Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Nossos pensamentos, conforme forem bons ou maus, podem nos conduzir ao paraíso ou ao inferno; isso não acontece nem no céu nem embaixo da terra, mas aqui, nessa vida.
Lucy Malory
25/06/2018

TST manda apurar conduta de três juízes por descumprir decisão da Corte Superior

Três magistrados do TRT-8 mantiveram bloqueio de R$ 3,5 milhões de contas de empresa desbloqueados pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou à Corregedoria da Corte que apure a conduta de três magistrados por terem descumprido decisões da ministra Delaíde Arantes e da Subseção II Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2) do tribunal. Os juízes atuam em uma causa trabalhista e determinaram o bloqueio de parte das contas de empresa de consórcio que haviam sido desbloqueadas por decisões da Corte superior.

O caso envolve os juízes da 7ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, Maria Rocha e Deodoro Tavares, e o desembargador do TRT-8 Walter Paro. O julgamento dividiu o colegiado e a própria Delaíde votou por não mandar a questão para corregedoria. A maioria da subseção, no entanto, entendeu que ficou caracterizado o descumprimento das decisões da mais alta instância da Justiça Trabalhista.

Primeiramente, a 7ª Vara determinou o bloqueio de R$ 5 milhões das contas da Tágide Administradora de Consórcios em processo movido pelo Sindicato dos Trabalhadores no Comércio Lojista do Município de Belém. A defesa da empresa, no entanto, entrou com recurso no TST, e a SDI2 deferiu pedido para liberar R$ 3,5 milhões das contas, que representaria o excesso de constrição, uma vez que a ação do sindicato havia sido de R$ 2,5 milhões.

Depois disso, porém, o juízo da 7ª Vara afirmou que não teria como cumprir a determinação do TST porque a empresa já estava com ao menos R$ 1 milhão bloqueados em outro processo.

A defesa recorreu e a ministra Delaíde deu uma decisão monocrática acolhendo pedido da Tágide e limitou o montante bloqueado a R$ 2,5 milhões. Mais uma vez, o desbloqueio não foi executado pelo magistrado de primeiro grau. A defesa informou à corregedoria do TRT-8 sobre as condutas dos juízes, que se ateve a suspender todos os processos relacionados até que o TST julgasse o mérito do mandado de segurança.

O caso voltou à SBD-2, que liberou novamente o valor correspondente ao excesso de constrição. Além disso, por maioria, enviou o caso para corregedoria e determinou a “apuração de descumprimento de decisão anterior” — ficaram vencidas ministras Delaíde Arantes e Maria Helena Malmann, contra a posição dos outros sete ministros do colegiado.

No julgamento, o corregedor da Corte superior, ministro Lelio Bentes Correia, afirmou que o ato de penhora do TRT caracterizou a “desconsideração, o desprestígio à decisão” do TST. O presidente do TST, ministro Brito Pereira, entendeu que as decisões de instâncias inferiores “tangenciaram, descumpriram deliberadamente” o que havia sido determinado pela Corte.

+JOTA PRO: Entenda o cenário institucional com o JOTA Poder. Seguimos de perto tribunais superiores, agências reguladoras, Congresso, Poder Executivo e legislativos estaduais e municipais para reportar informações públicas de impacto. Experimente o serviço que tem ajudado empresas e atores do mercado financeiro!

De acordo com o advogado da empresa Maurício Corrêa da Veiga, do Corrêa da Veiga Advogados, a postura dos juízes em não cumprir a decisão do TST foi abusiva. “Esse fato é gravíssimo e viola o preceito constitucional de que ninguém será privado de seus bens sem o devido processo legal”, ressalta.

“Esse fato é gravíssimo e viola o preceito constitucional de que ninguém será privado de seus bens sem o devido processo legal (CF, Art. 5º, LIV)”, diz o advogado.

A assessoria do TRT-8 afirmou que, por enquanto, não irá se manifestar. “Segundo consta na movimentação processual, foi designado redator para que seja redigido o acordão. O Tribunal Regional do Trabalho da Oitava Região ainda não foi notificado formalmente sobre a decisão. Desta forma, somente após a publicação e ciência formal a este Tribunal é que poderá haver qualquer manifestação in casu”.

MATHEUS TEIXEIRA – Repórter em Brasília

COMPARTILHE

FACEBOOK

TWITTER

WHATSAPP

PRÓXIMA

HIERARQUIA

Situação sobre prisão de Lula também depende do TRF4, avaliam ministros

MOSTRAR COMENTÁRIOS

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br