Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Um homem que elogia a si mesmo não vê nada a sua volta exceto ele próprio. É melhor ser um homem cego que ver somente a si mesmo e a ninguém mais.
Muslih-ud-Din Saadi
24/05/2018

Com teto dos gastos, Brasil deve ter 20 mil mortes a mais de crianças

De acordo com estudo publicado pela revista internacional Plos Medicine, a austeridade econômica em vigor no país poderá causar a morte de 20 mil crianças até 2030. Esse aumento está diretamente ligado ao corte de verbas para os programas sociais que vinham mostrando resultados positivos nos últimos anos, como o Bolsa Família.

Agência Brasil

A pesquisa publicada nesta terça (22) utiliza modelos matemáticos e estatísticos para medir os efeitos da crise econômica e o impacto do corte de verbas na saúde infantil em todos os 5.507 municípios brasileiros para o período 2017 até 2030.

Os pesquisadores fizeram uma simulação de quantas mortes de menores de cinco anos poderiam ser evitadas até 2030 caso os programas Bolsa Família e Estratégia de Saúde da Família que beneficiam 21% e 65% da população, respectivamente.

Se esses dois programas tivessem seus orçamentos aumentados de forma proporcional ao acréscimo no número de pobres no país, seriam 19.732 mortes a menos até 2030 em comparação com o cenário mais provável, o de que os orçamentos aumentem apenas segundo a inflação do ano anterior, como prevê, de forma global para todas as pastas do Governo, a Emenda Constitucional 95 (antiga PEC 241). A extrema pobreza no Brasil aumentou 11% entre 2016 e 2017, mas o orçamento do Bolsa Família previsto para este ano é menor do que o do ano passado.

Ou seja, o aumento no número de mortes de crianças está associado ao corte de verbas em programas sociais.

"Quando você congela os gastos, ou seja, os ajusta de acordo com a inflação, você não consegue manter o nível de proteção social que você tinha antes”, disse Davide Rasella, do Instituto de Saúde de Coletiva da Universidade Federal da Bahia e principal autor do estudo ao El País.

Segundo ele, a matemática não fecha porque há três dinâmicas sociais que não estão sendo ajustadas: primeiro, o crescimento populacional que faz com que se tenha menos dinheiro por pessoa. Depois, o envelhecimento populacional, dinâmica importante tanto para a assistência social como para a saúde. E, ainda, a inflação da tecnologia da saúde, que faz com que os custos da área aumentem a cada ano.

“Está claro que os programas sociais têm um impacto altamente benéfico na saúde das crianças brasileiras. Por isso, é preciso reverter propostas de medidas de austeridade que os afetam”, disse à Folha de S.Paulo o professor Christopher Millett, do Imperial College of London e um dos autores do estudo.

Não é preciso aguardar até 2030 para se comprovar o resultado negativo da austeridade fiscal, que engloba restrições orçamentárias como o teto dos gastos – congelamento de investimentos durante 20 anos.

De acordo com dados do Ministério da Saúde consolidados pela Fundação Abrinq, a mortalidade infantil entre crianças de 1 a 4 anos cresceu 11% entre 2015 e 2016. Este foi o primeiro aumento da mortalidade infantil após 13 anos consecutivos de queda. Entre um mês de vida e um ano de idade também houve crescimento de 2% no número de mortes.

Além disso, o percentual de crianças menores de cinco anos em desnutrição (de baixa estatura para a idade), por exemplo, aumentou de 12,6% para 13,1% de 2016 para 2017, segundo dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan) consolidados pela Fundação Abrinq.

Em entrevista à Folha, Davide Rasella disse que as consequências das medidas de austeridade no Brasil são muito preocupantes porque terão longa duração, até 2030.

Ele disse ainda que nos outros países, como a Grécia, as medidas de austeridade vigoraram apenas no período da crise econômica e esses países “não tinham o nível de mortalidade infantil do Brasil, que é bem alto se comparado aos países desenvolvidos.”

 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br