Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Olhando de longe, tudo é belo.
Tácito
22/01/2018

Eleição de 2018 marcará o fim de um ciclo iniciado em 1989

Eleição de 2018 marcará o fim de um ciclo iniciado em 1989, afirma Luís Costa Pinto

Veredito popular renova democracias

Da esquerda para a direita, os ex-presidentes Lula, Fernando Collor, FHC, José Sarney e Dilma RousseffRoberto Stuckert Filho/Presidência da República – 9.dez.2013

LUÍS COSTA PINTO

22.jan.2018 (segunda-feira) - 6h00

atualizado: 22.jan.2018 (segunda-feira) - 7h05

A FORÇA MODERNIZADORA DA VERDADE

Esta coluna se baseará em fatos reais e palpáveis até a noite do domingo, 21 de janeiro de 2018.

O senador e ex-presidente Fernando Collor (AL) lançou-se à Presidência da República pelo PTC, seu partido. Junta-se, assim, ao rol de pré-candidatos que já reúne Lula, Bolsonaro, Alckmin, Ciro, Marina, Rodrigo Maia, Manuela D’Ávila, João Amoêdo.

A pretensão de Collor é legítima e deve ser louvada.

Receba a newsletter do Poder360

todos os dias no seu e-mail

seu e-mail

OK

O ex-presidente exerce um mandato medíocre no Senado, por Alagoas. É réu em pelo menos 3 ações judiciais recheadas de provas. Mora na Casa da Dinda onde ocorreram 2 operações de busca e apreensão nos últimos anos.

Foi absolvido no Supremo Tribunal Federal de todas as imputações decorrentes da CPI do PC, de 1992, que levaram à cassação de seu mandato.

O sucesso da defesa de Collor se deu mais por falha da acusação formulada pelo Ministério Público do que por méritos de sua persona pública.

Collor tem mandato até 2022 e vai se submeter a um novo julgamento político – agora, nacional. Deve fazê-lo e será interessante seguir sua performance nesse conjunto de pretendentes à cadeira presidencial.

A eleição de 2018 será o marco de um fim de ciclo, como foi a de 1989, vencida pelo mesmo Fernando Collor.

De 1994 a 2014 só PSDB e PT se enfrentaram a sério nas urnas. Os tucanos venceram 2 vezes e os petistas, 4. Lula, pela força de sua ação política, fundou o lulismo. O movimento é maior e mais amplo que o PT.

O ex-presidente talvez nem tenha parado para refletir sobre sua obra, mas são evidentes e cristalinas as razões que conferiram tal dimensão ao lulismo: Lula sempre soube se conectar diretamente com a sociedade para explicar, à sua maneira, qual o sonho final de sua luta política.

O PT, não. Uma vez no poder, o partido se apequenou ante a dimensão histórica da missão que lhe cabia e jamais obteve sucesso no desafio de explicar para a sociedade por que faria concessões muitas vezes inaceitáveis à velha política e a tudo o que combatia para justificar um ou outro avanço (ou um outro retrocesso travestido de avanço).

Assim como Collor, o ex-presidente Lula pode e deve ter seu nome e sua obra submetidos ao escrutínio popular. Cada um deles terá seu público – de magnitudes diversas, mas ambos terão quem lhes defenda o legado na campanha.

Também processado – aliás, 1º homem a sentar na cadeira presidencial, mesmo que ilegitimamente, respondendo a processos abertos pela Procuradoria Geral da República – seria interessante que a Lula e Collor se juntasse Michel Temer, candidato à 1ª eleição executiva de sua vida. Por que não? Ilegítimo não seria, longe disso. E o veredito popular é, afinal, o que renova e refresca as democracias.

Nove meses nos separam do resultado das urnas de outubro – num pleito que evidentemente será decidido em 2 turnos. Busca-se o novo e o moderno. O novo, o moderno, é um único posicionamento: falar a verdade. Dialogar com a sociedade falando a verdade, por mais impactante que ela seja.

Não é razoável crer que o Brasil sairá da encruzilhada em que se encontra –política, econômica, moral, institucional– sem mirar seus problemas nos olhos e expor com sinceridade a agudeza das mazelas nacionais. O único foro legítimo para isso é a rua, reunida numa campanha política.

O único veredito válido e aceitável, após esse processo de expiação dos pecados de construção da transição nacional, é o veredito das urnas. Aproveitar momentos de comoção para driblar a política e tentar promover saídas alternativas e fora do leito democrático não é aceitável.

Confio profundamente na maturidade do país. Reafirmo pela enésima vez que não há saída fora da política. Chegou a hora de parar de tentar produzir alquimias a fim de distorcer o panorama político com mágicas destinadas a fazer sumir este ou aquele contendor.

Confrontada com a modernidade violenta da verdade ante os mercadores de ilusões a sociedade decidirá seu futuro. E não tenho dúvidas de que a decisão será a melhor possível –daí porque deve ser soberana.

À política, camaradas.

Fonte: Poder360
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br