Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Critique a si mesmo, mas não fique desesperado com isso.
Epicteto
10/04/2018

A falência da democracia brasileira: não há mais identidade entre povo e governantes

Por Roberto Beijato Junior

A democracia, como sabemos, possui seu mais valioso fundamento na outorga de poder ao próprio povo, que o exercerá diretamente ou, como é a regra geral no Brasil, por meio de representantes eleitos para tal fim. A própria Constituição Federal, no parágrafo único de seu primeiro artigo, estatui que “todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”.

No plano das ideias, o dispositivo constitucional não deixa dúvidas ao instituir um regime democrático no Estado brasileiro, outorgando ao próprio povo todo o poder estatal.

Pressupõe-se, de igual modo, como decorrência lógica de uma democracia, que o povo tenha a possibilidade de escolher sujeitos para exercerem em seu nome referido poder, representando efetivamente os anseios populares.

Não é de hoje, entretanto, que os representantes eleitos exercem o poder em benefício próprio e daqueles que financiaram suas candidaturas, renegando ao povo — o verdadeiro detentor do poder — os últimos graus de prioridade.

Os constantes escândalos de corrupção que assolam o Brasil e constituem, a bem da verdade, o câncer que insiste em manter os excessivos níveis de desigualdade social e cultural no Brasil tornam a população absolutamente descrente naqueles que exercem o poder em seu nome, bem como torna a população descrente da própria política em si.

Trata-se, a evidência, de uma consequência da situação política brasileira e que não requer muitas digressões para ser percebida. Ora, enquanto o Brasil é um dos países com a maior carga tributária do mundo, é, ao mesmo tempo, um dos países mais mal colocados nos índices educacionais.

Basta compararmos: em 2015, a tributação brasileira alcançou o expressivo índice de 33,47% do PIB nacional, segundo dados divulgados pela própria Receita Federal[1]. Países conhecidos pela elevada tributação — porém com a devida contrapartida em qualidade de vida —, como a Suíça, tiveram, no mesmo período, o total de 26,6% de seu PIP composto da carga tributária. Os Estados Unidos registrou 26%, enquanto o Canadá, 30,8%, ambos no mesmo período.

Por outro lado, num ranking de 76 países, o Brasil é apenas o 60º no quesito educacional[2]. A saúde pública, ademais, dispensa comentários face a notoriedade dos absurdos a que é submetida a população. A segurança pública, de igual modo, mostra a extrema violência que predomina nas grandes cidades brasileiras — reflexo da falta de investimento educacional —, sem mencionar a crise no sistema penitenciário brasileiro, que não é sequer controlado pelo Estado. As imagens de presos sendo decapitados por outros presos em guerras entre facções que ocorreram livre da intervenção estatal chocaram o mundo.

Evidentemente que há uma disparidade notável entre a carga tributária brasileira — uma das mais altas do mundo — e a qualidade do serviço público ofertado à população — uma das piores do mundo. Para onde será que vai todo esse dinheiro? Bem, os constantes escândalos de corrupção que testemunhamos diariamente respondem a essa pergunta. São bilhões em corrupção, contratos superfaturados, pagamentos mascarados como doações de campanha etc.

O povo, detentor do poder, diga-se de passagem, paga um custo elevadíssimo para manter os custos financeiros da corrupção que beneficia um pequeno grupo.

Há, nesse sentido, uma clara desvirtuação do sistema democrático brasileiro. Em termos platônicos — a partir da clássica divisão que caracteriza seu idealismo filosófico entre mundo inteligível e mundo sensível —, a democracia, no plano das ideias, constitui um conceito perfeito, sendo possível aferir a essência de tal conceito, ou seja, a coisa em si, somente transcendentalmente. Por outro lado, a representação material da democracia será inevitavelmente desvirtuada e maculada pelas vicissitudes humanas.

No Brasil, tal disparidade mostra-se com peculiar ênfase. Uma coisa é o mundo das normas constitucionais, onde o poder emana do povo, onde é assegurado a todos um longo leque de direitos fundamentais individuais e sociais — entre estes últimos os próprios direitos à saúde, moradia, alimentação etc., localizados no artigo 6º da Constituição Federal. Outra coisa, bastante diversa, é a realidade deplorável quando comparada ao estado de dever emanado da Constituição, a desvirtuação do mundo material atinge sobremaneira o modelo ideal que não é possível sequer observá-lo na prática, restando apenas simulacros de sua idealização. Tais simulacros, por sua vez, possuem um relevante papel em benefício do poder, mantendo a situação de conformação social face à naturalizada violência simbólica exercida constantemente.

Se preferirmos, em termos de política aristotélica, podemos concluir, confrontando as formas puras e pervertidas de governo, que a democracia brasileira se perverteu em demagogia.

Dado interessante e que demonstra a falência do sistema democrático brasileiro é a pesquisa recente, divulgada pela BBC, que demonstra a crescente popularidade do juiz Sergio Moro e a elevadíssima rejeição de membros da classe política, entre eles o atual presidente Michel Temer, cuja rejeição beira os 80%[3].

Do ponto de vista da democracia, a situação é curiosa. O povo, detentor do poder, escolhe diretamente representantes para exercer o poder em seu nome. Porém, o próprio povo não se sente representado por aqueles que escolhe para tanto.

Por outro lado, o povo se sente representado por um sujeito que nem sequer escolheu para exercer o poder, no caso, um juiz que prestara um concurso público de provas e títulos.

A situação demonstra a crise de legitimidade do sistema democrático brasileiro, não existindo mais identidade entre povo e governantes — elementos imprescindíveis ao Estado.

A necessidade de uma profunda reforma política no Brasil é premente e evidente. No entanto, é nítido, também, que qualquer reforma introduzida pelo governo posto e, dentro do sistema existente, não passará de mais um simulacro, por meio do qual, para o poder, por vezes é interessante “mudar as coisas para manter tudo justamente como está”[4].

Recorrendo agora à teoria dos sistemas, sabemos que qualquer sistema possui a tendência de autopreservação, isto é, possui mecanismos para preservar o seu núcleo, permitindo apenas alterações pontuais por meio das quais se adapta, alterando sua aparência, mas não a sua essência.

Isso significa que uma reforma política sob a égide do poder atual não conduzirá a qualquer alteração significativa do sistema, uma vez que seu núcleo restará preservado. Para que haja qualquer mudança efetiva é necessária a destruição do núcleo sistêmico atual, para que a partir daí surja um novo sistema.

Um novo sistema solucionaria as coisas para o Brasil? Particularmente, penso que não. O problema é mais profundo e remete à essência da natureza humana em sociedade. A corrupção do poder não é fenômeno inédito, bastando leituras advindas da antiguidade clássica para vermos o quão atual ainda permanecem.

Nesse sentido, sugiro a leitura da apologia de Sócrates de Platão, onde se retrata a corrupção da democracia ateniense, que culminara na condenação à morte de Sócrates, fazendo com que, a partir daí, Platão tenha se tornado um dos maiores críticos do modelo democrático ateniense. A apologia de Sócrates permanece extremamente atual.

Existem obras que retratam seu momento histórico e, passado tal momento, ficam no passado. Outras, contudo, por retratarem o âmago da essência humana e suas vaidades, permanecem atual ao longo dos milênios. Esse, sem dúvida, é o caso da apologia de Sócrates.

Por fim, nãos sabemos — e sequer objetivamos concluir — se um novo modelo tornaria o poder novamente legítimo no Brasil. Contudo, podemos concluir que o poder posto, além de demagógico, jamais se autodestruirá através dos recursos fornecidos pelo próprio sistema, a exemplo do direito de voto, de modo que alterará somente sua aparência, porém manterá sua essência, mantendo o cenário a que nós, brasileiros, já estamos acostumados a nos submeter.

Não nos iludamos, portanto, com promessas de reforma política por parte do governo posto, vez que o resultado será apenas mais um simulacro destinado a manter as coisas como estão por mais um bom tempo. Ao contrário, parece-me que tal ruptura deve ser externa ao sistema existente. De onde deve vir tal ruptura? Tal ruptura alteraria a ordem das coisas ou, como na revolução dos bichos de Orwell, ao final, não poderemos distinguir entre o homem e o porco? Impossível concluir, porém me satisfaço deixando a indagação.

[1] Dado constante da seguinte matéria: http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/09/carga-tributaria-sobe-para-3266-do-pib-em-2015-diz-receita-federal.html

[2] http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-e-o-60-colocado-em-ranking-mundial-de-educacao,1686720

[3] http://www.bbc.com/portuguese/brasil-39075521

[4] Referência a conhecida frase de Don Fabrício Cordera, personagem de Giuseppe Tomasi di Lampedusa na obra O Leopardo.

ImprimirEnviar1400

Topo da página

Roberto Beijato Junior é advogado, mestre e doutorando em Filosofia do Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e coordenador e professor do curso de Direito da Faculdade Escola Paulista de Direito (EPD).

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br