Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

É claro que meus filhos terão computadores, mas, antes disso, terão livros.
Bill Gates
01/02/2018

Informalidade vira o novo normal na economia brasileira

Os sem carteira somam 34,2 milhões, número acima dos que usufruem da CLT

Carteira de trabalho e previdência social. Ministério do Trabalho e Emprego - Gabriel Cabral/Folhapress

1.fev.2018 às 1h00

EDIÇÃO IMPRESSA

Diminuir fonte Aumentar fonte

RIO DE JANEIRO

O ano de 2017 foi marcado pela redução do desemprego. Após dois anos de fechamento de vagas em razão da crise, o país voltou a abrir novos postos, porém, com uma característica: a informalidade.

Segundo a Pnad Contínua, pesquisa oficial de emprego do IBGE, de abrangência nacional, o país gerou 1,8 milhão de novos postos no ano passado. Esses postos, contudo, são sem carteira assinada ou para trabalhos por conta própria, vagas de menor e menor salário.

A soma dos trabalhadores sem carteira (11,1 milhões) e por conta própria (23,1 milhões) superam em quase 1 milhão o contingente com carteira assinada (33,3 milhões). Os postos com carteira reduziram em 685 mil, enquanto conta própria cresceram em 1,07 milhão e sem carteira, 598 mil.

Para o governo, que comemora a redução dos índices de desemprego, também não é bom negócio, já que tanto o trabalhador informal quanto o empregador que contrata nessa modalidade não recolhem os impostos obrigatórios. Somente em 2017, por exemplo, 1,09 milhão de ocupados deixaram de contribuir para a Previdência Social.

Segundo quatro economistas ouvidos pela Folha, porém, a informalidade atual não é necessariamente ruim quando substitui o desemprego pura e simplesmente. É melhor um emprego ruim a emprego nenhum, dizem.

"Não dá para dizer que houve piora no emprego justamente porque a informalidade veio para substituir o desemprego", disse o professor de economia do Insper, Sérgio Firpo.

DESOCUPADOS

Ainda há no país 12,3 milhões de desocupados. A taxa de desemprego encerrou o último trimestre de 2017 em 11,8%, pequena queda sobre igual período de 2016 (12%). A taxa média para o ano foi de 12,7%, acima dos 12% de 2016. Isso ocorreu porque mais pessoas passaram a buscar colocação, o que pressiona a taxa para cima.

Mesmo com a expectativa de retomada mais consistente neste ano, não há garantia de que a formalização cresça a ponto de superar a geração de vagas informais, dizem os economistas. As empresas devem voltar a contratar empregados formais apenas quando observarem melhora sustentável nas suas receitas.

"Quem deve se beneficiar desse movimento são justamente os informais. Os que estão sem emprego tenderão a aceitar vagas informais que continuarão a serem oferecidas", explica o professor de Economia do Ibre/FGV, Fernando de Holanda Filho.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br