Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Nossos pensamentos, conforme forem bons ou maus, podem nos conduzir ao paraíso ou ao inferno; isso não acontece nem no céu nem embaixo da terra, mas aqui, nessa vida.
Lucy Malory
07/12/2017

Planalto adia definição de data para votação da reforma da Previdência

Governo não tem votos necessários

É preciso ter 308 votos para aprovar

Maia, DEM e PSDB cobram o governo

Michel Temer recebeu líderes governistas e presidentes de partidos aliados e ouviu sugestões cautelosas sobre reforma da PrevidênciaSérgio Lima/Poder360 - 6.dez.2017

GABRIEL HIRABAHASI

07.dez.2017 (quinta-feira) - 4h13

atualizado: 07.dez.2017 (quinta-feira) - 6h59

O Planalto adiou mais uma vez a decisão sobre marcar ou não para 2017 a votação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados.

O presidente Michel Temer recebeu no Palácio da Alvorada na noite desta 4ª feira (6.dez) líderes governistas e presidentes de partidos aliados ao Planalto.

O objetivo da reunião era que os representantes dos partidos apresentassem 1 panorama dos votos de cada bancada.

Receba a newsletter do Poder360

todos os dias no seu e-mail

seu e-mail

OK

Ao menos 2 dirigentes apresentaram a Temer uma posição cautelosa. O presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), disse que seria “complicado” votar a proposta ainda em 2017 na Câmara.

Chefe do PSD, o ministro Gilberto Kassab (Comunicações) disse que, apesar da bancada da sua legenda “ter avançado muito”, ainda seria arriscado colocar a reforma em votação. Sugeriu: “só colocar [em pauta para votação] quando o governo tiver certeza [de ter os votos necessários para aprovação]”.

Segundo relatos de presentes no encontro, Michel Temer fez 1 apelo aos aliados. “Com franqueza, se não tivermos como votar agora, não podemos ter a ilusão de votar em março por causa do calor das eleições”, disse, de acordo com os relatos.

O presidente também insistiu, em 1 outro momento, sobre qual seria a percepção que a Câmara passaria se deixasse de aprovar a reforma previdenciária. “Se não votar, vai ser visto como uma tentativa de manter os privilégios. Haverá 1 discurso muito uniforme para dizer por que não votou”, declarou.

O senador e líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que “se não votar neste ano na Câmara, a chance de a Câmara votar é zero”. O presidente do PMDB declarou que “a grande prova deste governo é a reforma da Previdência” e que seu partido punirá aqueles deputados que não seguirem a orientação da legenda de votar a favor da proposta.

CENTRÃO: PARTE DOS VOTOS

O PP foi o partido que apresentou os melhores números a Temer. Segundo o líder da bancada, deputado Arthur Lira (AL), são 33 deputados que já se manifestaram a favor e apenas 4 contrários. Outros 9 ainda estão incertos sobre a possibilidade de votarem com o governo.

O líder do PR, deputado José Rocha (BA), afirmou que há dificuldades em sua bancada, mas que o cenário tem melhorado. Declarou que Valdemar Costa Neto, cacique da legenda, tem atuado junto à bancada para tentar convencer os deputados a apoiar o governo. Hoje, são 20 deputados do PR a favor do texto do governo. A meta é chegar a 25.

Outro partido do Centrão, o PRB mostrou descontentamento com a proposta levantada em 1 jantar no domingo (3.dez) de 1 “pacto” para que os partidos não abrigassem deputados infiéis ao posicionamento pró-governo. O ministro Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços) disse, em uma reunião da bancada, que seus correligionários questionaram se isso seria de fato aplicado e se os governistas cumpririam o acordo.

MAIA, DEM E PSDB COBRAM GOVERNO

Representado pelo presidente interino da sigla, Alberto Goldman, o PSDB levou a Michel Temer a garantia de só cerca de metade dos votos. Segundo o tucano, o número já é maior do que era há alguns dias. São 24 deputados favoráveis de 1 total de 46. Mas Goldman insistiu: “Não dá para colocar em votação sem os votos necessários”.

O presidente do DEM, senador José Agripino (RN), afirmou que o partido não deverá orientar seus deputados a tomar 1 posicionamento a favor da reforma. Disse que o momento é de “franqueza, sinceridade e convencimento”. O líder do partido na Câmara, deputado Efraim Filho (PB), reclamou de demandas não cumpridas pelos ministros e disse que isso descontenta alguns deputados. “Não se pode culpar parlamentares pela Previdência quando eles já votaram a favor do governo no teto de gastos, na reforma trabalhista, nas denúncias”, disse.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do mesmo partido de Agripino e Efraim, se mostrou receoso. Questionou: “Por que estamos distantes dos 308 votos? Embora o discurso todo é como se estivesse a favor”. O deputado questionou os recentes resultados do governo em votações de medidas provisórias na Casa. “Na Câmara, estão preocupados por que o governo não tem tido ampla maioria de votos. Pergunta-se por que na Previdência vai melhorar isso?”.

Autores

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br