Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Critique a si mesmo, mas não fique desesperado com isso.
Epicteto
09/04/2018

Com Temer, renasceu a anarquia militar

A nota do general Villas Bôas expôs o pior legado da breve Presidência de Michel Temer

O juiz Sergio Moro mandou levar Lula à cadeia.

Releia o que disse o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, na terça-feira:

“Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais.”

Essa frase é um retumbante truísmo. Ela pesa, e muito, pela ocasião: a véspera do julgamento do habeas corpus de Lula pelo Supremo Tribunal. Basta fazer um exercício: se o general dissesse a mesma coisa amanhã, o innuendo permitiria supor que estivesse falando da Operação Skala, que colocou na cadeia amigos de Michel Temer.

Falar por meio de elipses é um conhecido recurso da retórica de militares que se metem em política. Em 1955, depois de depor dois presidentes (Café Filho e Carlos Luz), o ministro-general Henrique Lott disse que pretendeu “garantir a volta aos quadros constitucionais vigentes”. Quem souber o que isso quer dizer, ganha um fim de semana em Caracas.

A nota do general Villas Bôas expôs o pior legado da breve Presidência de Michel Temer. Ele replantou a semente da anarquia militar, adormecida desde o fim do século passado.

Em 2015, no governo de Dilma Rousseff, o general Hamilton Mourão condenou “a maioria dos políticos de hoje” e pediu um “despertar para a luta patriótica”. Foi exonerado do comando das tropas do Sul por Villas Bôas e nada aconteceu. Em setembro passado o mesmo general fez uma conferência escalafobética e nada lhe aconteceu.

Meses depois, numa “jogada de mestre”, Temer militarizou a questão da Segurança do Rio, para conforto do governador Pezão e do PMDB do estado.

Nunca é demais repetir a classificação feita pelo presidente Castelo Branco, um general que falava claro: “Vivandeiras alvoroçadas, vêm aos bivaques bulir com os granadeiros e provocar extravagâncias do Poder Militar.”

Uma viagem a 1962, e uma aula de disciplina

Em 1962 o Brasil estava dividido. Um ano antes a indisciplina dos três ministros militares levara o país à beira de uma guerra civil, e João Goulart presidia um regime parlamentarista, dedicando-se a desmanchá-lo por meio de um plebiscito que restabeleceria o presidencialismo.

O Congresso remanchava, e em setembro o comandante das tropas do Sul, general Jair Dantas Ribeiro, colocou seus quartéis em regime de prontidão e enviou um telegrama ao ministro dizendo que “me encontro sem condições para assumir com êxito e segurança a responsabilidade do cumprimento de tais missões, se o povo se insurgir pela circunstância de o Congresso recusar o plebiscito”. No melhor estilo do “digo-mas-não-digo”, acrescentou: “A presente explanação não é uma ameaça, nem uma imposição, mas apenas uma advertência”.

No mesmo dia, o comandante da guarnição do Paraná mandou-lhe um telegrama: “Informo V. Ex.ª reina completa calma território esta Região Militar. Providenciada ordem prontidão.” Xeque.

Meses depois Jair Dantas foi nomeado ministro e foi à forra com o general do Paraná, mandando-o para o último canil do Exército, a diretoria da Reserva.

O general do Paraná chamava-se Ernesto Geisel, não assinava manifesto contra o governo (“indisciplina”) , nem a favor (“chefe não pode receber solidariedade de subordinado”).

No dia 31 de março de 1964 deu-se o levante contra Goulart. Jair era ministro e estava hospitalizado. No dia seguinte telefonou a Goulart, abandonando-o.

Geisel tornou-se chefe da Casa Militar do novo governo e, em 1974, assumiu a Presidência da República. Nunca assinou manifestos e restabeleceu o primado da Presidência da República sobre as Forças Armadas.

Anauê

O general Cristiano Pinto Sampaio, comandante da 16ª Brigada de Infantaria de Selva, incorporou-se à tropa de tuiteiros que se solidarizaram com o comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas. Ele escreveu o seguinte:

“Como disse o consagrado historiador Gustavo Barroso: ‘Todos nós passamos. O Brasil fica. Todos nós desaparecemos. O Brasil fica. O Brasil é eterno. E o Exército deve ser o guardião vigilante da eternidade do Brasil.’ Sempre prontos Comandante!!”

Gustavo Barroso (1888-1957) foi um historiador fluvial, autor de 76 livros. Escreveu uma “História militar do Brasil” empolgada e medíocre. Foi um grande diretor do Museu Histórico Nacional e consagrou-se como o expoente do antissemitismo no movimento integralista brasileiro.

Não era antissemitismo de salão. Ele escreveu coisas assim: “O Brasil não passa de uma colônia de judeus ferozes, que são misteriosamente auxiliados nas suas negociatas e empreitadas por individualidades das altas esferas nacionais”. Ele viu num revoltoso do Império uma “inegável fisionomia judaica”.

Barroso traduziu os “Protocolos dos sábios do Sião”, uma fraude que narrava o controle do mundo pelos judeus. Parte de seus textos antissemitas foram escritos depois de 1937, quando os nazistas depredaram lojas de judeus e destruíram sinagogas.

Os integralistas saudavam-se com o grito de “Anauê”, tiveram bons apoios nos quartéis e tentaram um golpe, em 1938. Foram repelidos pelo ministro da Guerra, o general Eurico Dutra, que tomou um tiro na orelha.

Não se conhece o grau de familiaridade do general Pinto Sampaio com a obra de Barroso.

Merval e Lula

Muita gente não gostou, mas Merval Pereira estava certo quando disse que Lula estava mais perto da cadeia do que do Planalto.

O primeiro

Tornou-se comum a afirmação de que Lula é o primeiro ex-presidente mandado para a cadeia ao fim de um processo criminal. A palavra “primeiro” tem um significado histórico maior. Depois do primeiro, poderá haver o segundo, o terceiro, e assim por diante.

O supremo Gilmar

Durante a sessão do Supremo Tribunal Federal, o ministro Gilmar disse que os 88 dias anuais de férias do Judiciário precisam acabar. Terminou seu voto e foi para o aeroporto a tempo de pegar o voo das cinco para Lisboa.

Gilmar não participou dos debates, que muitas vezes discutiam suas opiniões, porque tinha mais o que fazer, fora do serviço.

O arquivo de Rosa

A ministra Rosa Weber pode fazer um favor à História do Brasil. Deve preservar todos os rascunhos de seu voto negando o habeas corpus a Lula. Eles poderão mostrar que sua decisão já estava tomada antes da mobilização de generais pelo Twitter.

O ‘exército’ do MST

O “exército” do MST começou a fechar estradas na sexta-feira. Bloquear rodovias é um truque e um crime. É truque porque bastam poucas dezenas de militantes para provocar o transtorno. E crime porque se destina a prejudicar a vida de quem nada tem a ver com a história. Para prender os militantes do “exército” de João Pedro Stédile não serão necessárias proclamações eletrônicas.

O leitor esclarece

O ministro Carlos Marun informa que jamais disse que a procuradora-geral Raquel Dodge poderia “dar uma de maluca” denunciando Michel Temer pelo caso do Porto de Santos.

Fonte: Coluna Elio Gaspari - O Globo
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br