Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Critique a si mesmo, mas não fique desesperado com isso.
Epicteto
13/04/2018

Governo do ajuste anuncia previsão de déficits bilionários até 2021

Adriano Machado/Reuters

Apesar de o novo ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, declarar que sua gestão será marcada pela disciplina fiscal, o governo anunciou nesta quinta (12) que vai manter a meta de déficit primário de 2019 em R$139 bilhões para o governo central, mas ampliará a previsão do rombo para 2020 de R$65 bilhões para R$ 110 bilhões.

Desde que Michel Temer assumiu, após críticas de que a gestão Dilma Rousseff promovia “gastança”, o país tem acumulado déficits crescentes e bem superiores aos da era petista.

No Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2019, divulgado nesta quinta, a área econômica pede permissão do Congresso Nacional para que as contas do governo continuem no vermelho pelo menos até 2021, quando há previsão de déficit de até R$ 70 bilhões.

Repetindo o discurso de seu antecessor, Guardia disse que a revisão das projeções expõe que, “sem reforma da Previdência, ajuste gradual não é sustentável". Ele reconheceu que o Teto de Gastos pode não ser viável ao longo dos próximos dez anos.

Pressão por reforma que tira direitos

Sua fala apenas confirma o que diversos analistas, críticos às medidas do governo Temer, já tinham apontado, ao afirmarem que a nova regra fiscal é impraticável e seria usada para pressionar pela aprovação das mudanças na aposentadoria que prejudicam os trabalhadores.

"Com a aprovação de reformas e a continuidade do programa de concessões, o cenário a partir de 2021 é de equilíbrio nas contas. O equilíbrio fiscal de 2022 e 2023 depende da evolução do PIB, de medidas tributárias e das concessões. A continuidade das reformas tende a melhorar significativamente esse cenário", afirmou Guardia.

"A alternativa de um ajuste mais forte seria a elevação de impostos, e vamos evitar isso. A estratégia de ajuste gradual é correta, mas precisa ser completada com a Previdência. Sem enfrentar a questão da Previdência, o ajuste gradual não tem consistência", completou.

Desde sua posse, Temer tenta aprovar no Congresso uma Reforma da Previdência, om o objetivo de cortar gastos. Mas, mesmo abrindo mão de alguns pontos da versão original, a investida que tira direitos do trabalhador não vai para a frente, dada sua impopularidade.

Desecelação do PIB já deprimido

O governo também informou que estima que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 3% no ano que vem - mesmo valor previsto para a expansão de 2018. Para os anos seguintes, porém, a expectativa é de uma desaceleração nesse ritmo de crescimento. A alta seria de 2,4%, em 2020, e de 2,3%, em 2021.

Vale lembrar que, em apenas dois anos de recessão, o PIB do país recuou mais de 7%, e a recuperação econômica que o governo anuncia desde que assumiu, ainda não apareceu de forma consolidada. A falta de perspectivas tem levado diversos analistas a reduzirem suas projeções, sinalizando que o discurso da equipe econômica é excessivamente otimista.

Do Portal Vermelho, com agências

Fonte: vermelho
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br