Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Uma pessoa realmente bondosa não pode ser rica. Uma pessoa rica, sem dúvida, não é bondosa
Provérbio chinês
02/04/2018

Reforma Trabalhista: salário; remuneração por produtividade; e contratações precárias na nova lei la

Na série desta segunda-feira (2), de perguntas e respostas sobre a Reforma Trabalhista responderemos sobre o que é considerado salário, na nova lei, a renumeração por produtividade, que pode ser inferior ao mínimo, e, ainda, sobre novas modalidades de contratações precárias.

reforma trabalhista clt mp808

A Reforma Trabalhista, configurada na Lei 13.467/17, determina que “integram o salário apenas a importância fixa, as gratificações legais e as comissões pagas pelo empregador, excluindo-se as diárias, os prêmios e abonos como parcela salarial.”

A Lei 13.467 diz também que a remuneração por produtividade pode ser menor que o salário. Essa possibilidade está prevista no inciso IX, do artigo 611-A da “nova CLT”.

E sobre as contratações precárias há novas formas, pela nova lei, de “formalização” das relações laborais.

As perguntas e respostas estão na Cartilha “Reforma Trabalhista e seus reflexos sobre os trabalhadores e suas entidades representativas” produzida pelo DIAP para contribuir com o debate e enfrentamento da lei regressiva e restritiva aos direitos dos trabalhadores.

Leia também:

Reforma Trabalhista: intervalo intrajornada e férias parceladas; veja como ficaram

Reforma Trabalhista: direitos dos terceirizados; e tempo in itinere (hora extra) na Lei 13.467

Reforma Trabalhista: contratos precários; dano moral; e terceirização, como ficam

Reforma Trabalhista: PDV/PDI; conceito de grupo econômico; e estrutura jurídica de empresa, entenda

Reforma Trabalhista: Justiça laboral vulnerada; e sindicatos enfraquecidos

Reforma Trabalhista: vigência das convenções e acordos; sem ultratividade

Reforma Trabalhista: nova lei permite negociação individual, sem mediação do sindicato

Reforma Trabalhista: vários direitos não podem ser reduzidos ou suprimidos via acordo

Reforma Trabalhista: respostas sobre o alcance e abrangência da lei; e inovações em relação ao projeto original

Reforma Trabalhista: a lógica da lei é de precarização das relações laborais

Reforma Trabalhista: qual seu objetivo; as fontes do Direito; e o que muda com a lei

Reforma Trabalhista: outras 3 perguntas e respostas; começando do início

Situação das grávidas e lactantes, representação na empresa e abrangência da lei, segunda a MP, no contexto da Reforma Trabalhista

Reforma Trabalhista: mais 3 perguntas; salário, intermitente e autônomo exclusivo

Precisamos falar da Reforma Trabalhista: mais 3 perguntas

Vamos falar sobre a Reforma Trabalhista, com perguntas e respostas

1) O que é considerado como salário na nova lei trabalhista?

Antes da “Reforma”, a legislação determinava que as diárias e as ajudas de custo, quando excediam 50% do salário, seriam consideradas salário, enquanto os abonos, que tinham caráter remuneratório, deveriam ser somados para todos os fins, especialmente para efeito de encargos trabalhistas, FGTS e contribuições sociais.

Com a nova redação dada pela Lei 13.467/17, integram o salário apenas a importância fixa, as gratificações legais e as comissões pagas pelo empregador, excluindo-se as diárias, os prêmios e abonos como parcela salarial. Assim, mesmo as parcelas habituais, como ajuda de custo, auxílio-alimentação, diárias para viagem, prêmios e abonos não integram mais a remuneração do empregado, não podendo ser incorporadas ao contrato de trabalho nem se constituírem em base de incidência de qualquer encargo trabalhista e previdenciário.

A MP 808 estabelece que a ajuda de custo, ainda que paga habitualmente, limitada a 50% da remuneração mensal, o auxílio-alimentação, as diárias para viagem e os prêmios não integram a remuneração do empregado, não se incorporam ao contrato de trabalho e não constituem base de incidência de encargo trabalhista e previdenciário (art. 457, §2º). Além disso, incide imposto de renda sobre a remuneração e as gorjetas que venha a receber o empregado, conforme o artigo 457, §23.

2) E a remuneração por produtividade, pode ser menor que o salário mínimo?

Sim. A remuneração do trabalhador dependerá do arranjo estabelecido em acordo ou convenção coletiva de trabalho, podendo desobrigar o empregador de pagar o salário mínimo ou fixado em lei. Essa modalidade de remuneração afeta, entre outros, os vendedores que são, em grande medida, remunerados de acordo com o volume de vendas.

Essa possibilidade está prevista no inciso IX, do artigo 611-A da CLT, segundo o qual: “remuneração por produtividade, incluídas as gorjetas percebidas pelo empregado, e remuneração por desempenho individual”, pode ser objeto da negociação coletiva.

O texto contraria o inciso VII, do artigo 7º da Constituição, que estabelece a “garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que percebem remuneração variável”.

3) A lei trabalhista prevê novas modalidades de contratação precárias? Quais?

Sim, especialmente o chamado trabalho intermitente, o autônomo exclusivo e o teletrabalho por meio de “tarefas”, sem vinculação com a duração do trabalho.

Fonte: Diap
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br