Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A dúvida é o começo da sabedoria.
Aristóteles
09/02/2018

‘Pejotização’ acentua desigualdade de renda no Brasil

Ana Luíza Matos de Oliveira

Segundo um estudo do pesquisador Fábio Castro, que busca contribuir com a compreensão dos mecanismos do Imposto de Renda de Pessoa Física e sua influência sobre as desigualdades no Brasil, um fator que gera distorções é a categoria de rendimentos isentos ou não-tributáveis no Imposto de Renda de Pessoa Física. Esta cresceu 154% entre 2003 e 2012: de R$ 221 bilhões para R$ 562 bilhões. No mesmo período, os rendimentos tributáveis cresceram bem menos, em torno de 86%.

Uma vertente de rendimentos isenta de Imposto de Renda de Pessoa Física bastante considerável são os lucros e dividendos, que cresceram de R$ 83,8 bilhões em 2006 para R$ 207,6 bilhões em 2012, mantendo-se estável em torno de 36% do total de rendimentos isentos e não-tributáveis nesse período.

Castro aponta ainda que desde que foi aprovada legislação que isenta a distribuição dos lucros (art. 10 da Lei 9249/95), houve uma migração de profissionais da tributação como pessoa física para a tributação como pessoa jurídica, a fim de pagar menos impostos, com a chamada “pejotização”. Esse fenômeno pode ter se ampliado nos anos 2000, mascarando a composição da renda: a renda do trabalho passa a se disfarçar em renda do capital, pois proveniente de lucros e dividendos.

Por outro lado, os resultados de Fábio Castro podem dialogar com os do pesquisador Thomas Piketty, pois o último mostra que tem sido uma tendência mundial que rendas da propriedade (como os lucros e dividendos) cresçam mais rápido que o PIB ou que o resto das outras formas de geração de riqueza e ampliaria das desigualdades.

O autor, no entanto, usando dados da Receita Federal, mostra que o Índice de Gini da Renda caiu de 2006 a 2012, enquanto o Índice de Gini da Riqueza (mais alto em patamar que o da renda) também caiu no mesmo período. No entanto, ambos os índices continuam altíssimos, o que confirma que a sociedade brasileira tem “profundo grau de desigualdade”.

Fonte: Fundação Perseu Abramo
 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br