Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quanto mais corrupto for o país, mais leis ele terá
Tácito
22/08/2018

Lucro recorde da Caixa vem do corte de empregos e aumento de tarifas

A Caixa Econômica Federal registrou um lucro líquido de R$ 6,65 bilhões no 1º semestre de 2018, crescimento de 63,3% se comparado ao mesmo período de 2017, depois de demitir trabalhadores e trabalhadoras, fechar agências bancárias, aumentar as tarifas cobradas dos clientes e não apresentar propostas concretas aos bancários na negociação da Campanha Salarial 2018.

Em 12 meses, a Caixa fechou 3.777 postos de trabalho por meio do Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE) e do Plano de Apoio à Aposentadoria (PAA). Com isso, encerrou o primeiro semestre deste ano com 86.424 trabalhadores. No mesmo período de 2014, antes do golpe de Estado, a instituição tinha 101 mil trabalhadores. Além disso, o banco fechou 66 agências bancárias enquanto a carteira de clientes aumentou em 4,5 milhões.

Já com prestação de serviços e renda das tarifas bancárias, que recaem sobre os clientes do banco, a Caixa aumentou em 6,5% suas receitas, totalizando R$ 13 bilhões ao final do 1º semestre de 2018.

A representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Rita Serrano, critica os fatores apontados pelo banco como responsáveis pelo desempenho. Segundo ela, não podemos comemorar um lucro conseguido a partir do desmonte do papel social da instituição.

“O que se observa, de fato, é a busca por uma rentabilidade cada vez maior, assim como ocorre nos bancos privados, em detrimento do papel social do banco. Com isso, a Caixa abandona o compromisso de se manter como o banco das menores taxas e maior investidor no desenvolvimento do País.”

De acordo com Rita, o papel de um banco público, como é o caso da Caixa, é garantir o desenvolvimento e a oferta de crédito à população, em especial de baixa renda, além de oferecer boas condições de trabalho aos bancários que garantem o atendimento do banco.

“E isso só será retomado se o modelo de governo mudar, sendo de fato comprometido com o Brasil e seu povo”, diz Rita, lembrando que a Caixa segue sendo o principal agente operador dos programas sociais do governo federal.

No primeiro semestre de 2018, a Caixa foi responsável pelo pagamento de 80,9 milhões de benefícios sociais, como o Programa Bolsa Família, totalizando R$ 14,5 bilhões. Além de benefícios trabalhistas, como Seguro-Desemprego, Abono Salarial e PIS (total de 88,5 milhões de benefícios), o banco também foi responsável pelo pagamento das aposentadorias e pensões aos beneficiários do INSS (37,7 milhões de pagamentos) e da arrecadação do FGTS, com os saques totalizando R$ 54,7 bilhões.

Campanha Salarial 2018

Para o coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa, Dionísio Reis, é um absurdo a Caixa apresentar um resultado financeiro como esse e na mesa de negociação da Campanha Salarial trazer como proposta a retirada de direitos dos trabalhadores que estão sobrecarregados para atingir as metas impostas pelo banco.

“A Caixa precisa reconhecer o esforço de seus trabalhadores, que realizaram um trabalho extraordinário no atendimento à população para garantir o pagamento do PIS e do FGTS decretados pelo governo, e colocar uma proposta decente já na próxima rodada de negociação”, defende.

Segundo Dionísio, o banco vem ameaçando a sustentabilidade do plano de saúde dos funcionários (Saúde Caixa), além de sinalizar que não pretende pagar a PLR Social e outros direitos estabelecidos no Acordo Coletivo de Trabalho específico dos bancários da Caixa.

Já a secretária de Cultura da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e representante dos trabalhadores na mesa de negociação com a Caixa, Fabiana Uehara Proscholdt, alerta para o fato de que os bancários estão trabalhando em excesso, sobretudo após a redução do quadro de funcionários, e isso precisa ser valorizado pela direção do banco.

"Há um grande esforço por parte dos trabalhadores para alcançar as metas com menos funcionários, aumento do número de clientes e fechamento de agências. É preciso que o banco valorize os bancários e a população, contratando mais empregados para melhorar o atendimento e reduzir a sobrecarga”, defende.

Nesta terça-feira (21), seria realizada a oitava rodada de negociação da Campanha Nacional Unificada 2018. Os acordos específicos da Caixa Federal e Banco do Brasil serão discutidos após o encerramento da mesa de negociação com a Federação dos Bancos (Fenaban).

 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br