Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Sustenta e defende as tuas prerrogativas, uma transigência, neste particular, não avilta apenas a ti próprio, compromete uma classe.
Dr. Aristides Junqueira
10/05/2018

Sindicato pede suspensão de publicidade favorável à privatização da Eletrobrás

Entidade diz que propaganda está danificando a imagem da empresa, e pede dano moral coletivo

Mariana Muniz

O Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Energia do Rio de Janeiro e Região (Sintergia/RJ) ingressou na última terça-feira (7/5) com uma ação na Justiça Federal contra a União pedindo a suspensão imediata da publicidade oficial que tem sido veiculada em prol da privatização da Eletrobrás. Os trabalhadores também pedem dano moral coletivo.

De acordo com o sindicato, a mensagem publicitária, sob o pretexto de “conscientizar” a população, está danificando a imagem da Eletrobrás e de seus funcionários. A defesa diz ainda que tem tido dificuldades para obter, via Lei de Acesso à Informação, cópias de documentos sobre o processo de desestatização.

A ação, que conta com pedido liminar de suspensão da peça publicitária, está na 2ª Vara Federal de Brasília (DF), sob o número 1008888-28.2018.4.01.3400. O sindicato não fixa na petição inicial o valor da indenização, que, caso deferida, será arbitrada pela Justiça.

O sindicato também solicita o direito de divulgar contrapropaganda à publicidade divulgada e que a “resposta à publicidade” seja divulgada às expensas da União da mesma forma, frequência e dimensão e, preferencialmente no mesmo veículo, local, espaço e horário.

Para os advogados Cláudio Pereira de Souza Neto e Beatriz Veríssimo de Sena, que representam o Sintergia, a campanha publicitária iniciada pelo Governo Federal especialmente nas redes sociais “é flagrantemente ilegal e imoral”. As postagens, segundo os advogados, se referem à Eletrobrás como uma empresa que não atinge suas metas ou que está em extrema dificuldade financeira, o que não corresponde à realidade.

“É clara a intenção da União em angariar apoio popular para concretizar seu plano de desestatização da Eletrobrás, sacrificando a honra e a imagem públicas dos trabalhadores da empresa, se utilizando covardemente de perfis oficiais do MME em redes sociais para atacar, difamar e ofender gratuitamente”, afirma Souza Neto.

Na inicial da ação, o sindicato aponta que a União, através de contas oficiais do Ministério de Minas e Energia – MME nas redes sociais Twitter e Facebook, passou a difamar os empregados da empresa com frases como “Sabe porque [sic] sua conta de luz está alta? Porque [sic] você assumiu desde 2012 um reajuste de 499% na sua tarifa, tendo ainda milhares de funcionários desnecessários da Eletrobras (e de suas distribuidoras) e outros cheios de privilégios recebendo salários fora do padrão. #MME”.

Os trabalhadores afirmam ainda que a publicação “deste tipo de ofensa em um mundo virtual onde

todas as informações transitam em uma velocidade absurdamente alta gera danos irreversíveis, pois a replicação desordenada das ofensas permanece por tempo indeterminado, mesmo após a exclusão das postagens. Multiplica-se e perpetua-se, assim, o dano causado”.

Para o Sindicato, a natureza da publicidade veiculada deixa claro que não pretende o Poder Público “estimular a participação da sociedade no debate e na formulação de políticas públicas”. “A publicidade veicula uma opinião inteiramente formada sobre o mérito da privatização da Eletrobrás, sem abrir qualquer espaço para a expressão de opiniões contrárias e, eventualmente, fomentar o debate público sobre seus méritos”.

Informação

A defesa do Sintergia também ajuizou uma Ação de Antecipação de Provas perante a Justiça do Rio de Janeiro pedindo acesso a documentos que teriam relação com o processo de desestatização da Eletrobras. O sindicato diz ter legitimidade para pleitear as informações por ser acionista minoritário.

De acordo com a entidade, foram solicitadas via Lei de Acesso à Informação algumas cópias de contratos que teriam sido feitos sem licitação, mas a Eletrobras argumentou que não liberaria a documentação por se tratar de informação sensível à empresa. Trata-se da ação 0103750-83.2018.8.19.0001.

Caso o pedido do Sintergia seja julgado procedente, a Eletrobrás terá que apresentar as cópias de contratos firmados, por exemplo, com o banco BTG Pactual, Bocater, Camargo, Costa e Silva Rodrigues Advogados Associados, Souza, Cescon, Barrieu & Flesh Sociedade de Advogados e processos administrativos internos, que “instruíram a inelegibilidade de licitação para as contratações acima”.

Mariana Muniz – Brasília

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br