Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Suas ações não deveriam ser determinadas pelos desejos daqueles que estão à sua volta, mas pelas necessidades de toda a humanidade
Leon Tolstoi
06/11/2017

Jornal diz que reforma trabalhista facilitará trabalho escravo

4 de novembro de 2017eduguimDestaque, Reportagem, Todos os posts, Últimas notícias

FacebookTwitterGoogle+EmailWhatsAppTelegramCompartilhar341

Parece aquém do desejável a repercussão (ao menos na internet) de reportagem espantosa do jornal Folha de São Paulo deste sábado (4/11) que desnuda a argumentação vil do governo Michel Temer quando à portaria do Ministério do Trabalho que dificulta o combate ao trabalho escravo no Brasil.

Basicamente, a portaria se baseia no conceito de que existiriam “exageros” nos autos lavrados pelos fiscais, como, por exemplo, falta de uma saboneteira no local de banhos dos trabalhadores rurais – atividade em que o trabalho escravo é mais comumente explorado, ainda que o setor de confecções se utilize tanto ou mais de mão-de-obra escrava.

A reportagem da Folha mostra que os problemas de instalações dos abrigos de trabalhadores e demais condições trabalhistas que o governo Temer considerou insuficientes para caracterizar trabalho escravo parecem se fazer acompanhar de infrações muito mais graves.

O que fez o governo Temer foi isolar infrações de somenos importância e apresenta-las como o todo dos autos de infração.

Parece mentira que seres humanos adotem tal estratégia para favorecer a escravidão, mas o Brasil não é o desastre social e humanitário que é à toa, esse desastre requer governantes desumanos como Michel Temer e a tucanada cúmplice dessa vergonha.

A reportagem da Folha tem o mérito inegável de mostrar que a suspensão da portaria escravagista de Temer não é suficiente para impedir que ele e seus asseclas favoreçam a escravidão no Brasil. O governo escravagista tem outros instrumentos para favorecer essa chaga humanitária como tirar recursos da fiscalização, segundo a reportagem a seguir.

Porém, não é só. A reportagem em tela termina lembrando que a regularização do “trabalho intermitente” irá favorecer o trabalho escravo, porque o empresário escravagista poderá “reiniciar” contratos de trabalho antigos negando assim vários direitos que os trabalhadores teriam por antiguidade na prestação de serviços àquela empresa.

Essa reportagem, acima de tudo, mostra o que está em jogo hoje no Brasil, ou seja, a importância de tirar o PMDB e o PSDB do poder, barrando coisas ainda piores como os devaneios eleitorais de um Jair Bolsonaro. Leia e divulgue a reportagem a seguir. O país precisa entender o perigo que é essa gente continuar no poder.

Fonte: Folha de S. Paulo
 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br