Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O sábio persegue a ausência da dor, e não o prazer.
Aristóteles
03/10/2017

Em 2018, vencerá aquele que representar ‘inclusão’, escreve Antônio Britto

Ex-ministro e ex-deputado federal analisa sucessão

Será vital garantir a inclusão de quem está no centro

‘É a inclusão, estúpido’, brinca Britto, citando Clinton

Ética não será a única cobrança do eleitor em 2018Nelson Jr./ ASICS/TSE

ANTÔNIO BRITTO

03.out.2017 (terça-feira) - 6h05

atualizado: 03.out.2017 (terça-feira) - 7h55

Ao ler a pesquisa do Datafolha deste final de semana, o leitor pode ficar com a impressão de que o brasileiro não sabe o que quer.

No levantamento, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está colocado em 1º lugar.

Os entrevistados dizem que uma das principais qualidades de um presidenciável deve ser a experiência.

Receba a newsletter do Poder360

todos os dias no seu e-mail

seu e-mail

OK

Ao mesmo tempo, afirmam que querem Lula na cadeia.

Apesar das aparências, o eleitor está sendo coerente. Quer Lula na cadeia e Temer processado. Isso porque, ao lado da competência, exige e cobra um comportamento ético.

Daí decorre a dificuldade a ser enfrentada na campanha por Lula e por qualquer outro que esteja envolvido nas acusações e processos decorrentes da Lava Jato.

Mas, na eleição de 2018, as discussões não serão esgotadas no campo da ética. Elas começarão pela ética, mas avançarão pelo tema de sempre: a inclusão.

Há um padrão nas 7 eleições realizadas desde a democratização.

Com inflação alta e desorganização da economia, venceu quem vendia futuro e esperança (Collor) contra todos que de alguma forma representavam “o que estava aí”.

Venceu Fernando Henrique, que personalizava o real, esperança de inflação baixa, retomada do emprego e do desenvolvimento.

Venceu Lula quando conseguiu, depois de 3 derrotas, conciliar a mensagem de equilíbrio (graças a Antonio Palocci) com a esperança de promover inclusão social em um cenário de economia então estabilizada.

E venceu Dilma que, apesar de tudo, significava a continuidade da inclusão.

Há uns 20 e tantos por cento ideológicos, à direita, geralmente saídos da classe média do Sul-Sudeste do país e com uma agenda que privilegia a ordem, a estabilidade, a ética.

Há outros 20 e poucos por cento ideológicos, à esquerda, também saídos dessa mesma classe média, das corporações, dos sindicatos e de setores como a universidade que privilegiam o repertório tradicional e conhecido da esquerda.

Mas, quem ganha eleição, quem está invicto são 40 a 50 por cento. Não são ideológicos. Não se definem ou se localizam por região. São vitimas da desigualdade. Não têm plano de saúde. Sofrem com o SUS. Com as escolas públicas, péssimas. E, para eles, a violência é mais que o assalto ao carro ou à casa. A violência é ver os filhos mortos na frente do barraco pelas balas perdidas.

Querem e precisam de esperança. E esta vem da capacidade de o candidato apontar para o caminho da inclusão, da melhoria social. Se vier de alguém que, além disso, também passa experiência, como Fernando Henrique, ótimo. Se vier de alguém que transmitia amadurecimento (Lula, paz e amor), ótimo. Mas se não houver esse alguém, serve quem promete ainda que falsamente (Collor).

As pesquisas confirmam que há enorme espaço e exigência para a ética e a experiência. Mas elas serão inúteis se quem as defende não for visto como esperança de inclusão, se não souber falar para quem precisa.

O futuro da eleição está nas mãos, portanto, de quem é sensato/responsável. Ou estes produzem a alternativa inclusiva ou entregam a eleição ao inesperado-demagógico-populista,

Lembrando a famosa eleição de Bill Clinton, em 1992. No Brasil, não é a economia. É a inclusão, estúpido!

Antônio Britto Filho, 65 anos, é jornalista, executivo e político brasileiro. Foi deputado federal, ministro da Previdência Social e governador do Estado do Rio Grande do Sul. Atualmente é presidente-executivo da Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa).

 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br