Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Se o individuo não tem a força de alcançar um direito, ao menos é preciso, quando o direito lhe provém de um texto legislativo, que tenha a força de o exercer
Jean Cruet
09/08/2018

Entidades de 40 países discutem futuro do trabalho e ameaças a direitos

Onda neoliberal avança em diversas partes do mundo, apoiada em governos de direita, que promovem "reformas" que reduzem direitos trabalhistas e ameaçam movimentos sociais

por Redação RBA

Freitas afirmou que um dos objetivos do golpe é destruir Lula, além de movimentos e organizações como a CUT, o MST e o PT

São Paulo – Entidades sindicais de 40 países se reuniram nesta terça-feira (7) na sede nacional da CUT, em São Paulo, para discutir as perspectivas para o mundo do trabalho em um contexto de avanço do neoliberalismo, que ameaça direitos trabalhistas conquistados em todo o mundo. O primeiro dia da 13ª Conferência da Universidade Global do Trabalho (Global Labor University – GLU) teve como tema O Futuro do Trabalho: Democracia, Desenvolvimento e o Papel do Trabalho. Outras mesas da conferência, nesta quarta e quinta (8 e 9), serão realizadas na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Na abertura, o presidente da CUT, Vagner Freitas, denunciou aos dirigentes sindicais estrangeiros o golpe parlamentar e jurídico que se instalou no Brasil desde 2016. "O objetivo do golpe de 2016 foi o de destruir a CUT, o MST, o PT, os movimentos populares e o Lula como referência de liderança no Brasil e personalidade do mundo. Mas os golpistas não vão nos destruir. Vamos enfrentá-los nas ruas e nas urnas e vamos vencer", destacou.

Freitas alertou também para o crescimento do desemprego e da informalidade que, junto com a destruição de direitos promovida pela "reforma" trabalhista do governo Temer, comprometem a qualidade do trabalho. E ressaltou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será candidato nas eleições de outubro, se a Constituição for respeitada.

"Enquanto a mídia brasileira se cala e nos censura diante das arbitrariedades, nós só temos a agradecer a vocês aqui presentes que são a nossa voz lá fora para desmascarar os golpistas e dizer que Lula é inocente, que ele está forte e animado. Lula só não será candidato se rasgarem a Constituição", disse o presidente da CUT, que foi saudado pelos participantes com gritos de "Lula Livre".

Representante da GLU, Michelle Willians afirmou que o mundo do trabalho vive uma "tormenta perfeita", o que demanda maior unidade dos trabalhadores. "Os ricos estão cada vez mais ricos, obscenamente ricos, enquanto mais de 2 bilhões de pessoas em todo mundo, que representam um terço da população, estão sem trabalho formal. Além disso, há uma crise de alimentação provocada pelas tempestades ,furacões e o aumento da temperatura no globo”, enfatizou.

Segundo representantes sindicais estrangeiros, o golpe do impeachment contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, e a retirada de direitos que se seguiu, acendeu o sinal de alerta para a perda de direitos e fortalecimento da onda neoliberal em todo o mundo.

"O Brasil é um exemplo de como a perda do financiamento sindical eliminou direitos. Há poucos anos o Brasil era visto como exemplo de políticas progressistas e hoje se nota a perda rápida desses direitos. Isto nos coloca em alerta. Não podemos só confiar nos bons políticos, precisamos de uma sociedade forte", afirmou o diretor-executivo do Centro Internacional para o Desenvolvimento e Trabalho Decente (International Center for Development and Decent Work, ICDD), Christoph Scherrer.

Mudanças estruturais

Na segunda mesa de debates, Mudanças Estruturais e Futuro do Trabalho, o presidente da Fundação Perseu Abramo (FPA), Marcio Pochmann, que também é economista e professor da Unicamp, destacou as mudanças tecnológicas que vem incidindo sobre o processo produtivo – a chamada Indústria 4.0 – e afirmou a importância dos trabalhadores se organizarem, também do ponto de vista analítico, para disputarem espaço nessa nova sociedade.

"Do ponto de vista organizativo da classe trabalhadora, qual seria a agenda que nos permitiria disputar esse futuro? Se há grande produtividade, que está elevando o progresso técnico como o resultado da luta inter-capitalista, qual é a parte dessa produtividade que ficará com os trabalhadores?", questionou Pochmann.

"A revolução tecnológica trará um impacto negativo por razões diferentes. Não é somente a questão da robotização, mas também como os dados de trabalhadores dentro de uma empresa poderão ser utilizados", afirmou o secretário-geral da Federação Internacional dos Trabalhadores de Transporte (International Transport Workers Federation, ITF), Victor Figueroa.

O secretário-geral da Confederação Sindical das Américas (CSA), Victor Baez, associou a destruição de direitos trabalhistas ao receituário neoliberal apoiado por organismos internacionais que influenciam governos de direita na América Latina. "Passou pela Argentina, e também pelo Brasil, a senhora secretária do FMI. Já fizeram muitos ajustes. Uma coisa que tem muito a ver com o trabalho docente é a proteção social, e eles tentam tirar, e tiraram aqui no Brasil muitos direitos trabalhistas. Na Argentina, estão querendo fazer a mesma coisa."

Fonte: Rede Brasil Atual
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br