Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quanto mais corrupto for o país, mais leis ele terá
Tácito
16/07/2018

Projetos de Wadih Damous asseguram gratuidade da Justiça Trabalhista e restabelece contribuição sind

Para minimizar parte dos efeitos nefastos da Reforma Trabalhista do governo ilegítimo de Temer, o deputado Wadih Lula Damous (PT-RJ) protocolou na Câmara, nesta semana, dois projetos de lei. O primeiro (PL 10.545/18) estabelece que o trabalhador só será condenado a arcar com custas e honorários advocatícios de processo na Justiça do Trabalho se perder totalmente a causa. “Quem advoga na Justiça do Trabalho sabe que as ações trabalhistas normalmente contêm vários pedidos, e essa nefasta reforma estabeleceu que basta que o empregado tenha uma das reivindicações rejeitada para ser condenado a pagar honorários. Isso é um absurdo, é uma injustiça”, protestou.

Wadih Damous explicou que a gratuidade de Justiça é um preceito constitucional e que no projeto ele propõe a revogação do dispositivo que torna obrigatório o pagamento de custas judiciais em caso de rejeição parcial de uma ação trabalhista.

Contribuição Sindical – No outro projeto (PL10.544/18), Damous propõe a criação da contribuição negocial no âmbito das organizações. Ele explica que ao tornar facultativa a contribuição sindical, essa reforma praticamente ditou a falência dos sindicatos. “Ora, a Constituição obriga os sindicatos a promover a negociação coletiva. Então, nesse sentido, nós estabelecemos a taxa negocial, para compensar a revogação, na prática, da contribuição sindical”, explicou. O deputado disse que, se for aprovada em norma coletiva a taxa assistencial, ou taxa negocial, independerá de autorização expressa dos trabalhadores o pagamento da contribuição dessa taxa.

O deputado Damous argumentou que a taxa é justa já que os benefícios da negociação coletiva, à qual os sindicatos estão obrigados por determinação de dispositivo constitucional, beneficia toda a categoria. “Ela não beneficia tão somente os sindicalizados, mas a todos os integrantes daquela categoria profissional ou daquela categoria econômica”, acrescentou.

Na avaliação do parlamentar, é correto, justo e necessário que os sindicatos tenham os meios materiais para dar conta dessa obrigação da negociação coletiva. “Isso requer a constituição de um corpo técnico especializado, isso requer a constituição de meios materiais. Por isso, instituímos a taxa negocial”, reforçou.

Vânia Rodrigues

Fonte: Vermelho
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br