Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Mas há de vir o tempo em que os homens terão tanta repulsa pela carne de animais quanto tem agora pela carne humana
A.Lamartine
20/11/2017

Texto da reforma trabalhista não deve ser aprovado integralmente, dizem deputados

Pouco conhecida na Câmara dos Deputados, onde será votada antes de seguir para o Senado, a medida provisória (MP) que altera pontos da reforma trabalhista terá uma tramitação difícil na Casa, principalmente no caso da jornada intermitente. A avaliação é de líderes da base governista e da oposição, que apontam o atual momento político como fator de impedimento para a aprovação de medidas tidas como impopulares. Ninguém aposta que o texto será aprovado integralmente.

- Acredito que há pontos que devem contar com a concordância da Câmara, mas não na sua integralidade - disse o líder do DEM, Efraim Filho (PB).

- Tudo hoje é difícil na Câmara. Nada tem tranquilidade para passar - confirmou Marcos Montes (MG), líder do PSD, partido ao qual é filiado o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

O líder do PMDB, Baleia Rossi (SP), ponderou que o assunto ainda não foi discutido na Câmara. Mas argumentou que, se for para melhorar o texto, não haverá problema na aprovação da MP.

A Câmara não participou da confecção da MP. A medida foi negociada entre Senado e Palácio do Planalto, para que senadores aprovassem a reforma tal qual havia passado pelos deputados, ou seja, sem mudanças. Tal procedimento irritou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que defendia projeto de lei.

TIRA-DÚVIDAS: Saiba que pontos foram alterados na MP da reforma trabalhista

SAIBA TAMBÉM: Em MP, governo cria quarentena de 18 meses para o trabalho interminente

Líder do PSB na Câmara, Júlio Delgado (PSB-MG) acredita que a MP prejudicou as discussões da reforma trabalhista. Porém, ele avalia que a medida será votada, ao contrário de outras propostas, como a reforma da Previdência.

Tira-dúvidas: entenda o que passa a valer com a nova legislação trabalhista

- A MP atende um pouco a questão das mulheres, mas a jornada intermitente é difícil de aceitar. Por fim, terá luta, mas eu acho que esta ainda pode ser votada. Outras reformas acho quase impossível.

Carlos Zarattini (SP), líder do PT, acredita que a MP piora a situação dos trabalhadores. E adianta que seu partido está disposto a apresentar emendas para mudar a medida provisória.

PUBLICIDADE

- Pretendemos fazer várias emendas para recuperar os direitos dos trabalhadores, principalmente dos intermitentes. Vamos tentar fazer com que o trabalhador intermitente receba um salário mínimo.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), líder de seu partido, julga que, caso o texto principal da reforma trabalhista seja aprovado, o Brasil estará entre os países mais injustos com os trabalhadores. Ela acrescentou que a MP promove uma redução parcial de alguns danos da proposta original, mas que o reparo não é proporcional.

- O texto ainda é muito agressivo. Vamos buscar reduzir o dano ao máximo e postergar a votação para que ela fique mais próxima às eleições e seja possível amolecer o coração de Temer.

Fonte: O Globo
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br