Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A internet, nossa maior ferramenta de emancipação, está sendo transformada no mais perigoso facilitador do totalitarismo que já vimos. A internet é uma ameaça à civilização humana
Julian Assange
16/04/2018

Prisão de Lula: "Não tem nada a ver com corrupção", diz Jessé Souza

“O que está em jogo é esse preconceito contra o pobre e as classes populares que Lula representa. Não tem nada a ver com corrupção”, diz o sociólogo Jessé Souza, autor do livro A Elite do Atraso – da escravidão à Lava Jato. Para ele, a condenação do ex-presidente busca impedir que a base da pirâmide social tenha seus interesses representados. Por trás do processo contra o petista, Jessé aponta uma elite financeira sem compromisso com o país e que quer lucrar a todo custo.

Por Joana Rozowykwiat

Na última sexta (6), na tarde seguinte à ordem de prisão contra Lula, o sociólogo avaliou, em entrevista ao Portal Vermelho, que o Brasil vive um momento de muita preocupação e tristeza. Para ele, o Supremo Tribunal Federal, ao negar o habeas corpus ao petista na última quarta (4), perdeu uma oportunidade de mudar isso e passou “a pior mensagem possível” para a sociedade.

“Quando Rosa Weber diz que, no geral, é contra a condenação em segunda instância, mas, no caso de Lula, é a favor, fica tudo dito. Fica tão óbvio que é uma perseguição política, que Lula é um preso político. O que se vê é uma articulação muito óbvia entre uma condenação já montada midiaticamente e o aparato jurídico. É extremamente preocupante”, avaliou.

Jessé alertou sobre as consequências que a prisão poderá ter para o país. “Não sei se as pessoas imaginam que isso vá ficar desse modo, sem consequências. Não estou pensando só numa possibilidade de revolta popular, porque as condições são muito difíceis, mas o que digo é de uma violência, de uma sociedade extremamente cindida”, previu.

Ele avaliou que o que está em jogo é uma disputa de projeto e que o discurso do combate à corrupção tem sido sempre manipulado para legitimar o poder das elites. “O ponto principal nessa condenação de Lula, sem provas, é o fato de que o que se quer é que as classes populares não tenham representantes, que os interesses das classes populares não estejam representados, muito menos que elas possam chegar à Presidência da República (...) A corrupção é só o pretexto, há cem anos, para que estas coisas aconteçam”, analisou.

O sociólogo falou sobre a participação das elites econômicas em todo esse processo: “Obviamente, tem a ver com o capital financeiro internacional, com sede nos Estados Unidos, mas com muitos interesses aqui. E a história desse pessoal – ao contrário do empresário industrial que tem sua planta aqui – é acabar com um país e sair para acabar com os outros, porque não tem compromisso com como a sociedade funciona a longo prazo É exatamente a irresponsabilidade, no sentido etimológico do termo, dessa elite financeira que faz com que a gente passe por isso que está acontecendo aqui”.

Ele defendeu que os Estados Unidos vivem algo, de certa maneira, parecido, com uma sociedade dividida entre “os manipulados” e os que preservam ainda “alguma autonomia” – “porque na verdade todo mundo é perdedor do capital financeiro”, complementa.

Jessé preferiu não projetar o que pode acontecer no Brasil no próximo período, porque, para ele, tudo vai depender da luta. Mas, questionado sobre quais reações espera, não foi muito otimista. “Acho que não vai ter essa luta toda, infelizmente. Até sonhei, efetivamente, que ia haver milhões de pessoas nas ruas, mas a distorção da realidade pela mídia é de tal modo importante e as próprias classes populares estão muito divididas... já há alguma reação, mas ela é menor do que se esperava. Tomara que tenhamos algo muito maior”, desejou.

Segundo ele, é muito difícil fazer previsões sobre as eleições deste ano, “em especial numa sociedade que foi violentada, para a qual mentiram muito e que está cheia de ódio”. Na sua avaliação, se houver um contexto em que essa mentira for explicitada, “a esquerda ganha de lavada”.

Mas, caso isso não ocorra, o cenário não será fácil. ”Vai ser um jogo muito sujo, com muita fake news, muita mentira. Porque tudo isso tem a ver com o capital financeiro e seu saque, sua rapina. Esse pessoal tem muito dinheiro, sabe o que fazer. É uma coisa muito violenta, o lucro a qualquer custo. É isso que está em jogo”, lamentou.

Do Portal Vermelho

 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br