Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Aquele que já não é teu amigo, nunca o foi realmente.
Aristóteles
03/09/2018

Esquerda x Direita: a eleição está nos chamados “extremos”?

O partido que poderia desempenhar o centro mediador, o MDB, não teve condições de fazê-lo porque também estava em 1 dos polos na disputa do impeachment, inclusive como protagonista, já que o vice-presidente da República, Michel Temer, tinha interesse direto na queda de Dilma. Desse modo, com o esvaziamento do centro político, a eleição marcha indelevelmente, como todas as anteriores, desde a redemocratização do País, para confirmar que a polarização continua sendo, insofismavelmente, entre a esquerda e a direita.

Marcos Verlaine*

A divulgação, na quinta-feira (30), de pesquisa de intenção de voto para presidente da República realizada pelo DataPoder360 revela ou confirma aspectos muito interessantes que merecem análise. E muitas interrogações também.

A cada pesquisa fica mais evidente que a polarização continua nos chamados “extremos” do debate político, isto é, entre a esquerda e a direita. A expressão está entre aspas, porque a rigor, por mais que a grande mídia insista que as posições são extremadas de ambos os lados, na realidade, o extremismo é só pela direita. Imputar a Lula ou ao seu substituto, Fernando Haddad, radicalismos é querer confundir o debate e os eleitores.

“Lula é um mediador, está longe de ser um radical”, disse, em 10 de janeiro de 2018, o economista e professor da Unicamp, Luiz Gonzaga Belluzzo, em entrevista ao jornal Valor Econômico.

O chamado “centro político” não tem empolgado o debate sucessório e nem se apresenta, até o momento, com a robustez necessária que possa, efetivamente, tirar o protagonismo dos candidatos que representam os seus extremos. Por que o caminho do meio, sempre tão desejado e cortejado por aqueles que querem evitar os confrontos inerentes aos processos, como o que ora se vive no Brasil, não se sobressai?

Talvez porque o chamado “centro político” tenha sido escanteado no processo que redundou no impeachment da presidente Dilma Rousseff. Quais foram as forças políticas que tentaram fazer mediações para evitar a ruptura com a ordem democrática e o Estado de Direito? Não me lembro de nenhum partido ou chefe de poder que tenha tentado evitar as radicalizações e as consequências que redundaram no impedimento da ex-presidente Dilma. Daí, talvez, derive o fato de o centro não ter condições, nesse momento histórico, de apresentar-se como alternativa de poder real e estável para o País.

Todos os partidos e instituições do Estado se posicionaram num dos polos que estavam em disputa, contra ou a favor do impeachment. Não sobrou espaços para mediações ou entendimentos que pudessem evitar o caos que se instalou no País, antes, durante e depois da decisão do Senado Federal de interromper o mandato presidencial de Dilma Rousseff. Então, o centro, que talvez pudesse desempenhar esse papel se omitiu ou não existia de fato para atuar sob a lógica da manutenção da ordem política e institucional visando o melhor para o País, as instituições, a própria política, a economia e, finalmente, o povo.

A realidade, salvo melhor juízo, indica a inexistência do centro mediador naquele processo e agora também no processo sucessório. As posições contra e a favor se sobressaíram, com a prevalência e consolidação da segunda posição, que por óbvio contaminou a sociedade e as instituições e desaguou na disputa eleitoral.

Até tentaram ressuscitar ou mesmo “inventar” o centro político para apresentá-lo no processo sucessório. Mas, esse movimento nasceu no seio do partido que liderou e açulou o impeachment, o PSDB. Tornando-se assim a iniciativa artificial. Não é à toa que o seu candidato, o tucano Geraldo Alckmin, até o momento não conseguiu empolgar o debate e alçar voos mais altos nas pesquisas de intenção de voto, mesmo dispondo da maior coligação de partidos e de ampla e forte estrutura partidária nacional e nos estados. A pesquisa do DataPoder360 confere-lhe, com Lula figurando na lista de candidatos, apenas um 4º lugar, com míseros 7%. Empatado tecnicamente com Ciro Gomes (PDT), também com 7%, bem atrás de Bolsonaro que figura com 21%, e Lula, com 30%.

Alckmin é de centro? O PSDB é de centro? Não para ambas as perguntas. Não eram de direita, entretanto tentando se diferenciar do PT e com a radicalização do processo político, hoje estão à direita do espectro político. Não à toa, grande parte dos eleitores de Aécio Neves em 2014 migraram para a candidatura de Bolsonaro.

Outro dado interessante e relevante desta eleição é o fato de que todos os candidatos têm altos índices de rejeição. O que indica que será uma eleição em que o escolhido ou vitorioso será pelo método da exclusão, isto é, elimina-se aquele ou aquela que não se quer de jeito nenhum e fica-se ou escolhe-se o que seria o “menos ruim”.

Nesse quesito, o chamado candidato do centro, Geraldo Alckmin, tem 62% de rejeição. Ou seja, figura dentre os que os eleitores “não votariam de jeito nenhum”. O mais rejeitado, segundo a pesquisa, é o deputado Jair Bolsonaro, com 67% dos que “não votariam [nele] de jeito nenhum”. Ciro Gomes e Marina Silva aparecem com 61% e Lula com 60%. Os menos rejeitados, ainda segundo a pesquisa DataPoder360, são Fernando Haddad (PT), que poderá ser o substituto de Lula, e Alvaro Dias (Pode), ambos com 52%.

O partido que talvez pudesse desempenhar o papel de centro mediador, o MDB, não teve condições de fazê-lo porque também estava em 1 dos polos na disputa do impeachment, inclusive como protagonista, já que o vice-presidente da República, Michel Temer, tinha interesse direto na queda de Dilma. Desse modo, com o esvaziamento do centro político, a eleição marcha indelevelmente, como todas as anteriores, desde a redemocratização do País, para confirmar que a polarização continua sendo, insofismavelmente, entre a esquerda e a direita.

(*) Jornalista, analista político e assessor parlamentar do Diap

Fonte: Diap
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br