura encaminhava-se para uma conduta mais equilibrada, mesmo com Bolsonaro fazendo apologia à violência, com o gesto de quem empunha uma arma, no leito do hospital. Circularam também notícias dando conta de migração de investidores para a sua candidatura, de Wall Street à Avenida Faria Lima, o centro financeiro paulistano. Ainda como parte desse movimento, saiu a pesquisa do banco BTG-Pactual, na manhã em que o Datafolha saiu a campo para medir as intenções do eleitorado, apontando Bolsonaro atingindo o patamar de 30%.

As manobras, contudo, não foram suficientes para mover o candidato da sua posição anterior. Pelo Datafolha, Bolsonaro permanece tecnicamente na mesma posição que tinha na pesquisa de 21 de agosto. Ao mesmo tempo, sua rejeição pulou de 39% para 43%, um dado tão ou mais relevante, negativamente para ele, do que o seu magro crescimento. Outro dado relevante é que Bolsonaro perde para todas as candidaturas no segundo turno, de acordo com a pesquisa. Ou seja: como se diz no popular, a montanha pariu um rato.

O destaque positivo dos esperados números do Datafolha foi o crescimento de Fernando Haddad, de 4% para 9% — o candidato que mais cresceu —, empatando tecnicamente com os demais que ocupam o segundo lugar (Ciro Gomes, Marina Silva e Geraldo Alckmin). Ressalte-se que esse salto se deu antes da oficialização da chapa Haddad presidente e Manuela d’Ávila vice.

Houve ainda a atuação da Justiça Eleitoral, que impôs uma série de restrições para impedir ou dificultar a aparição da imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na propaganda eleitoral, mesmo ele não sendo apresentado como candidato. Outro fato positivo foi o crescimento da candidatura de Ciro Gomes, também campo progressista, de 10% para 13%.

Em contraste com esses dados, a situação de Geraldo Alckmin permanece estacionária. Praticamente estagnado, oscilou de 9% para 10%. Passados dez dias de propaganda eleitoral no rádio e na televisão o tucano revelou que não tem potencial, pelo menos até agora, de cumprir a promessa de decolar com a ampla exposição das suas propostas. A fragmentação de candidaturas no campo conservador continua sendo uma barreira para o seu crescimento. Além dos percentuais de Bolsonaro e Marina Silva (que declinou 5%), há as candidaturas de Álvaro Dias, Henrique Meirelles e João Amoêdo, todas flutuando em torno de 3%.

Chama a atenção, também, a queda de votos brancos e nulos, de 22% para 15%, um indicativo de que o eleitorado começa o movimento de fazer suas opções. Como Haddad foi o que mais cresceu, ao passo que Bolsonaro estagnou, é possível prognosticar que Alckmin retome a sua tática de campanha de atacar o líder da pesquisa, interrompida com o episódio de Juiz de Fora. Por sua vez, o crescimento da candidatura de Haddad, às vésperas da sua oficialização, é um fator a mais para intensificar o movimento de transferência de votos do ex-presidente Lula para a chapa progressista.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br