Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Saibam elas ou não, todas as criatura são inseparavelmente ligadas.
Leon Tolstoi
09/03/2018

Trabalho escravo e dívidas: chefe do

É bastante provável que você tenha conhecido o Vero nas últimas semanas. Foi nesse período que ele foi de um app obscuro lançado em 2015 para um sucesso que já ultrapassa a marca dos 3 milhões de downloads em versões para Android e iOS. A razão para isso é que ele faz, basicamente, o que o Instagram fazia há pouco tempo: ele dá acesso a uma rede social para a publicação de fotos e vídeos, sem propagandas e com as postagens organizadas de forma cronológica.

Juntamente com a fama - o Vero foi apelidado de "novo Instagram" - também vieram as polêmicas. Inicialmente pela qualidade do serviço em si, uma vez que o grande volume de usuários se mostrou além do que o servidor do Vero era capaz de aguentar. As maiores controvérsias, no entanto, dizem respeito a Ayman Hariri, fundador e CEO da rede social. Passado nebuloso Com 39 anos, Hariri é um bilionário libanês que mora em Riad, na Arábia Saudita, e tem como hobby colecionar gibis, sendo dono de um dos maiores acervos do mundo. Ele é filho de Rafic Hariri, que foi ex-primeiro ministro do Líbano entre 1992 e 1998 e, depois, entre 2000 e 2004. Apesar de ajudar a reconstruir o país após 15 anos de guerra civil, ele esteve envolvido em suspeitas de corrupção e enriquecimento ilícito, além de proibir manifestações populares no país.

Rafic Hariri acabou morto em um atentado terrorista em 2005, cuja responsabilidade recaiu sobre o grupo extremista Hezbollah. As controvérsias sobre Ayman Hariri vão muito além do histórico de seu pai. Antes de se aventurar na criação de uma rede social, ele foi presidente executivo e diretor executivo da Saudi Oger, uma das maiores construtoras da Arábia Saudita e que havia sido fundada pelo seu pai em 1978. A empresa, que fechou as portas em 2017 devido a erros administrativos, queda no preço do petróleo e envolvimento em casos de corrupção, também foi acusada de trabalho escravo.

Ao fechar as portas, de acordo com reportagem da Bloomberg em setembro do ano passado, a empresa deixou milhares de funcionários sem pagamento e dívidas de US$ 3,5 milhões. Além disso, parte desses trabalhadores são imigrantes que viviam em alojamentos e dependiam do trabalho para manterem seus vistos de permanência. Com o fechamento da empresa, eles foram deixados sem comida, água e tratamento médico, em alojamentos infestados por baratas. Ao comentar esse tema, Hariri afirmou ao site The Verge que deixou a empresa antes do seu fechamento, em 2014, e que tudo isso aconteceu após sua saída. Além das questões envolvendo sua ex-empresa, Hariri também viu outra polêmica envolvendo sua criação: o fato do Vero ter diversos desenvolvedores de origem russa. O que poderia ser apenas um detalhe acabou por acender um alerta, especialmente após as suspeitas de que a Rússia teria usado redes sociais para manipular o resultado das eleições norte-americanas de 2016.

Por meio de um perfil na rede social, a equipe do app afirmou que estava ciente de que havia algumas informações duvidosas nos Termos de Uso do aplicativo e que isso seria esclarecido em breve.  Para completar, a hashtag #DeleteVero (https://twitter.com/hashtag/DeleteVero? src=hash) emergiu no Twitter após pessoas descontentes com esses "detalhes" sobre Hariri e o aplicativo tentarem deletar suas contas e encontrarem dificuldades - é preciso mandar um pedido para os desenvolvedores e não há um prazo definido para que isso aconteça. Resta agora saber se o aplicativo continuará a fazer sucesso como uma alternativa ao Instagram ou se acabará engolido em meio a tantas polêmicas.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br