Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O sábio persegue a ausência da dor, e não o prazer.
Aristóteles
12/07/2017

Renan diz que Temer liderou facção e que reforma trabalhista é maldade

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) afirmou nesta terça-feira (11) durante votação da proposta de reforma trabalhista no Senado que o projeto será “marcado pela selvageria e perversidade contra os mais pobres”. De acordo com Renan, o Senado se omite em um momento em que o presidente da República “responde a delações em série do grupo e facção a que pertenceu e liderou”. Para ele, “a Casa não pode permitir que esta conta vá para o trabalhador”.

Por Railídia Carvalho

Renan enfatizou, se referindo ao senador Romero Jucá (PMDB-RR), que este governo “está no fim”. Comparou “a um morto sangrando sendo fatiado pelo açougueiro”.

Para o parlamentar, o Senado não pode fazer de conta que não está percebendo essa degradação do governo de Michel Temer.

“É preciso salvaguardar para que esta casa volte a dizer que vamos fazer as reformas mas não para revogar direitos dos trabalhadores duramente conquistados ao longo dos anos”, defendeu.

Renan iniciou o discurso declarando que esta terça-feira seria um dia muito triste para o Senado Federal. Na opinião dele, o Senado “durante muito tempo conhecido como a Casa que faz o que o povo quer se submete a fazer o desmonte do estado social”.

“Do dia para a noite essa reforma trabalhista representa um pouco do sadismo que vivemos na sociedade brasileira. A proposta foi mandada para o Congresso com 7 pontos, na Câmara passou a 117 pontos (de alteração da Consolidação das Leis do Trabalho) numa carga de maldade que sufoca e penaliza os trabalhadores, sobretudo, os mais desvalidos”, relembrou o senador.

Entre as maldades da reforma trabalhista, Renan citou o fim da proibição do trabalho de gestantes e lactantes em locais insalubres, o trabalho intermitente, quando o trabalhador fica à disposição do empregador, e o acordado sobre o legislado.

Renan defendeu que deveria haver um piso ou um teto para que não fossem atropelados os direitos adquiridos dos trabalhadores. “Não entendo como uma reforma desta magnitude que vai sacrificar o povo e aumentar a desigualdade sem que o Senado possa aprovar uma emenda sequer”, criticou.

Nas Comissões de Assuntos Econômicos e de Constituição e Justiça as emendas foram rejeitadas pelo relatores e defendida a aprovação no Senado do projeto tal qual veio da Câmara. Alterar o projeto significaria fazê-lo retornar para a Câmara. O que não interessa ao governo Temer.

O senador pemedebista afirmou que todo pais do mundo que implementou o acordado sobre o legislado usou regras e critério.

“Na França não está havendo o desmonte do movimento sindical. Está havendo uma reforma mas a representação sindical está se fortalecendo nas comissões de fábrica. Aqui, a representação sindical está proibida no justo momento em que o acordo se impõe sobre o legislado”.

Renan lamentou o caminho sinalizado pelo Senado em apoio à reforma trabalhista. “Há pouco conversávamos numa roda e ouvia do senador Otto Alencar (PSD-BA) que muitas vezes a virtude está na minoria. Nesta tarde/noite, sem dúvida, a virtude está na minoria”.

 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br