Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

... Adieu, monsieur, je vous recommande la vèrité, la liberté,et la vertu trois seules choses pour lesquelles on doive aimer la vie.
Voltaire, Questions sur les miracles, XIe Lettre
19/06/2017

Centrais e movimentos sociais realizam atos dia 20 contra reformas

Ganham força as mobilizações de trabalhadores pelo Brasil, que saem às ruas nesta terça-feira (20) no Dia Nacional de Mobilização contra as reformas trabalhista e da Previdência. Sindicalistas de todo o país convocam a sociedade para se unir à agenda de mobilização para a greve geral indicada para 30 de junho. O dia 20 de junho está sendo chamado pelas centrais de “esquenta” para a greve.

Centrais Sindicais

O presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo, afirmou que a CTB segue firme na construção da greve geral para o dia 20. "O Brasil eclodiu em protestos por Direitos, Diretas e Fora Temer! A GREVE GERAL é a celebração com conteúdo de classe", destacou.

De acordo com o dirigente, o momento é de intensificar a resistência contra as reformas. A CTB convocou as entidades estaduais para fortalecerem a agenda unitária das centrais. Segundo ele, é ilusão achar que os problemas da classe trabalhadora serão resolvidos pela edição de uma medida provisória de um governo ilegítimo.

Em tramitação no Senado, o Projeto de Lei da Câmara 38/2017 sobre a reforma trabalhista avança na Casa sem incorporar emendas apenas com a promessa de veto a alguns pontos. O relator Ricardo Ferraço (PSDB-ES) afirma que alguns pontos ficariam sob a decisão do ilegítimo Michel Temer.

Na opinião de parlamentares da oposição e dirigentes das centrais, o texto tira a proteção do trabalhador e precariza as condições de trabalho e, portanto, deveria ser rejeitado integralmente ou sua tramitação suspensa.

Sérgio Nobre, secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores, afirmou que “Um governo sem legitimidade e o Congresso envolvido em escândalos não têm nenhuma condição de dialogar com a classe trabalhadora”.

O dirigente completou: “(eles) sabem que essa pauta de derrubada de direitos mínimos jamais seria aprovada pelo povo em eleições diretas. Assim, cabe a todo brasileiro que deseja ver seu filho trabalhando em condições dignas, que ainda sonha em se aposentar sem morrer trabalhando ir para a rua cobrar o fim dessas reformas”.

Raimundo Bonfim, da Central de Movimentos Populares (CMP) detalhou a importância de se manter a população mobilizada. “Além da luta contra as reformas, o ‘fora, Temer’ e Diretas Já também são bandeiras da mobilização. Uma coisa está associada à outra: precisa derrubar o Temer para travar as reformas.”

Segundo Raimundo, apesar do total desgaste do governo, do envolvimento em corrupção e na iminência do oferecimento da denúncia pela Procuradoria-Geral da República, o governo continua interferindo pela aprovação das reformas na Câmara e no Senado.

De acordo com a orientação das centrais, serão feitas panfletagens em locais de grande circulação, terminais de ônibus, metrôs e também caminhadas para dialogar com a população.

 
+ Clipagem

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

Terceirização: Anamatra lamenta aprovação de PL que libera a prática em todas as atividades e pede v - Em nota, entidade pede que presidente da República teve o PL nº 4302/1998 A Associação Nacional dos Magistrados da

Centrais e Ministério do Trabalho criam grupo para aprimorar projeto que altera legislação trabalhis - Em reunião nesta sexta-feira, 20, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, as seis centrais sindicais reconhecidas - CS

PEC 287/16: ANFIP e magistrados produzem nota conjunta contra reforma - O presidente da ANFIP, Vilson Antonio Romero, reuniu-se nesta quarta-feira (18), em Brasília, com representantes da Anam

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br