Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

É claro que meus filhos terão computadores, mas, antes disso, terão livros.
Bill Gates
01/02/2018

Governo colocará no Orçamento despesas com reajuste de servidores

Diminuir fonte Aumentar fonte

MARIANA CARNEIRO

DE BRASÍLIA

O governo vai incluir nas despesas previstas para este ano os gastos com o reajuste dos servidores federais.

O governo previa economizar R$ 4,4 bilhões com o adiamento dos reajustes para 2019.

No entanto, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF),barrou a iniciativa e o reajuste está valendo por força de liminar. O primeiro pagamento será feito em fevereiro – relativo ao salário de janeiro.

Cálculos refeitos pelo Ministério do Planejamento indicavam, nesta quarta-feira (31), que a volta desses reajustes ao Orçamento provocará uma despesa R$ 5,6 bilhões ao governo federal neste ano.

O ministério informou, por meio de nota, que segue tentando derrubar a liminar e que, por obrigação legal, tem que considerar a despesa nas projeções de 2018 até que haja a decisão definitiva do STF.?

Esse aumento de gastos, além de despesas extras com a política de desoneração da folha de pagamentos – também fora da previsão orçamentária – levaram técnicos do governo a avaliar um cancelamento de despesas de R$ 5 bilhões a R$ 8 bilhões.

Os números estão passando por escrutínio e deverão ser fechados na sexta-feira (2).

O cancelamento será necessário, afirmam fontes do governo, apesar da economia com outras despesas, como com previdência, abono salarial e seguro-desemprego.

Conforme mostrou a Folha, com um reajuste menor do salário mínimo e com uma inflação mais baixa do que o esperado, o governo estima economizar cerca de R$ 7 bilhões neste ano em despesas obrigatórias.

Ainda assim, no conjunto, as despesas previstas estão maiores do que o teto de gastos deste ano, de R$ 1,348 trilhão, afirmam essas mesmas fontes.

No Ministério da Fazenda, a principal preocupação são as receitas, que podem ser insuficientes para cobrir todas as despesas do teto de gastos.

Embora a economia esteja se recuperando, o que ajuda na arrecadação de impostos, há riscos no horizonte.

Sem a aprovação a tempo da tributação sobre fundos exclusivos – o que geraria R$ 6 bilhões – e sem a reoneração da folha de pagamentos, até agora sem avançar no Congresso, o governo pode ter uma frustração de R$ 14 bilhões.

Por isso, poderá haver um bloqueio temporário de despesas. Os estudos atuais variam de uma necessidade zero de congelamento até o bloqueio de R$ 3 bilhões.

Em uma outra frente, a ideia é bloquear mais R$ 12 bilhões em despesas e condicioná-las à privatização da Eletrobrás.

A ideia é fazer uma espécie de reserva financeira para o caso de a privatização não ser concluída e esses R$ 12 bilhões não entrarem no caixa.

Dessa forma, o bloqueio poderá somar R$ 15 bilhões, à espera de certezas no campo das receitas.

Fonte: UOL
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br