Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A compaixão em relação aos animais é tão intimamente ligada à bondade que se pode em verdade dizer que ninguém é verdadeiramente bom se for cruel com os animais. A compaixão em relação aos animais vem da mesma fonte que a compaixão em relação às pessoas.
A. Schopenhauer
20/12/2017

Trabalho análogo à escravidão é flagrado em produção da grife Animale

Dez bolivianos foram resgatados nesta terça (19) de três oficinas de costuras em São Paulo e Osasco, cidade da região metropolitana da capital paulista, trabalhando em condições análogas à escravidão para as grifes Animale e a A. Brand, marcas do grupo Soma.

De acordo com o Ministério do Trabalho de São Paulo, eles recebiam cerca de R$ 5 por peças costuradas e faziam jornadas exaustivas em meio a condições degradantes. As mesmas roupas eram vendidas por R$ 698 nas lojas de luxo da Animale.

Trabalhavam das 7h às 21h, por vezes até as 22h, com intervalo de apenas uma hora e dormiam no mesmo lugar em que costuravam, um local repleto de baratas e outros insetos, em contato com instalações elétricas que apresentam risco de incêndio.

Segundo o coordenador da operação e integrante do Programa de Erradicação do Trabalho Escravo da SRT-SP, auditor-fiscal Luís Alexandre Faria, todos os elementos juntos configuram trabalho em condições análogas à escravidão, crime contra o trabalhador.

Os trabalhadores receberam R$ 102 mil em indenizações trabalhista e foram encaminhados ao Centro de Referência de Atendimento para Imigrantes da capital paulista.

OUTRO LADO

Em comunicado, a A.Brand e a Animale esclarecem que as marcas não compactuam com a utilização de mão de obra irregular em suas cadeias de produção.

"Todos os fornecedores assinam contratos em que se comprometem a cumprir a legislação trabalhista vigente e a não realizar a contratação de trabalhadores nessas condições", afirmou a companhia por meio de nota. "O caso em questão retrata um episódio isolado, no qual a fornecedora subcontratou os serviços sem o consentimento das marcas", afirma ainda.

As marcas dizem, ainda, que os valores pagos aos fornecedores diretos são exponencialmente superiores aos cinco reais relatados nos meios de comunicação e que realizaram "significativa ajuda humanitária aos profissionais", além de "tomarem as medidas necessárias para tornar ainda mais rigorosa a fiscalização de sua cadeia produtiva".

Fonte: Folha de S. Paulo
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br