Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A metade da sabedoria humana consiste em "não amar nem odiar"; a outra metade em:" nada dizer, e nada crer".
Schopenhauer
16/07/2018

Com Temer, aumenta número de autônomos que ganham menos e não contribuem para Previdência

a Redação*

Um levantamento divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) aponta que aumentou, nos últimos dois anos, o número de pessoas que estão buscando trabalho por conta própria, mas que estas pessoas ganham 33% a menos do que aqueles que atuavam de forma autônoma antes desse período.

A partir dedados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o levantamento aponta que, em 2017, 23 de milhões de pessoas compunha a massa de trabalhadores autônomos no País, sendo que 5 milhões desses (23%) estavam na situação há menos de 2 anos.

Segundo os dados, há diferenças importantes também por cor/raça e sexo entre os trabalhadores que se tornaram conta própria mais recentemente e os demais. Por exemplo, a mulher não negra que era conta própria há menos de 2 anos recebia, em média, apenas 59% daquela com as mesmas características que estava há mais tempo nesse tipo de ocupação.

Considerando apenas o trabalhador por conta própria com até dois anos, os homens não negros tinham o rendimento médio mais alto (R$ 1.637,00); as mulheres não-negras ganhavam 31% menos que eles; os homens negros, 36%; e as mulheres negras, apenas a metade do recebido por este grupo.

Queda na arrecadação da Previdência Social

O levantamento também aponta que o crescimento do número de autônomos também ocorreu em situação mais precarizada, o que também teve um impacto negativo na situação da Previdência Social. Entre aqueles que passaram a trabalhar por conta há menos de dois anos, 77% não tinham CNPJ nem contribuíam para a Previdência, contra 60,9% entre aqueles que estavam há mais de 2 anos nesta ocupação.

Além disso, menos de 9% possuíam CNPJ e para Previdência (como fazem, por exemplo, os registrados no MEI) e apenas cerca de 10% contribuíam com a Previdência mesmo sem ter CNPJ. Sem a contribuição, os trabalhadores perdem o direito de acesso à proteção social, como auxílio-acidente, licença maternidade/paternidade etc. “Ou seja, o conta própria da crise encarou trabalhos com menor proteção social, menos qualificados e com remunerações mais baixas”, diz o levantamento.

Fonte: Sul 21
 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br