Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Sustenta e defende as tuas prerrogativas, uma transigência, neste particular, não avilta apenas a ti próprio, compromete uma classe.
Dr. Aristides Junqueira
08/06/2018

Depois de CGU apontar riscos, acordo para repassar R$ 465 milhões a centrais sindicais é extinto Le

BRASÍLIA — O Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União (CGU) apontou diversos riscos num acordo feito para garantir que as sete maiores centrais brasileiras – Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical e União Geral dos Trabalhadores (UGT) entre elas – recebam contribuições sindicais que podem chegar a R$ 465 milhões. O acordo foi mediado pelo procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, e contou com as assinaturas das sete centrais, do Ministério do Trabalho e da Caixa Econômica Federal. Após a reportagem do GLOBO procurar o Ministério Público do Trabalho (MPT), o órgão informou que Fleury decidiu acabar com o acordo. O arquivamento da mediação foi assinado por ele nesta quarta-feira.

LEIA MAIS: Reforma trabalhista: polêmica domina decisões judiciais seis meses após aprovação

VEJA TAMBÉM: Para driblar impasses, sindicatos fecham acordos diretamente com empresas

SAIBA AINDA: Governo estuda decreto para trabalho intermitente

O motivo para o arquivamento é que “o MPT não pode participar, ainda que como mero mediador, de qualquer ato que possa vir a onerar indevidamente os cofres públicos”, segundo justificativa do procurador-geral no termo de encerramento da mediação. Em auditoria, a CGU listou riscos no acordo, como falta de critérios para definir os valores a serem repassados, ausência de análise do impacto no Tesouro e no Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e a possibilidade de pagamentos duplicados a entidades.

LEIA TAMBÉM: Saiba o que sindicatos podem ou não cobrar dos empregados

A mesma auditoria chegou a identificar fraudes no repasse de R$ 6,3 milhões a duas entidades sindicais, dinheiro que seria uma restituição de contribuições sindicais mantidas em poder do governo federal. O relatório de 88 páginas detalha mecanismos fraudulentos usados pelas duas federações e por servidores do Ministério do Trabalho para destravar o dinheiro referente a contribuições sindicais, cujo montante de R$ 6,3 milhões foi considerado um prejuízo ao erário, com necessidade de ressarcimento aos cofres públicos. A Polícia Federal (PF) entrou na história e passou a investigar a suposta fraude.

A CGU concluiu a auditoria em março deste ano. Os auditores se debruçaram sobre restituições de contribuições sindicais a entidades que teriam direito ao montante, depositado numa conta na Caixa, administrada pelo Ministério do Trabalho. O dinheiro é um resíduo, que acaba no banco em razão de erros em guias de recolhimento, e passou ser cobiçado pelas centrais depois de a reforma trabalhista acabar com a obrigatoriedade do pagamento de contribuição sindical por trabalhadores e empresas.

VEJA TAMBÉM: Fim do imposto sindical reduzirá receita dos sindicatos

Em outubro do ano passado, as sete centrais sindicais, o Ministério do Trabalho e a Caixa assinaram um acordo para permitir que as entidades recebessem os resíduos de contribuições sindicais. A mediação do acordo foi feita pelo procurador-geral do Trabalho. A Advocacia Geral da União (AGU), no entanto, se recusou a assinar o termo. Advogados da União participaram das discussões, mas a Advogada-Geral da União, Grace Mendonça, decidiu não convalidar o acordo. Grace entendeu que existia uma “incerteza” sobre a “correta distribuição” de recursos com destinação ainda não identificada.

O acordo contava com a participação da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), além de CUT, Força Sindical e UGT. Nesta quarta, Fleury decidiu por fim ao termo de mediação. “O Ministério Público do Trabalho não pode participar, ainda que como mero mediador, de qualquer ato que possa vir a ensejar enriquecimento ilícito de pessoas físicas e jurídicas”, justificou o procurador-geral.

PUBLICIDADE

Assinaturas fraudadas

A contribuição sindical é paga por trabalhadores e empregadores, e está prevista tanto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) quanto na Constituição Federal. O recurso deve ser distribuído entre sindicatos, federações, confederações e uma conta administrada pelo Ministério do Trabalho. O dinheiro que vai para esta conta integra os recursos do FAT.

Cabe ao ministério fazer o registro das entidades sindicais e a distribuição dos recursos. Se não há uma indicação da entidade que deve receber o dinheiro, seja por erro ou por inexistência de filiação a uma central, o montante é encaminhado à conta administrada pela ministério. Um pedido de restituição pode, então, ser formalizado à pasta.

Os auditores da CGU foram a campo entre 21 de agosto e 30 de outubro do ano passado. Naquele mesmo mês de outubro, sete centrais e o então ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, procuraram o MPT para uma mediação sobre o pagamento desses resíduos da contribuição sindical. O termo de mediação, capitaneado pelo procurador-geral do Trabalho, foi assinado naquele mês – com exceção da AGU, que se recusou a assinar.

Pelo termo, o Ministério do Trabalho se comprometia a revogar ato que suspendeu processos de restituição da contribuição sindical. Além disso, ficou acertada a constituição de um grupo de trabalho, com a participação de representantes das centrais sindicais, para definir a destinação do dinheiro. O termo também estabelecia que os valores devidos deveriam ser repassados às centrais e que o grupo constituído deveria definir o índice de correção monetária a ser utilizado. O montante é referente ao intervalo entre 2008 e 2015.

“A análise sobre o instrumento pactuado demonstrou fragilidades relevantes, dentre as quais destacam-se a indefinição de critérios utilizados para apuração e repasse do ‘saldo residual’ às entidades sindicais, a celebração do acordo sem realizar análise sobre os impactos financeiros e orçamentários sobre a Conta Especial Emprego e Salário (administrada pelo Ministério do Trabalho), sobre o FAT e sobre o orçamento do Tesouro”, escreveram os auditores da CGU no relatório final. Eles apontaram ainda “ausência de controle para evitar pagamento de valores referentes a recolhimentos que já foram objeto de ressarcimento em pedidos anteriores, o que poderia configurar pagamento em duplicidade”.

Concluída a auditoria, uma cópia do documento foi encaminhada ao MPT e ao Ministério do Trabalho. A CGU recomendou que o termo de mediação não fosse validado sem a correção das fragilidades e riscos listados. O procurador-geral do Trabalho, então, expediu três ofícios ao ministério para que não houvesse liberações de recursos sem antes cumprir as recomendações da CGU. Na decisão que arquivou o acordo, Fleury afirmou que o encerramento vigora “até que a definição dos valores retidos pelo Ministério do Trabalho seja resolvida, tanto dos identificados quanto dos não identificados, com a expressa concordância dos órgãos de controle do Poder Executivo”.

Já as fraudes identificadas pelos auditores dizem respeito a restituições de contribuições sindicais solicitadas pela Federação dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade dos Estados da Bahia, Sergipe, Alagoas e Amapá (FETTHEBASA) e pela Federação Nacional dos Trabalhadores Celetistas nas Cooperativas do Brasil (Fenatracoop). O prejuízo estimado no primeiro caso é de R$ 3,8 milhões. No segundo, de R$ 2,5 milhões.

PUBLICIDADE

A auditoria aponta que o pedido da FETTHEBASA foi protocolado na Superintendência do Trabalho em Goiás, e não na Bahia, onde está a sede da federação. Além disso, parte do dinheiro solicitado é contrapartida de filiação de sindicatos que nada têm a ver com o objeto da FETTHEBASA, como é o Sindicato de Trabalhadores Petroleiros. Os auditores também detectaram fraudes nas assinaturas do presidente da federação e do chefe da seção da Superintendência do Trabalho em Goiás.

A CGU pede o ressarcimento dos recursos ao erário e uma investigação penal dos envolvidos. A PF entrou na história. O pedido é semelhante para a Fenatracoop. Os auditores detectaram que o processo não tramitou na Superintendência do Trabalho no DF.

Na semana passada, a PF deflagrou a Operação Registro Espúrio, que desarticulou um esquema de fraudes nas concessões de registros sindicais. O então número dois do Ministério do Trabalho, Leonardo Arantes, secretário-executivo da pasta, foi preso preventivamente. Ele é sobrinho do deputado Jovair Arantes (GO), líder do PTB na Câmara. Os gabinetes dele e de mais dois parlamentares – Paulinho da Força (SDD-SP) e Wilson Filho (PTB-PB) – foram alvo de mandados de busca e apreensão, autorizados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Leonardo foi demitido do ministério.

Fonte: Jota
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br