Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Sustenta e defende as tuas prerrogativas, uma transigência, neste particular, não avilta apenas a ti próprio, compromete uma classe.
Dr. Aristides Junqueira
17/11/2017

Trabalhadores intermitentes, os novos párias de Michel Temer

A Medida Provisória que Temer assinou ajustando a lei da contra-reforma trabalhista deixou mais claras as maldades impostas ao novo tipo de trabalhador que está sendo criado, o intermitente. Aquele que pode ser chamado para trabalhar quantas horas o empregador quiser, ao longo do mês, nunca sabendo quanto ganhará no final. Eles são os novos párias brasileiros, discriminados em seus direitos, usados pelos patrões segundo seus interesses e conveniências. O trabalhador intermitente terá que ficar ali, de olho no telefone, esperando um chamado que poderá vir ou não para trabalhar naquele dia ou no dia seguinte. O setor de bares, restaurantes e hotéis vai usar e abusar dos párias.

Um trabalhador intermitente não terá direito ao seguro-desemprego. Esta é uma discriminação gritante, fixada agora pela MP de Temer, que deve acabar na Justiça. Mas há outras. Se no somatório das horas trabalhadas ele ganhar mais que um salário-mínimo, o patrão recolherá a contribuição previdenciária e descontará a parte do empregado. Mas se no somatório os vencimentos dele não alcançarem os R$ 937 do atual salário-minimo, ele é que terá de recolher uma contribuição previdenciária adicional, por conta própria, se não quiser ficar com um buraco em sua conta no INSS. E aqui entra outro problema. A Constituição estabelece que ninguém pode ganhar menos que um salário-minimo nacional. Mas na reforma de Temer, agora isso é permitido.

O trabalhador intermitente, o novo pária, terá direito ao auxílio-saúde, quando adoecer, mas para ele o empregador não pagará, como para os outros, o equivalente aos primeiros 15 dias de licença-médica. Ele terá que ir direto para a perícia do INSS, e se o perito achar que não precisa da licença, ficará a ver navios. Ou trabalha doente, ou não trabalha mas nada ganha.

Da mesma forma, neste regime, as gestantes terão que buscar diretamente no INSS a remuneração pela licença maternidade, o que será sempre mais complicado, com filas e atrasos no pagamento, justamente quando a mãe mais precisa de algum dinheiro para cuidar do recém-nascido. Hoje, o empregador banca a licença e depois se acerta com o governo, que banca a maior parte da despesa. Mas a mulher pária não. Deve começar a receber os proventos lá pelo terceiro mês depois do parto. Este é o tempo que todos os “encostados” no INSS levam para receber a primeira parcela, em casos de auxílio-saúde.

Semeando maldades e retrocessos, e até criando esta subclasse de trabalhadores, 5% de aprovação para Michel Temer ainda é muita generosidade do povo brasil

 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br