Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Nossos pensamentos, conforme forem bons ou maus, podem nos conduzir ao paraíso ou ao inferno; isso não acontece nem no céu nem embaixo da terra, mas aqui, nessa vida.
Lucy Malory
10/07/2018

Avança o estado de exceção

A decisão do desembargador Rogério Favreto determinando a libertacão do ex-presidente Lula era de uma simplicidade cristalina. Um habeas corpus, instrumento basilar do Estado Democrático de Direito, cujo cumprimento deve sempre ser realizado da maneira mais imediata e célere possível.

Apesar da decisão ser clara e do instrumento ser consagrado, o prisioneiro é um preso político que está no cárcere por um motivo político: não disputar a Presidência da República nas eleições que se avizinham.

Desse modo, o arbítrio judicial que colocou Lula atrás das grades se insurgiu contra o Estado Democrático de Direito mais uma vez e com força renovada. Uma ação casada entre a Polícia Federal, o juiz Sérgio Moro e o desembargador Gebran Neto, que julgou o caso no TRF-4, operaram para obstar o cumprimento da decisão do desembargador.

Diante do fato inusitado, que resultava no descumprimento puro e simples de princípios constitucionais basilares, Favreto reafirmou a sua decisão, ordenando que a lei fosse cumprida no prazo de 1 hora. A Polícia Federal, a partir desse momento, iniciou uma vergonhosa operação tartaruga, feita ao completo arrepio da lei. Isso permitiu que nova ilegalidade acontecesse e o presidente do tribunal decidiu cancelar a decisão tomada pelo desembargador Favreto e manter Lula ilegalmente preso.

Como afirmou o governador Flávio Dino: “não há várias decisões judiciais válidas sobre o ex-presidente Lula. Para uma decisão ser válida, deve ser proferida por juiz competente. Nestas condições só há UMA decisão: a do desembargador previamente designado para o Plantão Judicial. Certa ou errada, esta deve ser cumprida”. Assistimos, portanto, a uma flagrante e assustadora irregularidade, que questiona não só princípios basilares do direito como também a hierarquia das instâncias judiciárias.

Não há outro caminho para os democratas, diante desse novo desafio ao Estado Democrático de Direito e às garantias individuais, do que se mobilizar pela soltura de Lula com força redobrada. Se havia alguma máscara para o estado de exceção em que vivemos ela caiu neste triste domingo. As ruas de várias cidades já estão sendo ocupadas por manifestantes e isso precisa ganhar corpo. Do contrário, a escalada do arbítrio só se ampliará.

Fonte: Site Vermelho
 
+ Capa

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br