Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quanto mais corrupto for o país, mais leis ele terá
Tácito
21/08/2018

Como os candidatos veem a reforma trabalhista

Acesse: https://www.uol/eleicoes/especiais/direitos-do-trabalhador-apos-a-eleicao-clt-lei-trabalhista.htm#embed-1

Como fica a CLT em 2019

O UOL pinçou as promessas dos presidenciáveis sobre leis trabalhistas e as submeteu à análise de especialistas

GUILHERME AZEVEDO

DO UOL, EM SÃO PAULO

A reforma trabalhista proposta pelo presidente Michel Temer (MDB) e aprovada pelo Congresso Nacional em 2017 motivou a indignação e o

protesto de centrais sindicais e de trabalhadores em todo o Brasil, mas foi comemorada pelo empresariado.

Nas palavras do governo e de empresários, trata-se da "modernização" necessária das leis do trabalho, que estariam incompatíveis com os novos

tempos do emprego e travariam o desenvolvimento econômico do país. Por isso, seria obrigatória.

Na visão dos trabalhadores e sindicalistas, entretanto, a reforma é o fim, na prática, de direitos consagrados pela CLT (Consolidação das Leis do

Trabalho) e o maior retrocesso da história na proteção ao emprego e ao trabalhador.

A prevalência do acordado sobre o legislado, isto é, do acordo entre empregador e trabalhador sobre o que diz a lei, é a base fundamental da

mudança.

Por sua importância central sobre a geração de empregos e de riquezas, o UOL procurou todos os candidatos a presidente da República e os

questionou sobre como vão agir diante das novas leis trabalhistas. Vão mantê-las? Aprofundá-las? Revogá-las?

E a contribuição sindical obrigatória, que foi extinta pela reforma? Vão propor a sua volta? Como financiar sindicatos?

Alguns defendem a reforma trabalhista como foi aprovada pelo governo Temer e ainda planejam aprofundá-la, como Geraldo Alckmin (PSDB) e

Jair Bolsonaro (PSL); outros prometeram revogá-la, como Lula (PT) e Ciro (PDT).

Dos 13 candidatos a presidente confirmados em convenção partidária, dez enviaram suas posições sobre os temas. Bolsonaro, Alckmin e Cabo

Daciolo (Patriota) não responderam aos pedidos da reportagem. No caso deles, checamos suas falas ao longo das últimas semanas à imprensa e

em eventos públicos.

Depois, submetemos as propostas para análise e comentário de três economistas, que são especialistas em reformas e políticas públicas. São

eles: Eduardo Zylberstajn, Paulo Roberto Feldmann e Vander Mendes Lucas.

VEJA NO ENDEREÇO: https://www.uol/eleicoes/especiais/direitos-do-trabalhador-apos-a-eleicao-clt-lei-trabalhista.htm#embed-1o que os candidatos a dirigir o Brasil falaram e as avaliações feitas pelos especialistas. Você pode clicar no nome de cada um dos

candidatos para ir direto às suas propostas.

Fonte: uol
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br