Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Se o individuo não tem a força de alcançar um direito, ao menos é preciso, quando o direito lhe provém de um texto legislativo, que tenha a força de o exercer
Jean Cruet
03/08/2018

STF: Comissão de conciliação para disputa trabalhista é legal, mas não obrigatória

Se quiser, trabalhador pode acionar diretamente o Judiciário

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve uma decisão de 2009 e considerou constitucional a comissão de conciliação prévia, em que empregador e empregado tentam resolver uma disputa trabalhista antes de irem à justiça. Mas também determinou que o trabalhador não é obrigado a acioná-la, podendo recorrer diretamente ao Judiciário. A comissão está prevista na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) desde 2000 e foi questionada no mesmo ano em três ações diferentes. O julgamento final, porém, ocorreu só agora.

SAIBA MAIS

STF suspende efeitos de ação trabalhista de R$ 17 bi contra Petrobras

Como FGV, Insper, Dom Cabral, Saint Paul e FIA estão transformando a educação executiva

Venezuela lança sua moeda digital, o petro

"A comissão de conciliação prévia constitui meio legítimo, mas não obrigatório, de solução de conflitos, permanecendo o acesso à Justiça resguardado a todos que venham a ajuizar demanda no órgão competente", disse a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, relatora das ações.

Votaram integralmente com ela mais seis ministros: Luiz Fux, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio. Edson Fachin e Rosa Weber discordaram em parte, mas no essencial seguiram a presidente do STF. Não participaram do julgamento Gilmar Mendes e Celso de Melo.

"Não é obrigado (a fazer acordo), mas se fizer, tem que cumprir a palavra", disse Barroso.

A lei de 2000 que alterou a CLT estipulou que "qualquer demanda de natureza trabalhista será submetida à Comissão de Conciliação Prévia se, na localidade da prestação de serviços, houver sido instituída a Comissão no âmbito da empresa ou do sindicato da categoria".

A primeira das ações questionando a norma foi apresentada por quatro partidos de esquerda: PT, PDT, PSB e PCdoB. Para as siglas, a lei restringe o direito do cidadão de acesso ao Judiciário. Depois, fizeram o mesmo a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e a Confederação Nacional dos Profissões Liberais.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br