Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Não existe um grande gênio sem uma pitada de loucura.
Aristóteles
21/09/2017

Há um cemitério político no fim de 2018 aguardando os candidatos de 3ª via

Governistas e opositores têm sólidas bases eleitorais

Outros políticos perdem votos no decorrer da campanha

Marina Silva, pré-candidata da Rede à Presidência, durante entrevista ao Poder 360Sérgio Lima/Poder360 - 26.mai.2017

ALBERTO CARLOS ALMEIDA

20.set.2017 (quarta-feira) - 5h30

CIRO E MARINA SÃO OS FANTASMAS QUE ASSOMBRAM A 3ª VIA

Em todas as eleições presidenciais ocorridas desde 1994 a 3ª via fracassou rotundamente. Entenda-se por 3ª via um candidato que não pertencesse nem ao PT nem ao PSDB. Os casos mais eloquentes de fracasso foram Ciro Gomes na eleição de 2002 e Marina Silva na eleição de 2014.

Ambos começaram a campanha atrás do, ou dos favoritos, cresceram muito, e depois caíram até amargarem derrotas eleitorais relativamente vexatórias e que tiveram consequência negativa em seu futuro político. Cumpre procurar entender as possíveis razões de tais acontecimentos para avaliar o que 2018 nos reserva.

Iniciemos pelo que havia e houve de comum entre o Ciro de 2002 e a Marina de 2014. Como já dito, os 2 eram a 3ª via. Nos respectivos anos, os 2 disputavam a sua 2ª eleição presidencial.

Isto é, Ciro tinha sido candidato pela 1ª vez em 1998, quando teve a oportunidade de tornar-se nacionalmente conhecido, e Marina havia sido candidata em 2010 pelo Partido Verde. Ambos tinham também em comum o fato de serem politicamente originários de Estados pequenos, Ceará e Acre, com pouca densidade política e econômica.

Receba a newsletter do Poder360

todos os dias no seu e-mail

seu e-mail

OK

A característica comum mais importante foi revelada, contudo, pelas pesquisas. Quando os dados eram abertos notava-se que o voto de Ciro e Marina vinham tanto daqueles que avaliavam positivamente o governo, quanto daqueles que o avaliavam negativamente. Dito de maneira bem clara, em termos de opinião pública seus apoios eram pés de barro, poderiam se quebrar a qualquer momento.

Candidatos eleitoralmente sustentáveis, não em todas as eleições, mas certamente na grande maioria delas, são aqueles que têm um pilar sólido bem fincado em um segmento do eleitorado. Um candidato de governo retira a maioria de seus votos daqueles que aprovam o governo. Um candidato de oposição, como diz o nome, retiram a maioria de seus votos daqueles que rejeitam e desaprovam o governo.

Ciro e Marina não eram nem uma coisa, nem outra. Sendo assim, com o decorrer da campanha e o aumento de sua exposição o eleitor de governo, em 2002, acabou por deixar Ciro e se abrigar sob as asas de Serra e o eleitor de oposição se sentiu mais bem representado por Lula do que pelo prócer cearense.

Já em 2014 este fenômeno se repetiu, apenas trocando-se o nome próprio para Marina. Os eleitores que em algum momento negligenciaram a candidatura de Aécio e declararam voto na candidata do PSB acabaram por abandoná-la em favor do ninho tucano.

Igualmente, aqueles que avaliavam positivamente o governo e que, em algum momento da campanha, se enamoraram por Marina, acabaram por romper com ela e voltar aos braços daquela que viria a sofre o impeachment. Aécio era o porto seguro da oposição, assim como Dilma era o porto seguro do governismo.

Ser 3ª via em 1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014 foi a via mais curta para acabar a campanha talvez menor do que se entrou nela. Atualmente Luciano Huck realiza pesquisas para avaliar a sua imagem nacionalmente, pensando, obviamente, em ser candidato. Vale aqui um parêntesis.

Imagine-se Luciano Huck presidente! Ele teria que negociar com as raposas da Câmara e os caciques do Senado. Obviamente, por não saber fazer política, por não ter rede de relações formadas neste meio, por não ter sido testado em negociações, cumprimento de acordos e coisas do gênero, Huck ficaria inteiramente nas mãos da elite política parlamentar. Ele iria ser feito, como diz o ditado, de gato-sapato pela Câmara e o Senado. Felizmente a probabilidade disto ocorrer é mínima.

No final da campanha de 2018 haverá o cemitério da 3ª via. A quantidade de políticos a serem nele enterrados dependerá da esperança de vitória semeada pela Lava Jato no início do próximo ano. Não custa lembrar que a maior probabilidade é a de que a eleição de 2018 venha a ser disputada em 2º turno por um candidato do PT e outro do PSDB.

Fonte: poder360Agência Senado
 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br