Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Perdoe os outros por muitas coisas, mas não perdoe a si mesmo por nada.
Publilius Syrus
06/06/2018

“A greve dos caminhoneiros começou a deixar claro o que vamos viver daqui em diante”

Gabriel Brito, da Redação

A pa­ra­li­sação dos ca­mi­nho­neiros e do país no fim de maio ainda é o grande tema na­ci­onal e tem tudo para deixar se­quelas, a exemplo do que já se per­mite vis­lum­brar na rá­pida greve dos pe­tro­leiros. Pa­ra­le­la­mente, a Pe­tro­bras volta ao centro de de­bates e dis­putas, dado que sua po­lí­tica de preços foi o dis­pa­rador da greve e seu pre­si­dente acaba de se de­mitir. Sobre esse in­trin­cado quadro, con­ver­samos com Ema­nuel Can­cella, ex-pre­si­dente do Sin­di­cato dos Pe­tro­leiros, que traçou um pro­fundo di­ag­nós­tico da gestão da es­tatal.

“Pedro Pa­rente na minha ava­li­ação nem de­veria ter ocu­pado o posto de pre­si­dente da Pe­tro­brás. Ele é réu, desde 2001, quando deixou um rombo bi­li­o­nário de 5 bi­lhões de reais por vendas de ativos na es­tatal. Agora, vimos o ‘Feirão do Pa­rente’. Ele vendeu dutos, campos do pré-sal, pe­troquí­mica, tirou a Pe­tro­brás das áreas de gás, fer­ti­li­zantes, bi­o­com­bus­tí­veis, ce­le­brou acordo de 10 bi­lhões de reais com os aci­o­nistas norte-ame­ri­canos mesmo sem con­de­nação ju­di­cial da Pe­tro­brás... Ele aplicou aquilo que os tu­canos acre­ditam: ‘o pe­tróleo é vosso’”, dis­parou.

Na con­versa, além de de­sancar o mi­nistro do apagão de 2001, Can­cella elenca ne­ga­ti­va­mente toda a po­lí­tica le­vada a cabo pela es­tatal – com apoio mi­diá­tico que só pode ser clas­si­fi­cado como mi­li­tância. Desde o cha­mado Plano de De­sin­ves­ti­mentos ao Plano de Ne­gó­cios 2017-2021, o pe­tro­leiro afirma se tratar de uma noção ab­so­lu­ta­mente en­tre­guista e ir­res­pon­sável, pois em pouco tempo já causou no­tório re­bai­xa­mento da qua­li­dade de vida da po­pu­lação.

“É a po­lí­tica de de­sin­ves­ti­mento: mandar cons­truir na­vios e pla­ta­formas no ex­te­rior, tirar a Pe­tro­brás dos se­tores men­ci­o­nados, vender campos do pré-sal... Que plano é esse que só visa fa­vo­recer o mer­cado – leia-se fi­nan­ceiro – e as pe­tro­leiras in­ter­na­ci­o­nais?”, atacou.

A en­tre­vista com­pleta com Ema­nuel Can­cella pode ser lida a se­guir.

Cor­reio da Ci­da­dania: Em pri­meiro lugar, como en­xergou a greve dos ca­mi­nho­neiros, que pra­ti­ca­mente pa­ra­lisou o país neste fim de maio, com suas de­mandas e ma­tizes tão di­ver­si­fi­cados?

Ema­nuel Can­cella: Os ca­mi­nho­neiros são os mesmos que blo­que­aram es­tradas no “Fora, Dilma” em 2016. Agora, fi­zeram uma greve que, sem dú­vidas, também foi im­pul­si­o­nada pelos pa­trões, os donos das trans­por­ta­doras. Porém, é bas­tante le­gí­tima no que diz res­peito aos tra­ba­lha­dores, isto é, aqueles bra­si­leiros que com­praram seu ca­mi­nhão, assim como se compra um táxi, para fazer do trans­porte seu meio de vida. Essas pes­soas pa­raram de modo le­gí­timo, pois os su­ces­sivos re­a­justes do di­esel es­tavam in­su­por­tá­veis.

Os pa­trões, a meu ver, es­pe­ravam com a pa­ra­li­sação – in­clu­sive do país – a tal in­ter­venção mi­litar. Mas os pró­prios mi­li­tares deram de­cla­ra­ções, senão de apoio, bas­tante be­ne­vo­lentes. Um ge­neral até disse que não se ima­gi­nava re­pri­mindo a greve. Frus­trou-se a ex­pec­ta­tiva das trans­por­ta­doras e elas sus­pen­deram a greve. Mas elas res­pondem por 30% dos ca­mi­nho­neiros e os ou­tros 70% a man­ti­veram.

A pri­meira lei­tura é: uma ten­ta­tiva gol­pista ou o que o valha por parte das em­presas acom­pa­nhada por uma greve le­gí­tima, por so­bre­vi­vência, por parte dos tra­ba­lha­dores, os ca­mi­nho­neiros. Foi um teste im­por­tante, pois até então os tra­ba­lha­dores não tí­nhamos feito uma pa­ra­li­sação de tal porte, apesar das ten­ta­tivas.

Por isso houve grande e ge­ne­ra­li­zada so­li­da­ri­e­dade, de cen­trais sin­di­cais, par­tidos, po­pu­lação... Uma greve que mos­trou que há como furar o blo­queio, não do go­verno Temer, que é ca­chorro morto, mas o blo­queio que o cerca: de mídia, Con­gresso e Ju­di­ciário.

Cor­reio da Ci­da­dania: Como en­xergou as res­postas do go­verno Temer?

Ema­nuel Can­cella: O go­verno Temer passou a perna nos ca­mi­nho­neiros ao dizer que di­mi­nuiria o preço do di­esel, fazer con­cessão em pe­dá­gios, re­for­mular al­gumas leis, mas na prá­tica não fun­ci­onou. Pelo que posso acom­pa­nhar, os postos não têm obe­de­cido aos preços es­ti­pu­lados e os go­vernos es­ta­duais re­gulam seu pró­prio ICMS como pre­ferem.

Por­tanto, os ca­mi­nho­neiros foram le­sados, pois mesmo dentro do acordo do Temer, ve­remos a re­to­mada dos re­a­justes nos com­bus­tí­veis daqui a dois meses. E quem acom­panha a ge­o­po­lí­tica de pe­tróleo diz que o preço vai subir. Pelo que dizem es­tu­di­osos do as­sunto – como Paulo Metri, Fer­nando Si­queira, que me con­ven­ceram – já, já o pe­tróleo volta ao pa­tamar de 100 dó­lares o barril. Todo o mo­vi­mento de baixar o pe­tróleo de 140 para 25 dó­lares foi ar­ti­fi­cial.

Entra em cena uma briga maior. A greve dos ca­mi­nho­neiros é o rabo do ele­fante. Os su­ces­sivos au­mentos do gás, do di­esel, da ga­so­lina, não in­fluem na in­flação? Es­tranho. Não são só os com­bus­tí­veis. Tem a PEC do Teto de Gastos, que con­gela os or­ça­mentos pú­blicos por 20 anos, por exemplo. Ou seja, ve­remos greves e mo­vi­mentos de re­beldia em ou­tros se­tores, como a saúde, já que os hos­pi­tais também estão que­brados. A crise não é só dos com­bus­tí­veis, é de todo um go­verno que está le­vando o Brasil na marcha à ré. Re­tro­a­gimos a algo an­te­rior à dé­cada de 40, e a ten­dência é pi­orar.

O pro­jeto deles é go­vernar para um terço da po­pu­lação e dane-se o resto. Por­tanto, a greve dos ca­mi­nho­neiros é im­por­tante pra co­meçar a deixar claro o que vamos viver daqui em di­ante.

Cor­reio da Ci­da­dania: A Pe­tro­brás está no olho da crise e dos de­bates. Como ana­lisa as res­postas ini­ciais de seu pre­si­dente, Pedro Pa­rente e de­pois sua saída, para dar lugar a Ivan Mon­teiro?

Ema­nuel Can­cella: Pedro Pa­rente na minha ava­li­ação nem de­veria ter ocu­pado o posto de pre­si­dente da Pe­tro­brás. Ele é réu, desde 2001, quando deixou um rombo bi­li­o­nário de 5 bi­lhões de reais por vendas de ativos na es­tatal, quando era mi­nistro de um go­verno que tentou pri­va­tizá-la. Par­ti­cipou de toda aquela tra­moia das vendas de ações da em­presa em Nova York, se­gundo a AEPET (As­so­ci­ação dos En­ge­nheiros da Pe­tro­brás) por 10% do valor... Lembro que fi­zemos até um en­terro sim­bó­lico dele.

Agora, vimos o “Feirão do Pa­rente”. Ele vendeu dutos, campos do pré-sal, pe­troquí­mica, tirou a Pe­tro­brás das áreas de gás, fer­ti­li­zantes, bi­o­com­bus­tí­veis, ce­le­brou acordo de 10 bi­lhões de reais com os aci­o­nistas norte-ame­ri­canos mesmo sem con­de­nação ju­di­cial da Pe­tro­brás...

Por quê? Porque ele tem o aval da Lava Jato, que in­ves­tiga a Pe­tro­brás. A mesma ope­ração tão dura – cor­re­ta­mente – na gestão an­te­rior, agora, no­va­mente sob gestão tu­cana no setor, virou cúm­plice.

Pedro Pa­rente é o res­pon­sável pela greve dos ca­mi­nho­neiros, tanto pelos au­mentos como por dizer que a po­lí­tica de preços não mu­daria, já no meio da pa­ra­li­sação. E por isso ela cresceu muito mais.

Resultado de imagem para enterro pedro parente

Cor­reio da Ci­da­dania: O que pensa das crí­ticas que cul­pa­bi­lizam a po­lí­tica de con­trole de preços do com­bus­tível ao longo de anos re­centes?

Ema­nuel Can­cella: A Pe­tro­brás é re­sul­tado da cam­panha “O Pe­tróleo é nosso”. A Pe­tro­brás do Pa­rente é do “Pe­tróleo é vosso”, como dito pelo pri­meiro di­retor da Agência Na­ci­onal do Pe­tróleo (ANP), David Zyl­bersz­tajn. É dele essa cé­lebre frase. Os com­bus­tí­veis têm de ser sub­si­di­ados para servir a seu dono, ou seja, a so­ci­e­dade. Foi o que se fez. A Pe­tro­bras se­gu­rava vá­rios au­mentos do barril de pe­tróleo para não pe­na­lizar o con­su­midor bra­si­leiro, a dona de casa. Pa­rente adotou os preços ao sabor do mer­cado. Chegou ao ab­surdo de co­locar va­ri­ação diária do preço.

Por­tanto, ele aplicou aquilo que os tu­canos acre­ditam: “o pe­tróleo é vosso”. Ele tra­ba­lhou na Pe­tro­brás para servir ao mer­cado, às grandes pe­tro­leiras... Não se sabe muito disso, mas o prin­cipal be­ne­fi­ciário da im­por­tação de de­ri­vados, já que temos ca­rência de re­fino no di­esel, é os Es­tados Unidos: em três meses pa­gamos 4 bi­lhões de reais aos EUA na im­por­tação de di­esel. Pa­ra­le­la­mente, Pa­rente di­mi­nuiu a carga de ca­pa­ci­dade de re­fino no país para 60%. As re­fi­na­rias bra­si­leiras estão com cerca de 40% de oci­o­si­dade, en­quanto o mer­cado pre­cisa de di­esel e ga­so­lina.

E mais: anun­ciou a venda de cerca de me­tade das nossas re­fi­na­rias. Ele es­tava aí pra servir ao mer­cado e às pe­tro­leiras. Ao mesmo tempo, Mi­chel Temer de­so­nerou as pe­tro­leiras em 1 tri­lhão de reais, em es­pe­cial a Shell. Essa é a visão deles do pe­tróleo. Não é só en­tregar o pré-sal, é en­tregar o mer­cado bra­si­leiro, mun­di­al­mente res­pei­tável.

Querem en­tregar os bi­o­com­bus­tí­veis, outro filão im­por­tante, re­no­vável, en­quanto o pe­tróleo é es­go­tável. O mesmo vale para as pe­troquí­micas, braço mais lu­cra­tivo do setor, os fer­ti­li­zantes, nos quais o Brasil também é forte... Uma gestão pau­tada na po­lí­tica do FHC, de pri­va­tizar a Pe­tro­brás. FHC acabou com os es­ta­leiros, que em mai­oria eram no Rio de Ja­neiro, e mandou fa­bricar pla­ta­formas no ex­te­rior. O go­verno Lula re­tomou a po­lí­tica de con­tratar pla­ta­formas aqui e eles no­va­mente re­ver­teram tal po­lí­tica.

Nada disso é no­vi­dade. Já ti­nham feito assim e sa­bíamos que não seria di­fe­rente. A Pe­tro­brás foi alvo de uma cam­panha vi­o­lenta por parte da Lava Jato, com va­za­mentos se­le­tivos, em es­pe­cial para a Globo. E fico feliz em ver que mesmo di­ante de tanto bom­bar­deio mi­diá­tico 60% dos bra­si­leiros são contra a pri­va­ti­zação da Pe­tro­brás.

Logo que vi a pes­quisa, achei ruim, mas de­pois vi que só 21% são a favor. O povo não ad­mite o roubo da em­presa. Cabe a nós re­tomar cam­pa­nhas que mos­trem à so­ci­e­dade o que a Pe­tro­brás re­pre­senta para o Brasil. Em 2014, no auge da em­presa, ela fi­nan­ciava 80% das obras do país. Agora, esse di­nheiro todo vai pra mul­ti­na­ci­onal e mer­cado fi­nan­ceiro in­ter­na­ci­onal.

Cor­reio da Ci­da­dania: O que co­menta do “Plano de De­sin­ves­ti­mentos” da em­presa, sau­dado pelos arautos do mer­cado como ponto po­si­tivo da “re­cu­pe­ração da Pe­tro­brás”?

Ema­nuel Can­cella: É uma po­lí­tica que existe em todas as pe­tro­leiras do mundo, quando vendem ativos. Mas no Brasil usa-se tal fer­ra­menta pra pra­ticar um en­tre­guismo exa­cer­bado. Uma coisa é vender um ativo pra fazer um in­ves­ti­mento que pode dar re­torno maior à em­presa. Se fi­zermos um ba­lanço desse plano do Pa­rente, trata-se apenas de vender re­fi­na­rias. Tirou a Pe­tro­brás de se­tores al­ta­mente lu­cra­tivos, es­tra­té­gicos e em­pre­ga­tí­cios, como são os se­tores de gás, pe­troquí­mica, fer­ti­li­zantes, bi­o­com­bus­tí­veis, dutos...

Cor­reio da Ci­da­dania: A venda da NTS (Nova Trans­por­ta­dora do Su­deste) entra nesta dis­cussão?

Ema­nuel Can­cella: A re­gião mais rica do país é o Su­deste, por­tanto, a que mais con­some com­bus­tível. A malha foi cons­ti­tuída ao longo dos anos, coisa que a so­ci­e­dade não vê porque os dutos são em mai­oria sub­ter­râ­neos, mas ti­veram in­ves­ti­mento al­tís­simo. Nada im­pede seu fluxo, não tem greve de ca­mi­nho­neiros que o faça. E o Pa­rente vendeu a NTS, coisa que agora está na jus­tiça, prestes a de­cidir a res­peito.

É a po­lí­tica de de­sin­ves­ti­mento: mandar cons­truir na­vios e pla­ta­formas no ex­te­rior, tirar a Pe­tro­brás dos se­tores men­ci­o­nados, vender campos do pré-sal... Que plano é esse que só visa fa­vo­recer o mer­cado – leia-se fi­nan­ceiro – e as pe­tro­leiras in­ter­na­ci­o­nais?

Falam de Pa­sa­dena ou re­fi­na­rias na Bo­lívia apenas para queimar a em­presa, mas nin­guém fala disso, que está acon­te­cendo agora. Ah, sim: Pa­sa­dena está dando lucro há cinco anos. Nin­guém fala que Pa­rente vendeu a pe­troquí­mica de Suape pelo preço de 4 dias de fa­tu­ra­mento. Nin­guém fala que vendeu o campo de Car­cará do pré-sal com o barril a preço de re­fri­ge­rante.

É um plano de des­truição da Pe­tro­brás. Que as ações em­bar­guem a ne­go­ciata da NTS.

Cor­reio da Ci­da­dania: Di­ante de tudo isso, nada mais óbvio do que novas ro­dadas de en­ca­re­ci­mento do com­bus­tível, pas­sadas e fu­turas.

Ema­nuel Can­cella: Com cer­teza. Se vender o duto do Su­deste, nin­guém cons­truirá outro. Só tem aquele. Era da Pe­tro­brás, agora não é mais. A em­presa não só paga pra usá-lo, como pre­cisa pegar a fila, pois não é mais dona e não tem pre­fe­rência.

Com re­lação aos preços dos de­ri­vados, se o pe­tróleo é nosso a po­lí­tica de preços deve mesmo sub­si­diar, e for­te­mente, itens es­tra­té­gicos como di­esel, gás de co­zinha, trans­porte... É do in­te­resse da so­ci­e­dade bra­si­leira. Hoje, só com esses seis meses de po­lí­tica de Pa­rente, mais de 1,2 mi­lhão de do­mi­cí­lios dei­xaram de co­zi­nhar a gás e usam lenha.

Daqui a pouco vai ter a greve dos ta­xistas, das vans... Não vão su­portar o preço dos de­ri­vados. Por isso de­fen­demos que Pe­tro­brás, Ele­tro­brás, BNDES têm de ter fun­ções so­ciais. Não podem ser ven­didas pra mer­can­ti­listas que querem ga­nhar di­nheiro com energia. A CEDAE não pode virar uma em­presa que trans­forme água em mer­ca­doria, nin­guém vai su­portar.

Es­tamos no centro de um de­bate de que país que­remos. Em­pre­sá­rios não têm pre­o­cu­pação so­cial. Isso devia estar claro há tempos. Pes­soas de­fendem sua po­lí­tica afir­mando que a Pe­tro­brás tem de dar lucro e aci­o­nista tem de ga­nhar. Só que os aci­o­nistas querem ga­nhar muito, aliás, nunca dei­xaram de ga­nhar. No en­tanto, a ló­gica do Pa­rente é dar as costas ao Brasil e servir a pe­tro­leiras e ao mer­cado in­ter­na­ci­onal.

FHC tentou pri­va­tizar a Pe­tro­brás, chegou a trans­formá-la em uni­dade de ne­gó­cios exa­ta­mente como se fez agora, a exemplo do campo de Car­cará. Como es­tava fraco, o FHC só con­se­guiu vender 30% da Refap (Re­fi­naria Al­berto Pas­qua­lino, no Rio Grande do Sul). Mas a ideia era vender cada uni­dade de ne­gócio, ou seja, as uni­dades da Pe­tro­brás.

Com re­lação à dí­vida da Pe­tro­brás, é uma farsa, pois po­demos olhar o lado cheio ou vazio do copo. A res­posta a isso é po­lí­tica: a Pe­tro­brás des­co­briu o pré-sal, que tem cerca de 100 bi­lhões de barris. O pe­tróleo está em 70 dó­lares. Co­loca os ze­ri­nhos aí e dá 7 tri­lhões de dó­lares, não pre­cisa ser bom de ma­te­má­tica. A dí­vida ale­gada é fi­chinha, façam o favor. O valor da em­presa tal como eles co­locam no mer­cado não diz nada. Tem pelo menos 100 bi­lhões de barris à mão, isso con­ver­tido em pe­troquí­mica, com­bus­tível dá muito mais que os 7 tri­lhões, que se­riam só de óleo in na­tura.

É piada fa­larem mal da Pe­tro­brás, como faz a mídia em­pre­sa­rial bra­si­leira. A em­presa ga­nhou três vezes o prêmio OTC (Offshore Te­ch­no­logy Con­fe­rence), por ter feito a maior ca­pi­ta­li­zação da his­tória, em 2010. Temos uma em­presa mun­di­al­mente re­co­nhe­cida. Mas nossos amigos da Lava Jato pre­ferem re­sumir tudo à pa­lavra Pe­trolão (risos). E se é pra falar de es­cân­dalo mais uma vez lem­bramos do Ba­nes­tado, o maior de todos, ex­clu­si­va­mente tu­cano, que por coin­ci­dência até hoje não prendeu nin­guém. Mesmo assim, o Moro ja­mais co­gitou in­ter­pelar o Pedro Pa­rente...

Cor­reio da Ci­da­dania: Como você ana­lisa o Plano de Gestão e Ne­gó­cios 2017-2021 da Pe­tro­brás? O que de­verá advir dele em termos tra­ba­lhistas e econô­micos?

Ema­nuel Can­cella: O Plano de Ne­gó­cios foi dei­xado pela Dilma, vi­sava cons­truir duas re­fi­na­rias, can­ce­ladas pelo Pa­rente, no Ceará e Ma­ra­nhão. Te­ríamos au­tos­su­fi­ci­ência no re­fino e ex­ce­dente para ex­por­tação. Isso está can­ce­lado pela Lava Jato e Pedro Pa­rente. É pre­ciso re­tomar tais ques­tões, re­ti­radas da al­çada da Pe­tro­brás, como já ex­pli­quei antes. Gás, pe­troquí­mica, bi­o­com­bus­tí­veis têm de voltar aos planos de ne­gó­cios.

Es­tamos fa­lando do mi­nistro do apagão de 2001. Quem salvou o Brasil do apagão foi o Ildo Sauer, di­retor de Gás da Pe­tro­brás du­rante quatro anos, que re­tomou o con­trole das ter­me­lé­tricas. Ele com­prou par­ti­ci­pação na mai­oria delas, que eram uma bomba de efeito re­tar­dado no go­verno an­te­rior, pois mesmos sem gerar um ki­lowatt de energia co­bravam em dólar. O Ildo, no go­verno Dilma, acabou com isso e de­be­lamos o apagão.

O Plano de Ne­gó­cios pre­cisa ir na di­reção con­trária da pro­posta de Pa­rente: tem de cons­truir re­fi­naria, re­tomar se­tores es­tra­té­gicos e o duto do Su­deste. Esses caras aí não o farão. Vão con­ti­nuar com o “plano es­tra­té­gico” de es­va­ziar a com­pa­nhia e dar tudo para as pe­tro­leiras, a exemplo da isenção de 1 tri­lhão de reais do ano pas­sado.

Cor­reio da Ci­da­dania: Como en­trou a greve dos pe­tro­leiros no meio disso? Quais as prin­ci­pais rei­vin­di­ca­ções dos pe­tro­leiros?

Ema­nuel Can­cella: Está di­fícil para qual­quer tra­ba­lhador fazer greve num país com mais de 13 mi­lhões de de­sem­pre­gados e os sin­di­catos um tanto que­brados. É muito di­fícil. Mas as di­re­ções vi­nham tra­ba­lhando nisso há muito tempo. Um com­po­nente po­lí­tico atra­pa­lhava: a questão do PT. Muitos acu­savam de ser mo­bi­li­zação pelo Lula etc. Mas após a greve dos ca­mi­nho­neiros con­se­guimos uma uni­dade, entre FUP e FNP. Não sei até quando.

Quando veio a multa de 500 mil reais por dia da jus­tiça re­al­mente se tornou in­su­por­tável e foi cor­reto sus­pender a greve. Mas ela pode voltar a qual­quer mo­mento, por conta da po­lí­tica de preços, que no­va­mente su­fo­cará a so­ci­e­dade. Ou­tros se­tores vão se ma­ni­festar con­tra­ri­a­mente. Um mi­lhão de lares aban­do­naram o gás de co­zinha. De todo modo, con­se­guimos fazer a greve e muitas pla­ta­formas e re­fi­na­rias pa­raram - não a pro­dução, porque numa pa­rada de 72 horas não tem como parar de fato.

A greve foi um avanço e pode voltar a qual­quer mo­mento.

Cor­reio da Ci­da­dania: Como são as atuais con­di­ções da ca­te­goria?

Ema­nuel Can­cella: Os pro­blemas in­ternos da Pe­tro­brás são imensos. Temos a pior po­lí­tica de re­cursos hu­manos de todos os tempos. Há dois anos os pe­tro­leiros não têm au­mento real, Par­ti­ci­pação em Lu­cros e Re­sul­tados, estão en­xu­gando os acordos co­le­tivos. O que é pior: dentro dessa linha de “com­bate à cor­rupção” estão des­con­tando nos con­tra­che­ques no mí­nimo 13% do que dizem ser rombo do fundo de pensão Pe­tros.

O clima in­terno é muito ruim. A po­lí­tica de Pa­rente em re­lação aos fun­ci­o­ná­rios é a pior que já ti­vemos. E ele que não venha dizer que falta di­nheiro, porque os 10 bi­lhões para aci­o­nistas pri­vados não fal­taram. A dis­cussão, que até a greve dos ca­mi­nho­neiros vinha pa­rada, irá con­ti­nuar.

Cor­reio da Ci­da­dania: Como sin­di­ca­lista ex­pe­ri­ente, ex-pre­si­dente do Sin­di­petro, o que co­menta da atu­ação das cen­trais sin­di­cais neste mo­mento tão com­plexo por que passa o Brasil? O que co­menta do fato de, após afrou­xarem nas greves do ano pas­sado, uma ca­te­goria com menos tra­dição de or­ga­ni­zação e for­te­mente pau­tada por in­te­resses pa­tro­nais (mas não so­mente) con­se­guir em­pa­redar o go­verno?

Ema­nuel Can­cella: Penso que a greve dos ca­mi­nho­neiros foi como a dos pe­tro­leiros na dé­cada de 90. Em 1995 fi­zemos uma greve de 32 dias para barrar a pri­va­taria tu­cana, em es­pe­cial da Pe­tro­brás. Ti­vemos amplo apoio so­cial. Mas tenho cer­teza de que se fi­zés­semos uma greve antes dos ca­mi­nho­neiros apa­nha­ríamos muito da so­ci­e­dade, con­ta­mi­nada pelas di­fa­ma­ções e agres­sões à Pe­tro­brás or­ques­tradas por mídia e Lava Jato.

Com mais de 13 mi­lhões de de­sem­pre­gados, que greve será feita? Houve al­gumas iso­ladas e im­por­tantes, mas no geral os tra­ba­lha­dores estão muito fra­gi­li­zados, ainda mais de­pois da re­forma tra­ba­lhista. Porém, essa greve mos­trou que temos con­di­ções de re­sistir na luta. Foi uma sur­presa que vi­esse através dos ca­mi­nho­neiros, que de certa forma foram porta-vozes do golpe contra a Dilma. Não faço uma de­fesa de seus go­vernos, mas não se provou nada contra ela e em nome do com­bate à cor­rupção co­lo­caram no lugar os mai­ores cor­ruptos da his­tória do país.

Temos de con­versar, com cen­trais, com os tra­ba­lha­dores, porque não há nada re­sol­vido. Pre­ci­samos de elei­ções e temos de eleger al­guém do campo mais de­mo­crá­tico e po­pular, quem quer que seja, pois esses te­riam algum com­pro­misso em re­vogar a obra do Temer. Podem não gostar, mas in­clui a li­ber­dade de Lula con­correr, pois não dá pra manter al­guém preso sem prova al­guma.

Por­tanto, temos de apostar um pouco na mo­bi­li­zação elei­toral, pois se de­pender de gol­pista até isso pode ser des­car­tado.

Ga­briel Brito é jor­na­lista e editor do Cor­reio da Ci­da­dania.

Fonte: Correio da Cidadania
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br