Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Mas há de vir o tempo em que os homens terão tanta repulsa pela carne de animais quanto tem agora pela carne humana
A.Lamartine
06/12/2017

Em defesa da Aposentadoria, reforma de Temer é alvo de protestos

Centrais e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo se reuniram na tarde desta terça-feira na Avenida Paulista. Para CTB, a construção da greve nacional é a saída para evitar o desmonte da PrevidênciaCentrais e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo se reuniram na tarde desta terça-feira na Avenida Paulista. Para CTB, a construção da greve nacional é a saída para evitar o desmonte da Previdência

Os movimentos sociais e as centrais sindicais ocuparam as ruas nesta terça-feira (5) contra a proposta de reforma da Previdência de Michel Temer. Foram realizados atos, paralisações de 24 horas, bloqueio de avenidas e rodovias, ocupação de prédios do INSS, marchas e protestos em aeroportos. O objetivo foi alertar a população para o que, sindicalistas e especialistas, consideram o maior ataque à Previdência Social.

De acordo com o balanço da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil ( CTB) pelo menos 15 estados com seções regionais da central realizaram atividades contra o desmonte da Previdência Social. Entre eles São Paulo, Rio de Janeiro, Sergipe, Bahia, Maranhão, Piauí, Amapá, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Pará, Minas Gerais, Distrito Federal, Roraima, Amazonas e Goiás.

As manifestações criticaram a lógica da reforma de Michel Temer que rebaixa o valor do benefício, aumenta os anos de contribuição e penaliza o trabalhador do serviço público. Pequenos municípios e estados que dependem da renda dos aposentados também serão prejudicados. É o caso de Roraima, o menor estado do país, com a estimativa de 522.636 habitantes, segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Por mês são injetados na economia local R$ 40,4 milhões correspondente a 41.451 assegurados.

Protestos de norte a sul

“No estado não temos indústrias. A economia gira em torno do serviço público, agricultores, aposentados e pensionistas. Com essa reforma, seremos um dos estados brasileiros mais afetados. Iremos regredir, não podemos aceitar essa destruição da Previdência,” ressaltou a presidenta da CTB-RR, Lucinalda Coelho.

Em Manaus, as centrais sindicais unidas saíram às ruas juntamente com os movimentos sociais. "Esta manifestação está levando nosso grito para toda a sociedade de que não aguentamos mais tanto retrocesso. Basta de acabar com os nossos direitos. Chega de entregar as riquezas nacionais para os estrangeiros", diz Isis Tavares, presidenta da CTB-AM.

No Rio Grande do Sul as centrais sindicais protestaram em frente a agência do INSS e no aeroporto. “Não podemos admitir que depois de aprovada a PEC 55 [que congelou por 20 anos os investimentos em saúde, segurança e educação] e uma reforma trabalhista que precariza as relações de trabalho e tira a dignidade do trabalhador, seja imposta uma idade mínima de 65 anos e 40 anos de contribuição que inviabiliza totalmente qualquer perspectiva de um dia o trabalhador comum se aposentar. Vamos desmascarar essa propaganda milionária que mentirosamente fala em combater privilégios, quando na verdade os grandes privilegiados como deputados, senadores, militares, estão excluídos da mesma. A resposta será a continuidade das mobilizações”, afirmou Guiomar Vidor, presidente da CTB-RS.

Em Salvador, o presidente da CTB-BA, Pascoal Carneiro, conclamou a sociedade a reagir a mais essa arbitrariedade e retrocesso do governo Temer. "Essa reforma é danosa, agrava ainda mais as desigualdades entre ricos e pobres, tira o direito de aposentadoria de milhões de trabalhadores, deforma a ideia de proteção e solidariedade do sistema previdenciário brasileiro”. Ele afirmou ainda que a CTB não vai recuar na luta por mais direitos. “Com a CTB, a luta é para valer. Se essa reforma seguir, se a roubalheira continuar, vamos fazer uma grande greve geral”.

A greve geral também foi defendida no ato na avenida Paulista, em São Paulo. De acordo com dirigentes da CTB e Central Única dos Trabalhadores o Brasil vai parar se a reforma for à votação no dia 13 de dezembro. "A unidade das centrais sindicais e dos movimento sociais e a mobilização popular são a única maneira de barrar a reforma da Previdência. É fundamental para que a gente lote as ruas e avenidas para não permitir de forma alguma a retirada de direitos históricos", convocou Ronaldo Leite, secretário de Formação da CTB.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br