Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

É claro que meus filhos terão computadores, mas, antes disso, terão livros.
Bill Gates
08/02/2018

Maia diz que 'limite' da Previdência é fevereiro

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse em entrevista à GloboNews que o limite para votar a reforma da Previdência é fevereiro e chamou à responsabilidade os governadores e os prefeitos para conseguir votos pela proposta.

Maia afirmou que, se a articulação com governadores resultar em cerca de 300 votos na semana do dia 20 de fevereiro, data marcada para a votação, a previdência vai a plenário.

“ Se no dia 20 a gente tiver conseguido caminhar a articulação com governadores e estivermos próximos dos 300 votos, é dia 20, 21, 22. O importante é aprovar a Previdência. Agora, claro que não dá para passar muito tempo disso. Não podemos ficar parado com esta agenda, até porque temos outras importantes para o ajuste fiscal. Mais cinco dias, o limite é este. O limite é fevereiro com certeza. Começar dia 20”, afirmou Maia.

Maia disse que não vai entrar no “jogo de empurra” com o Palácio do Planalto em relação à responsabilidade pela eventual derrota - ou a não votação da Previdência. O presidente Michel Temer disse, recentemente, que o governo “já fez a sua parte” pela Previdência, o que irritou o presidente da Câmara. Para Maia, a declaração soou como uma tentativa de o governo jogar a responsabilidade para o Congresso sobre a Previdência.

Perguntado pela reportagem como fica a sua liderança diante da declaração de Temer, Maia respondeu:

“Não estou neste jogo de empurrar a responsabilidade. Não estou preocupado em quem é culpado, quem não é culpado. Depois da denúncia [contra Temer, em 2017], a base caiu. Eu estou preocupado em construir o caminho para aprovar a Previdência. Uma reforma dessas vai gerar milhões de empregos. É irrelevante para mim quem é culpado e quem não é. Eu vou trabalhar até o ultimo dia, estamos tentando construir uma nova base para votar a Previdência.”

Maia afirmou também que o governo precisa criar uma “nova base” para aprovar a reforma da Previdência. Daí a necessidade da ajuda dos governadores, que podem trabalhar votos junto a deputados de seus estados.

“O governo tem 250 votos. Faltam 70 votos, como construímos uma nova base? Estou construindo... Atrair prefeito e governador, mas não é só pedindo ajuda, mas, sim, uma pauta conjunta, Porque a previdência ajuda muito os governadores. Aliás, mais do que a União. Os governadores têm interesse na votação da securitização de suas dívidas, têm interesse em discutir um formato de um fundo da previdência dos estados fora dos orçamentos dos estados. É um caminho, desde que a gente não onere a União. Acho que tem condição de o parlamento construir com governadores e prefeitos uma agenda, uma pauta que trate deste campo: do campo das despesas”.

Maia disse que fez nesta terça-feira uma longa reunião com líderes da base do governo para discutir o assunto. “Disse a eles que está na hora de a gente trabalhar para valer, sair da zona de conforto, de ficar olhando lista e ir para o campo. Todo mundo concordou que precisamos construir uma agenda em conjunto com os governadores para sair dos 250 votos e chegar aos 320 votos. Sozinha, a base do governo não tem”.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br