Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Aquele que já não é teu amigo, nunca o foi realmente.
Aristóteles
28/09/2017

Privatização entrega recurso público e ameaça serviços essenciais

“Parceria Público Privada (PPP) é na realidade um presente para a iniciativa privada” afirmou Wagner Fajardo, coordenador do Sindicato dos Metroviários de São Paulo. A privatização do metrô paulista aumenta a ofensiva no estado fortalecendo a lógica da política privatista anunciada na esfera federal para a Eletrobras. A direção da estatal vê a adoção das PPPs como a solução para a venda.

Por Railídia Carvalho

“PPP não resolve. Entregar um setor estratégico é danoso para a economia e para a soberania do país”, completou Fajardo durante entrevista nesta terça-feira (26) no Centro de Mídia Alternativa Barão de Itararé.

O processo de privatização das linhas 5 e 17 define bem o que dirigente chamou de “presente para a iniciativa privada”: O lance mínimo para o leilão é de R$ 193 milhões, o que equivale a 2% do total gasto com a construção dos trechos das linhas 5 e 17 ou 50 vezes menos o que foi gasto. “A iniciativa privada não corre riscos. É só chegar e lucrar”, afirmou o metroviário.

A preço de banana

O raciocínio de Fajardo se encaixa na privatização da Eletrobras. Na inauguração dos encontros sobre privatização de serviços essenciais no Barão de Itararé, o dirigente eletricitário Eduardo Annunciato, o Chicão, alertou que o governo Temer quer arrecadar 20 bilhões com a venda da Eletrobras quando os ativos da estatal são estimados em 370 bilhões.

“Uma única usina vale 20 bilhões”, ressaltou Chicão. O sistema Eletrobras é formado por 47 hidrelétricas (com potencial instalado de 41 mil megawatts), 114 termelétricas, 69 usinas eólicas e duas usinas nucleares. Possui 70 mil km de linhas de transmissão e detêm 10% do mercado de distribuição.

Na terça-feira (2), a conversa sobre privatização e serviços essenciais continua no Barão com o setor de água, esgoto e saneamento básico. Participam neste dia dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema). O segmento também está na mira das privatizações como contrapartida pelo refinanciamento da dívida dos estados com a União.

Lucro para privadas, prejuízo para usuário

“O Estado entrega toda a parte civil, equipamento, todo o sistema de graça. Em 4 meses operando a linha, a concessionária recupera o valor investido”, ressaltou Fajardo (foto) esclarecendo a lógica da privatização.

A linha 4 do metrô em São Paulo e o metrô do Rio de Janeiro foram usados como exemplos pelo dirigente para mostrar como a privatização é um grande negócio para as empresas e ruim para a população.

“O governo do Estado colocou 85% dos 5 bilhões que custou a construção da linha amarela. A concessionária entrou com 15%, sem obrigação de investir a mais, só precisa fazer a manutenção”, explicou Fajardo. Para as privatizações futuras no metrô a lógica é a mesma da linha 4.

“No Rio tinha mais de 200 km de ferrovia e metrô. Hoje tem pouco mais de 100 km. Após a privatização várias linhas foram fechadas, a tarifa é a mais cara da América Latina e tem um dos piores serviços prestados à população”. O Metrô do Rio de Janeiro foi privatizado em 1998.

Defesa do metrô público

Nesta quinta-feira (28), os metroviários de São Paulo realizam um ato para denunciar a privatização nos transportes. A suspensão nesta segunda-feira (26) da licitação para privatização das linhas 5 e 17 do metrô fortalece as denúncias do sindicato contra a ofensiva privatista estatal e federal.

Entre as ações dos metroviários contra a privatização está ainda o plebiscito em defesa do metrô público. A votação iniciou em agosto e prossegue neste mês. As estações Sé, Tatuapé e Capão Redondo, está última ameaçada de ser privatizada, receberam as urnas para votação. Para votar online clique AQUI.

“Apesar de termos resultados favoráveis ao metrô público sabemos que a população ainda não tem muito claro o que é público e o que é privado”, analisou Fajardo. “Não disputamos a comunicação quando estivemos nos governos populares assim como também não usamos esse período para valorizar o que era público”, destacou.

Racismo

Além do combate à privatização, o ato desta quinta-feira denuncia a terceirização das bilheterias do metrô e demissões que vem ocorrendo na empresa baseadas em avaliação de produtividade, que tem os critérios contestados pelo sindicato.

Também haverá um protesto contra a demissão do trabalhador do metrô Valter Rocha que denunciou ter sido alvo de ofensas raciais por parte de um usuário. O trabalhador respondeu às ofensas e foi demitido pela empresa. O sindicato considera “absurda” a demissão do metroviário e tenta reverter a decisão.

Fonte: VERMELHO
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br