Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Critique a si mesmo, mas não fique desesperado com isso.
Epicteto
11/04/2018

"Meirelles foi o pior ministro da Fazenda da história", diz economista

Por Eduardo Maretti, da RBA

Em cerimônia realizada na tarde de hoje (10) no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer deu posse a 10 ministros. Ele dirigiu o trecho mais caloroso de seu discurso ao agora ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, que deixou a pasta para disputar as eleições como candidato pelo MDB à presidência. Segundo Temer, “o trabalho (de Meirelles) foi essencial para o Brasil recuperar a credibilidade das contas publicas e também retomar o crescimento sustentado”.

As “bases firmes” que atualmente sustentam o país, disse, são principalmente sustentadas pela Emenda Constitucional 95/2016 (mais conhecida como a emenda do teto dos gastos). Segundo o presidente, Meirelles deixa o governo “como um dos melhores ministros da fazenda que o Brasil já teve”.

A opinião do economista e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Pedro Rossi é bem diferente. “Meirelles foi, na minha opinião, o pior ministro da Fazenda da história. Conseguiu conduzir o Brasil para a maior crise da história, que não começa na gestão dele, mas se torna crônica nessa gestão pelas medidas que adota”, afirma. Para o professor, o uso do gasto público pela gestão do ex-ministro da Fazenda é “extremamente perverso”.

“Ele praticamente zera a conta de investimentos e a gestão da política fiscal fica à mercê das emendas parlamentares e interesses políticos. Vai ficar marcada como uma gestão antidemocrática da política econômica, ao aprovar uma emenda que repactua o papel do Estado na sociedade sem uma discussão democrática”, diz Rossi. A era Meirelles é caracterizada “pelos piores resultados da história, em termos de investimento público e indução do investimento privado”.

Na gestão, o teto dos gastos comemorado por Temer é o que há de mais “absolutamente autoritário e antidemocrático, incompatível com a Constituição”, na opinião de Rossi, já que a Carta de 1988 é resultado de um amplo processo de debate. “Meirelles e Temer vão entrar para a história como aqueles que desmontaram o pacto da Constituição de 1988, e sem nenhuma legitimidade”.

Em seu discurso, Temer também enalteceu o trabalho de Ronaldo Nogueira no Ministério do Trabalho. Pastor da igreja Assembleia de Deus, ele também sai para se candidatar a deputado federal pelo PTB do Rio Grande do Sul. Temer destacou “a importância transcendente da (reforma da) legislação trabalhista implementada no país durante a gestão de Nogueira. Segundo o presidente, a reforma “os ajudou a colocar o Brasil no século 21”. O novo ministro, Helton Yomura, ocupava a pasta interinamente e foi efetivado.

A última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, durante a gestão de Ronaldo Nogueira mostrou taxa nacional de desemprego subindo, no trimestre encerrado em fevereiro, de 12% em novembro para 12,6%. São 13,121 milhões de desempregados, 550 mil a mais em três meses. No período, o mercado fechou 858 mil postos de trabalho.

"Nosso objetivo é construir um novo Brasil, e não interromper o que foi feito até agora. Vamos completar a obra que começamos", prometeu Temer.

"Estão saindo os ministros do desmonte do Estado, os que desmontaram o que o Estado tem de bom, os instrumentos de política social, gasto público e direitos trabalhistas, que foram jogados no lixo. São os operadores do desmonte", diz Rossi.

Os 10 ministros são Eduardo Guardia (Fazenda), Helton Yomura (Trabalho), Moreira Franco (Minas e Energia), Esteves Colnago (Planejamento), Leandro Cruz Fróes da Silva (Esporte), Rossieli Soares da Silva (Educação), Alberto Beltrame (Desenvolvimento Social), Marcos Jorge (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), Vinicius Lummertz (Turismo) e Antônio de Pádua de Deus (Integração Nacional).

Fonte: RBA

IMPRIMIR

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br