Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

As pessoas inteligentes estudam a fim de saberem mais. As pessoas sem mérito estudam para se tornarem mais conhecidas.
Sabedoria oriental
06/11/2017

Jornal diz que reforma trabalhista facilitará trabalho escravo

4 de novembro de 2017eduguimDestaque, Reportagem, Todos os posts, Últimas notícias

FacebookTwitterGoogle+EmailWhatsAppTelegramCompartilhar341

Parece aquém do desejável a repercussão (ao menos na internet) de reportagem espantosa do jornal Folha de São Paulo deste sábado (4/11) que desnuda a argumentação vil do governo Michel Temer quando à portaria do Ministério do Trabalho que dificulta o combate ao trabalho escravo no Brasil.

Basicamente, a portaria se baseia no conceito de que existiriam “exageros” nos autos lavrados pelos fiscais, como, por exemplo, falta de uma saboneteira no local de banhos dos trabalhadores rurais – atividade em que o trabalho escravo é mais comumente explorado, ainda que o setor de confecções se utilize tanto ou mais de mão-de-obra escrava.

A reportagem da Folha mostra que os problemas de instalações dos abrigos de trabalhadores e demais condições trabalhistas que o governo Temer considerou insuficientes para caracterizar trabalho escravo parecem se fazer acompanhar de infrações muito mais graves.

O que fez o governo Temer foi isolar infrações de somenos importância e apresenta-las como o todo dos autos de infração.

Parece mentira que seres humanos adotem tal estratégia para favorecer a escravidão, mas o Brasil não é o desastre social e humanitário que é à toa, esse desastre requer governantes desumanos como Michel Temer e a tucanada cúmplice dessa vergonha.

A reportagem da Folha tem o mérito inegável de mostrar que a suspensão da portaria escravagista de Temer não é suficiente para impedir que ele e seus asseclas favoreçam a escravidão no Brasil. O governo escravagista tem outros instrumentos para favorecer essa chaga humanitária como tirar recursos da fiscalização, segundo a reportagem a seguir.

Porém, não é só. A reportagem em tela termina lembrando que a regularização do “trabalho intermitente” irá favorecer o trabalho escravo, porque o empresário escravagista poderá “reiniciar” contratos de trabalho antigos negando assim vários direitos que os trabalhadores teriam por antiguidade na prestação de serviços àquela empresa.

Essa reportagem, acima de tudo, mostra o que está em jogo hoje no Brasil, ou seja, a importância de tirar o PMDB e o PSDB do poder, barrando coisas ainda piores como os devaneios eleitorais de um Jair Bolsonaro. Leia e divulgue a reportagem a seguir. O país precisa entender o perigo que é essa gente continuar no poder.

Fonte: Folha de S. Paulo
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br