Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Sustenta e defende as tuas prerrogativas, uma transigência, neste particular, não avilta apenas a ti próprio, compromete uma classe.
Dr. Aristides Junqueira
11/06/2018

O capital financeiro quer impor seu presidente da República

A forte turbulência vivada pelo mercado financeiro nos últimos dias é uma ilustração didática da gravidade da crise brasileira e da hipocrisia do governo golpista e dos setores financeiros que o dominam e usam o poder de Estado para pilhar os cofres públicos.

As explicações dos analistas do chamado “mercado” (isto é, do grande capital especulativo) ilustram a perplexidade da direita ante o quadro eleitoral que se desenha no país. Um desses analistas, o ex-presidente do Banco Central do governo FHC Armínio Fraga, foi direto ao indicar que "caiu a ficha!", referindo-se à crise, que vê como fiscal e política. "Se não está quebrado, o governo está vivendo do cheque especial e a dívida cresce em uma bola de neve", avaliou.

Quadro agravado, em sua opinião, num cenário político eleitoral que não traz segurança para o grande capital.

A hipocrisia do governo postiço e do setor financeiro especulativo que o domina reside na flagrante contradição que há na alegação de um gigantesco rombo fiscal (cerca de R$ 160 bilhões de este ano), valor usado pelos golpistas para justificar as graves e injustas medidas de corte de gastos em áreas sociais (sobretudo saúde e educação) e investimentos públicos, impostos principalmente pela Emenda Constitucional nº 95. Dinheiro que, se alegadamente falta para ações que favorecem a economia do país e o bem-estar dos brasileiros, aparece abundante, como que por encanto, para socorrer o mercado financeiro.

Para dar garantias aos “investidores”, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn anunciou o emprego, até o próximo dia 15 de junho, da estratosférica quantia de 24,5 bilhões de dólares (mais de 80 bilhões de reais) para segurar a cotação do dólar. E prevê o uso de ainda mais até o final do ano, chegando a falar em 110 bilhões de dólares (mais de 400 bilhões de reais), nesse imoral, antinacional e antipopular socorro aos especuladores financeiros.

As explicações conservadoras variam desde a situação internacional que valoriza o dólar com a expectativa de alta de juros nos Estados Unidos, a crise fiscal do governo brasileiro (que só existe quando se trata de favorecer o povo e a economia produtiva do país), e revelam a perplexidade ante o que chamam de “incertezas” em relação à eleição presidencial de outubro.

A incerteza revelada pelos especuladores e a direita deriva principalmente da expectativa ante o cenário eleitoral. Os analistas da direita temem a vitória de um candidato, que rotulam de extremista, fora da cartilha neoliberal imposta ao país.

O braço de ferro permanente entre o “mercado”, que exige liberdade de ação, e a intervenção do Estado para regular o capital e colocar um freio na ganância especulativa, sempre se acentua em vésperas de eleições que, como no Brasil, podem colocar em julgamento a ação do governo pelo desenvolvimento, de um lado, ou sua omissão que favorece a especulação financeira, de outro.

O “mercado”, que não é democrático, exige cada vez menos regulação legal sobre a ação livre do capital. E tem força suficiente para, de maneira monopolista, determinar pelo exercício de seu poder econômico, algumas taxas básicas da economia, como a taxa de câmbio que define o valor do dólar, ou também a oscilação da bolsa de valores. E se arrepia quando o governo tenta tabelar alguns preços, como o do diesel (promessa feita aos caminhoneiros) e dá a esta ação pública o nome, que pretende pejorativo, de “intervencionismo” estatal.

Tenta estender este mesmo tentáculo regulatório privado sobre as urnas. Sem poder legal para isso, nem a menor legitimidade cívica, usa o poder econômico sobre a sociedade e a mídia patronal para chantagear o eleitorado e tentar impor, por esta via transversa, sua própria vontade eleitoral. E espalha ameaças não só sobre o resultado eleitoral, mas também sobre o desempenho nas pesquisas de opinião dos candidatos que disputarão o comando do país a partir de 2019. Daí a chantagem que, pela mídia patronal hegemônica, ameaça com o caos, na esteira da apresentação de candidaturas antineoliberais, e mais ainda da perspectiva de sua vitória. É a luta de classes oculta nas entrelinhas dos grandes jornalões, emissoras de rádio e tevê, e nas redes sociais.

Este filme os brasileiros já viram, faz 16 anos quando o descalabro do governo neoliberal de Fernando Henrique Cardoso levou à primeira vitória presidencial do programa para promover algumas mudanças que beneficiaram o Brasil, sua indústria e seu povo. Se não tiver certeza da vitória de um candidato que atenda seus interesses, o capital financeiro pode tentar manobras antidemocráticas, como fez em 2016, ao patrocinar o golpe que afastou a presidenta Dilma Rousseff. As forças democráticas, populares e patrióticas devem estar atentas e unidas em defesa da garantia da realização das eleições e do respeito à vontade popular.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br