Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

É claro que meus filhos terão computadores, mas, antes disso, terão livros.
Bill Gates
09/02/2018

‘Pejotização’ acentua desigualdade de renda no Brasil

Ana Luíza Matos de Oliveira

Segundo um estudo do pesquisador Fábio Castro, que busca contribuir com a compreensão dos mecanismos do Imposto de Renda de Pessoa Física e sua influência sobre as desigualdades no Brasil, um fator que gera distorções é a categoria de rendimentos isentos ou não-tributáveis no Imposto de Renda de Pessoa Física. Esta cresceu 154% entre 2003 e 2012: de R$ 221 bilhões para R$ 562 bilhões. No mesmo período, os rendimentos tributáveis cresceram bem menos, em torno de 86%.

Uma vertente de rendimentos isenta de Imposto de Renda de Pessoa Física bastante considerável são os lucros e dividendos, que cresceram de R$ 83,8 bilhões em 2006 para R$ 207,6 bilhões em 2012, mantendo-se estável em torno de 36% do total de rendimentos isentos e não-tributáveis nesse período.

Castro aponta ainda que desde que foi aprovada legislação que isenta a distribuição dos lucros (art. 10 da Lei 9249/95), houve uma migração de profissionais da tributação como pessoa física para a tributação como pessoa jurídica, a fim de pagar menos impostos, com a chamada “pejotização”. Esse fenômeno pode ter se ampliado nos anos 2000, mascarando a composição da renda: a renda do trabalho passa a se disfarçar em renda do capital, pois proveniente de lucros e dividendos.

Por outro lado, os resultados de Fábio Castro podem dialogar com os do pesquisador Thomas Piketty, pois o último mostra que tem sido uma tendência mundial que rendas da propriedade (como os lucros e dividendos) cresçam mais rápido que o PIB ou que o resto das outras formas de geração de riqueza e ampliaria das desigualdades.

O autor, no entanto, usando dados da Receita Federal, mostra que o Índice de Gini da Renda caiu de 2006 a 2012, enquanto o Índice de Gini da Riqueza (mais alto em patamar que o da renda) também caiu no mesmo período. No entanto, ambos os índices continuam altíssimos, o que confirma que a sociedade brasileira tem “profundo grau de desigualdade”.

Fonte: Fundação Perseu Abramo
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br