Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Olhando de longe, tudo é belo.
Tácito
14/11/2017

Mudança da reforma trabalhista via MP é inconstitucional, diz Maia

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez duras críticas ao plano do governo de fazer alterações na reforma trabalhista por meio de uma medida provisória, mas negou que engavetaria o projeto, como chegou a ameaçar no passado.

Maia avalia que uma MP para alterar as regras seria inconstitucional e enfraqueceria a legislação, que entrou em vigor neste sábado (11).

mercado

Mudança da reforma trabalhista via MP é inconstitucional, diz Maia

Compartilhar via Facebook

Compartilhar via Twitter

Compartilhar via GooglePlus

Compartilhar Linkedin

LUIZA FRANCO

DO RIO

13/11/2017 20h12

Pedro Ladeira - 18.set.17/Folhapress

BRASILIA, DF, BRASIL, 18-09-2017, 09h00: Cerimônia de Posse da Nova Procuradora Geral da República (PGR) Raquel Dodge, com a presença do presidente Michel Temer, da presidente do STF Ministra Carmen Lucia, e dos presidentes da câmara e do senado, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) e senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), na sede da PGR. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)

Apesar de discordar, no entanto, afirmou vai colocar a MP em pauta

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez duras críticas ao plano do governo de fazer alterações na reforma trabalhista por meio de uma medida provisória, mas negou que engavetaria o projeto, como chegou a ameaçar no passado.

Maia avalia que uma MP para alterar as regras seria inconstitucional e enfraqueceria a legislação, que entrou em vigor neste sábado (11).

PUBLICIDADE

"A reforma foi feita por projeto de lei; no projeto de lei você discute, aprova, o presidente sanciona e começa a valer. Se o presidente editar uma MP depois, além de isso ser, ao meu ver, inconstitucional, ele vai estar gerando uma gerando uma grande insegurança ao trabalhador, porque a partir disso qualquer presidente pode mudar as leis trabalhistas por MP", disse ele, em evento no Rio.

A ideia de fazer alterações no texto da reforma por meio de uma medida provisória resultaram de um acordo do presidente Michel Temer com senadores que discordavam de alguns pontos da proposta.

O acordo foi firmado para convencer a base aliada a aprovar a reforma trabalhista sem modificar o projeto que veio da Câmara, em maio.

Com isso, Temer evitava que a proposta fosse alterada no Senado e tivesse que voltar à Câmara, o que implicaria em um atraso no cronograma das reformas. Para sinalizar força ao mercado, num momento de forte crise política, o Planalto ofereceu a MP como alternativa para acelerar a aprovação do projeto.

Apesar das declarações contrárias, porém, o presidente da Câmara negou a declaração feita em julho, em que dissera que não colocaria a MP em pauta.

"Óbvio que vou pautar o acordo que o presidente fez com o Senado, mas não acho justo encaminhar por projeto de lei e agora fazer acordo com Senado, que acho inconstitucional, e encaminhar por MP porque enfraquece a lei que foi sancionada", disse ele.

O presidente da Câmara também comentou a reforma da Previdência, dizendo que ficará satisfeito se o governo conseguir aprovar metade do que havia sido proposto. Disse ainda que vai se empenhar para que ela seja aprovada.

"Para a crise [política] que passamos nos último meses, se aprovar metade já é uma grande vitória e vou me empenhar pessoalmente nisso até o fim do ano ou início do ano que vem", disse ele.

Segundo ele, o maior problema no que diz respeito à reforma é de comunicação. "Infelizmente, ninguém foi capaz de comunicar de forma correta à sociedade sobre o que queremos fazer."

 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br