Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

As pessoas inteligentes estudam a fim de saberem mais. As pessoas sem mérito estudam para se tornarem mais conhecidas.
Sabedoria oriental
10/11/2017

Por verba de sindicatos, Paulinho da Força recorre a Lula

Com a anuência do presidente da central e deputado federal, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, dirigentes da Força Sindical pediram ajuda ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para aprovar no Congresso uma contribuição assistencial para a sobrevivência de sindicatos no país.

Em dissonância com as centrais, Michel Temer desistiu de propor, por meio de medida provisória, fonte de financiamento de entidades trabalhistas, que deixarão de receber o imposto sindical a partir da semana que vem.

PUBLICIDADE

Como a proposta enviada ao Congresso não incluirá a regulamentação da contribuição assistencial –apontada como uma forma de amenizar o impacto da reforma trabalhista nas contas dos sindicatos–, o comando da Força recorreu a Lula.

Infográfico: AGENDA - Atos de centrais sindicais contra a reforma trabalhista nesta sexta

A pedido do secretário-geral da entidade, João Carlos Gonçalves, o Juruna, foi agendada, então, uma reunião com o ex-presidente na terça (7) para a apresentação de uma proposta pela qual a contribuição é fixada em assembleia. "Precisamos do apoio de PT, PCdoB e PSOL", justifica Juruna, alegando que parlamentares de esquerda resistem às propostas encampadas pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM).

O presidente da Federação dos Químicos de São Paulo, Sérgio Luz Leite, foi encarregado da conversa com Lula. Segundo ele, o ex-presidente "acha razoável a regulamentação de uma alternativa de custeio".

Nesta semana, filiados da Federação dos Químicos aprovaram em assembleia cobrança de 6% do salário dos trabalhadores da categoria, diluídos em 1% ao mês e com teto de R$ 45 mensais, a partir de abril de 2018. A intenção é que os acordos coletivos prevaleçam sobre a lei. Mas os sindicalistas reconhecem o risco de a contribuição ser derrubada por falta de amparo legal.

"Estamos contando com a aprovação no Congresso. Mas será uma votação apertadíssima", disse Leite.

O apelo da Força Sindical é para que petistas e CUT participem de negociações no Congresso a partir das regras já aprovadas.

Secretário-geral da CTB, Wagner Gomes diz que os sindicalistas estão em campanha com parlamentares "para tentar quebrar essa visão de que sindicatos só pegam o dinheiro" sem oferecer em troca assistência ao trabalhador.

Bem menos otimista, o presidente da UGT, Ricardo Patah, afirma que, "na pior das hipóteses, as centrais poderão reabrir negociação após posse da nova legislatura".

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br