Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Minha religião é o amor a todos os seres vivos
Leon Tolstoi
21/11/2017

Diante dos ataques do governo aos servidores é hora de começar a debater: Que Serviço Público Querem

“É o maior ataque aos trabalhadores do setor público e da iniciativa privada e àqueles que dependem da prestação dos serviços públicos", afirmou o presidente do Fonacate, Rudinei Marques.

Com informações: Ascom/FONACATE

Publicado em 20/11/2017 às 18:33 | Atualizado em 20/11/2017 às 19:03

Nunca antes na história desse país fomos tão atacados”, sustentou o presidente da Anfip, Floriano de Sá Neto, durante audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal, com a temática: “Em defesa dos serviços públicos, contra o pacote de maldades”.

Durante os debates, realizados na tarde desta segunda-feira (20), Floriano disse ainda que as medidas anunciadas pelo governo (como a Medida Provisória 805/2017) vieram para diminuir a qualidade dos serviços públicos. “O cidadão é que vai sofrer quando começar a perceber que o serviço público no Brasil está sendo esfacelado.” O presidente da Anfip enfatizou que é hora de reagir ou o futuro será lamentar perdas de direitos conquistados com muita luta.

O presidente do Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) e do Unacon Sindical, Rudinei Marques, lembrou que os ataques do governo ao serviço público começaram já na edição da Emenda 95/2016, que engessa os gastos públicos por 20 anos. “É o maior ataque aos trabalhadores do setor público e da iniciativa privada e àqueles que dependem da prestação dos serviços públicos. Tivemos a EC do teto dos gastos, terceirização de atividades fim, que pode atingir inclusive as carreiras de Estado, a reforma trabalhista, e o governo quer retomar a reforma da Previdência. É um momento dramático dentro da conjunta política do país”, salientou Marques.

Rudinei aproveitou a ocasião para convocar todos os servidores públicos e a sociedade brasileira a apoiarem a mobilização do próximo dia 28 de novembro, a Marcha à Brasília, que reunirá diversos trabalhadores contra os pacotes de maldades anunciados pelo governo federal. “Daqui pra frente é unidade, força e luta até reverter toda essa série de ataques. Ou nos unimos ou seremos dizimados por esse governo.”

Ao falar sobre a reforma da Previdência, Marco Aurélio Gonsalves, diretor do Sinait, observou que o servidor público não é um privilegiado, uma vez que contribui com 11% do seu salário para o seu regime de previdência. “O servidor público paga pela sua aposentadoria. E o governo faz uma propaganda mentirosa e escandalosa sem explicar isso. Precisamos atuar contra o desmonte que esse governo está promovendo no país”, declarou.

Já Francelino Valença, diretor da Fenafisco, afirmou que “o governo está destruindo o meio (as carreiras) que combate a corrupção e a sonegação e transferindo os recursos para o mercado financeiro”. “Por que, ao invés de atacar os servidores e retirar direitos dos trabalhadores, o governo não ataca a sonegação fiscal que está num patamar de R$ 500 bi por ano?”, questionou Valença.

Além da Marcha à Brasília no dia 28 de novembro, as entidades que participaram da audiência pública na CDH também conclamaram os brasileiros a apoiarem uma Greve Geral no dia 6 de dezembro, data prevista para a votação da reforma da Previdência no plenário da Câmara dos Deputados.

Otimista, o senador Paulo Paim (PT/RS), que coordenou os debates, disse que não acredita que o governo federal consiga votar a reforma da Previdência ainda este ano. “Não tem como votar essa reforma em menos de dez dias. Ela precisa ser aprovada em dois turnos na Câmara e no Senado e isso é quase impossível.”

Paim disse ainda que em suas viagens pelo país tem acompanhado a indignação do povo contra as reformas trabalhista e da Previdência e, por fim, convocou as entidades representativas dos servidores públicos a intensificarem a campanha no Parlamento de “Se votar, não volta”. “2018 está logo aí. Não é possível que os parlamentares vão continuar retirando direitos históricos sem pensar que o eleitor vai levar isso em consideração no próximo ano. Tua arma é teu voto”, finalizou o senador.

Que Serviço Público Queremos? – O Fonacate também convida os servidores e a sociedade a participar do debate “Que serviço público queremos?”, que será realizado no próximo dia 27 de novembro, das 14h às 18h, no Auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados. O evento pretende enfrentar questões como: se queremos educação, saúde, segurança de qualidade, podemos, enquanto país, abdicar do projeto de contratar pessoas bem remuneradas, qualificadas e que não podem ser mandadas embora quando discordarem do político de ocasião? Como aumentar a qualidade e a quantidade dos serviços públicos prestados à população? Nosso serviço público é inchado?

Fonte: Fonacate
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br