Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Jamais culpe o seu próximo antes de ter estado em seu lugar.
O Talmude
05/12/2017

Trabalho infantil e desigualdade social envergonham a nação

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE, divulgados nesta quarta-feira (29) revelam a face trágica da desigualdade social, que inverteu a tendência de queda (mesmo pequena) ocorrida nos últimos anos e volta a crescer sob o governo do usurpador Michel Temer.

Os dados divulgados recolocam o Brasil na mesma escala socialmente iníqua de sempre, com contrastes de renda imensos, opondo as pessoas de renda alta e aquelas que ganham menos (os 10% de renda mais alta ficaram com 43,4% dos ganhos, muito acima dos 10% mais pobres, com apenas 0,8% do total). As diferenças são enormes entre homens e mulheres: elas ganham 23% menos do que eles – em média R$ 1.836, contra R$ 2.380.

Os dados repetem a mesma injustiça distributiva decorrente da cor da pele de cada um. As pessoas de pele clara têm renda média de R$ 2.810, cerca de 45% a mais do que a das pessoas de pele escura, cuja média é R$ 1.547 (negros) e R$ 1.524 (mestiços).

É o retrato tradicional e costumeiro da realidade social, que havia começado a ser arranhada nos governos democráticos e populares desde 2003, e agora voltam com força.

A face pior deste retorno é o trabalho de enorme número de crianças e adolescentes.

No Brasil existem 40,1 milhões de crianças e adolescentes, que têm entre 5 a 17 anos. Destes, 1,8 milhão trabalhavam; isto é, 4,6% do total. Entre eles, há cerca de 30 mil crianças pequenas, de 5 a 9 anos de idade (0,2% do total), contrariando a Constituição, que proíbe o trabalho nessa idade tenra. Há 160 mil crianças, de 10 a 13 anos (1,3% do total), e 430 mil que têm entre 14 a 15 anos (6,4% do total); isto é, são 620 mil crianças menores de 15 anos de idade que têm sua força de trabalho explorada, ao invés de estarem nas escolas, que é o lugar de criança. Se forem somados a eles o número de adolescentes de 16 a 17 anos que trabalham (cerca de 1,2 milhão), chega-se àquele número absurdo, que supera 1,8 milhão de pequenos submetidos à ganância do capital.

A imensa maioria destas crianças é – como se poderia prever – negra ou mestiça: são 64% no total.

Essa realidade insana é ainda pior. Os dados revelam que, entre as crianças menores (entre 5 e 13 anos de idade), somente 26% (isto é, 1 em cada 4!) têm salários – e a imensa maioria trabalha sem remuneração (74%). Isto é, o trabalho daquelas crianças, que estão nas regiões mais pobres, e estão principalmente na agricultura, serve para compor a oferta familiar de força de trabalho, mas não reforça a renda familiar.

Entre aqueles que são remunerados, o salário médio é R$ 514 – isto é, pouco mais de meio salário mínimo.

O Brasil é um pais extremamente desigual, sendo comum a afirmação de que, aqui, a pobreza tem gênero e cor. Os dados da Pnad acrescentam mais um aspecto a esta realidade iníqua: tem também idade. E pouca.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br