Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A metade da sabedoria humana consiste em "não amar nem odiar"; a outra metade em:" nada dizer, e nada crer".
Schopenhauer
20/07/2018

Ministro Celso de Mello nega habeas corpus a ex-número dois do Trabalho

Defesa de Leonardo Arantes tinha alegado motivos de saúde e que ele poderia até mesmo morrer na prisão

Leonardo Arantes, ex-número dois do Ministério do Trabalho - Albino Oliveira/Ministério do Trabalho

PUBLICIDADE

Após uma semana de buscas, corpo de Vitória Gabrielly foi encontrado neste sábado Foto: Reprodução/TV TEM Suspeitos sabiam que Vitória Gabrielly era alvo errado, diz MP 19/07/2018 15:15

O ex-ministro Geddel Vieira Lima desembarca em Brasília após ser preso Foto: Jorge William/Agência O Globo/08-09-2017 Geddel e Luiz Estevão são transferidos para ala de segurança máxima da Papuda 19/07/2018 15:09

BRASÍLIA - O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou habeas corpus a Leonardo Arantes, ex-número dois do Ministério do Trabalho e alvo da Operação Registro Espúrio. A defesa havia pedido sua liberdade alegando motivos de saúde, dizendo inclusive que ele "está na iminência de sofrer um AVC (acidente vascular cerebral) e/ou infarto, dentro do precário sistema penitenciário brasileiro, com a possibilidade de seu falecimento".

LEIA: Ex-número 2 do Trabalho cita hipertensão e filha para pedir liberdade

O habeas corpus foi apresentado na última terça-feira. O relator no STF é o ministro Alexandre de Moraes, mas, em função do recesso na Corte, coube a Mello, na condição de integrante mais antigo do tribunal, tomar uma decisão.

PUBLICIDADE

MEMÓRIA: O aparelhamento do Ministério do Trabalho

A defesa também destacou a necessidade de cuidar da filha de 15 anos, uma vez que ele "vem desempenhando a função de pai e mãe". Caso não fosse solto, pedia ao menos medidas alternativas, como a prisão domiciliar.

Veja também

O ex-prefeito de Belo Horizonte e pré-candidato ao governo de Minas Gerais, Marcio Lacerda (PSB). 08/10/2015Ex-prefeito de BH defende aliança do PSB com Ciro

Mikael Tavares Medeiros, que foi nomeado gestor financeiro no Ministerio do TrabalhoComo O GLOBO encontrou Mikael, o jovem de 19 anos que deu início à queda do ministro do Trabalho

O ministro interino do Trabalho, Helton YomuraSTF autoriza ex-ministro do Trabalho a participar de reunião do PTB

Arantes é um dos investigados por suposto envolvimento na venda de registro sindicais dentro do Ministério do Trabalho. A prisão dele foi determinada no fim de maio pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Registro Espúrio no STF. Dias depois, se entregou à Polícia Federal (PF). Como se trata de habeas corpus contra decisão de Fachin, o caso teve que ser sorteado entre os outros ministros, caindo com Moraes.

De acordo com a súmula número 691, do STF, a Corte não pode aceitar habeas corpus contra decisão dada por ministro de tribunal superior, no caso, Fachin. Assim, para reverter a prisão, Arantes vai ter que esperar o julgamento de outro recurso encaminhado ao próprio relator da Operação Registro Espúrio. No habeas corpus, a defesa chegou a dizer que, no caso dele, seria possível flexibilizar essa regra, uma vez que a decisão de Fachin teria sido "manifestamente ilegal ou abusiva".

PUBLICIDADE

Celso não concordou e seguiu a praxe de negar o pedido sem sequer analisar os argumentos da defesa. Ele ressalvou que sua posição pessoal é diferente, pela possibilidade de analisar esse tipo de habeas corpus, mas também destacou que deve "observar o princípio da colegialidade", ou seja, a vontade da maioria da Corte.

"É importante destacar o estado grave de saúde do paciente (Arantes), o mesmo vem sentindo constantemente fortes dores de cabeça, compressão na nuca, náuseas e iminência de desmaios. É que o paciente possui pressão alta, e faz uso contínuo de remédios para controlar o problema. E, em virtude de se encontrar em cárcere injustamente, esse quadro se agravou sobremaneira, tendo em vista as péssimas condições a que é exposto, como se conclui pela realidade do lastimável sistema carcerário brasileiro", argumentaram os advogados Maximiliano Faria Arantes e Tamyres Abdalla Cruz.

A defesa citou ainda outros argumentos. Afirmou que ele tem residência fixa, é réu primário e trabalhador, além de se comprometer a comparecer a todos os atos processuais. Disse ainda que Arantes não cometeu crimes, provará sua inocência e não tem qualquer possibilidade de ingerência sobre qualquer servidor público.

 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br