Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Aquele que já não é teu amigo, nunca o foi realmente.
Aristóteles
16/07/2018

Um ano de retrocesso e o fim do Ministério do Trabalho, por Graça Costa

No final de 2016, o governo Temer enviou ao Congresso seu projeto de “reforma trabalhista” que passou para uma Comissão Especial como PL 6787/16 sob a relatoria do empresário e Deputado Federal, Rogerio Marinho, do PSDB-RN.

Em março de 2017, no prazo de pouco mais de 15 dias, foram enviadas 457 emendas ao relator. Comprovadamente o relatório final foi elaborado com assessoria direta das representações empresariais e em todo o processo o movimento sindical não foi consultado.

No dia 26 de abril o projeto foi aprovado pelo Plenário da Câmara (296 votos a favor e 177 contra) e foi enviado ao Senado como (PLC) 38/2017, tendo sido votado e aprovado no dia 11 de julho, com 50 votos favoráveis, 26 contrários e uma abstenção.

O Congresso aprovava uma lei controversa, cheia de problemas técnicos (tanto que para aprová-la o líder do governo teve que comprometer-se em publicar uma Medida Provisória com correções).

O fim da contribuição coletiva para sustentação financeira dos sindicatos e a prevalência da negociação direta entre empresários e trabalhadores sobre legislação trabalhista, quebram as pernas dos sindicatos e atingem o seu coração. Quem perde obviamente são os trabalhadores e trabalhadoras, pois a única chance de defender seus interesses frente o patrão, de forma menos desigual, é através do coletivo. Outro ataque forte foi contra a Justiça do Trabalho.

Dia 11 de novembro de 2017 a reforma entrou em vigência (lei 13.467/17) e dois dias depois o governo mandou para Congresso a Medida Provisória 808/17, que supostamente deveria corrigir os equívocos da lei, mas que ficou meses dormindo nas gavetas das comissões e caducou.

Um ano depois

Tudo no país está pior e o golpe de 2016 mostra sua extensão política e econômica. O patrimônio público – Petrobras, gás, luz - sendo dilapidado através de privatizações espúrias e anti-nacionais. Um governo repudiado por mais de 80% da população, integrado por uma quadrilha de corruptos segue tomando decisões que podem comprometer seriamente o futuro econômico e social do país; a educação está sendo destruída e o SUS ameaçado e as eleições de outubro, que podem trazer de volta o Presidente Lula, ilegalmente preso há mais de 100 dias, mostra-se cada vez mais comprometida.

O crescimento em 2018 do PIB, segundo o FMI deverá chegar aos 2,3%, quase a metade dos 4,9% previstos para países emergentes. Cresce o desemprego e cai a renda.

No primeiro trimestre de 2018 o desemprego ficou em 13,1% e cerca de 13,7 milhões de pessoas procuraram emprego no país. Se compararmos esses dados como dezembro de 2017, quando haviam 11,8% de desempregados, veremos que depois que teve início a reforma trabalhista golpista houve um aumento de 1,4 milhão de desempregados. A afirmação de que a flexibilidade da lei facilitaria a geração de empregos comprovou-se mentirosa.

No dia 28/04 dizíamos em um artigo publicado na página da CUT: ” Em curto prazo os postos de trabalho atuais serão substituídos por contratos de trabalho intermitente, sem jornada definida, no qual o trabalhador recebe apenas o pagamento pelas horas trabalhadas, sem saber quando e por quanto tempo vai trabalhar, nem quanto vai receber no final do mês.”

Desde que a nova lei entrou em vigência em novembro, o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), passou a quantificar os contratos intermitentes. Segundo o governo em maio foram criados 33 mil novos empregos, dentre os quais, cerca de 3 mil, são intermitentes -quase uma a cada 10 vagas. De acordo com o Caged, é feito por amostragem estatística “com objetivo de verificar a proporção dos empregados admitidos nessa modalidade que estão efetivamente trabalhando no mês de referência, com qual jornada de trabalho e remuneração". Isto porque não há jornada fixa e nem local fixo.

De novembro a maio, o saldo de contratos intermitentes divulgado pelo governo superou 20 mil, mas no mesmo período, o resultado geral do Caged — ou seja, de todos os tipos de contratação— foi de 3,8 mil vagas. Isso significa que, sem os contratos intermitentes o saldo de novembro a maio seria negativo.

O Caged contabiliza a quantidade de vagas abertas e fechadas, e não de pessoas. Isso significa que, se alguém tiver três contratos diferentes, será contabilizado três vezes. Em maio, segundo o ministério, 25 pessoas tiveram mais de um contrato intermitente. Como essa modalidade não garante que haverá trabalho de fato, a tendência é que os trabalhadores procurem ter vários contratos para aumentar a chance de serem chamados. (FSP, 08/07/18).

Dificuldade nas negociações Coletivas

Com poucas exceções, a maior parte dos sindicatos com data base no primeiro semestre de 2018 está tendo dificuldade para fechar o acordo coletivo, devido a pressão patronal para retirar benefícios anteriores e principalmente colocar aspectos da reforma nas novas convenções. Uma das cláusulas de maior sucesso para os patrões é não tornar obrigatório a assistência dos sindicatos nos processos de homologação. Por razões obvias, que não requerem explicações.

Desmonte do Ministério do Trabalho

E para fechar o balanço, temos a completa destruição do Ministério do Trabalho. Depois do golpe de 2016, o único papel do Ministro nomeado foi o de “simular” uma negociação tripartite sobre aspectos da reforma trabalhista. O MTE ficou fora do debate no Congresso.

Em seguida houve o vexame da nomeação da Deputada Federal do PTB, Cristiane Brasil, com várias denúncias de ilícitos, entre eles, o mais grave, de fraude trabalhista. A Deputada, posteriormente passou a ser investigada por suposta participação em fraudes na concessão de registros sindicais no Ministério do Trabalho. Processo esse que envolve diretamente seu sucessor, o Ministro Helton Yomura, que foi destituído no dia 4 de julho, pelo mesmo motivo.

O interessante é que o Sr. Yomura foi a Genebra, um mês antes, na Conferência da OIT, para tentar impedir na Comissão de Aplicação de Normas, que o Brasil entrasse para a lista de suspeitos de violar convenções. O Ministro, além de colocar em dúvida a qualificação e isenção da OIT, atacou frontalmente os dirigentes sindicais brasileiros, acusando-os de estarem “acostumados a viver à sombra do Estado”. Curiosamente esse mesmo Ministro, um mês depois, foi destituído pelo STF sob a acusação de participar de processo de fraude de Registro Sindical, ou seja, o falsificar reconhecimentofornecido pelo Estado para que um sindicato entre em funcionamento e possa receber a contribuição compulsória que ele condenado.

Mas, comemorando um ano de reforma trabalhista, no dia 11 de julho, o golpista Temer deu mais um presente ao empresariado e nomeou como Ministro do Trabalho o advogado Caio Luiz de Almeida Vieira de Mello, indicado diretamente pela CNI.

Precisa dizer algo mais?

Graça Costa - Membro da Direção Executiva Nacional da CUT onde é a Secretaria de Relações do Trabalho, que cuida da área de negociações coletivas, acompanhamento de legislação trabalhista. Foi presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Municipais

Fonte: GGN
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br